sábado, 6 de agosto de 2016

O Mini, o Zé e o Verão


Anda aqui pela praia, há dias. É um Mini Cooper, dos antigos, todo "artilhado", como antes se dizia. Esta manhã, à ida para os jornais, lá estava ele, ao pé do Pereira. Lembrou-me uma historieta de um Verão dos anos 60.

Lá por Vila Real, quem tinha uma "máquina" parecida com essa era o José Araújo, conhecido pelo "Foquita", um dos meus mais sólidos (e saudosos) amigos desde a infância. Em férias, depois dele regressar da tropa, passávamos horas sentados no carro, à conversa com música, discutindo este mundo e o outro, quando não às "voltas ao circuito", depois de meter "cinco escudos de gasosa", na bomba do Platas, em frente à farmácia Almeida.

Um dia, foi anunciado que o Rali Tap tinha uma "classificativa" que passava ali perto, pelo Marão. Os automóveis nunca me interessaram minimamente (embora Vila Real seja a indiscutível "capital" do desporto automóvel em Portugal), mas o espetáculo noturno de uns aceleras a levantar poeira, com faróis dardejantes, nos caminhos de terra batida lá para os lados da Pousada, entusiasmou-me a alinhar numa expedição com o Zé, com o Antonio Lopes e o Gama mais novo, numa certa madrugada de Verão. Ainda guardo fotos dessa noite.

No regresso a Vila Real, ainda sob o efeito do ambiente excitado do rali, ao Zé Araújo deu-lhe para acelerar e apertar nas curvas, sob alguns protestos de prudência, pelo menos meus. Já estávamos quase a chegar a Parada de Cunhos, uma das portas da cidade, quando, na curva a seguir à Toca do Lobo, o Mini fugiu do controlo do Zé, fez um "pião", desligou-se e aí fomos nós, numa silênciosa queda às arrecuas, para dentro do que julgo que era uma vinha. O carro ficou "de pé", connosco, ilesos, a olhar para o céu e a emitir alguns qualificativos pouco abonatórios (e impublicáveis) sobre os dotes do condutor. Eu e o Zé, que íamos à frente, fomos os primeiros a conseguir sair, com o Lopes e o Gama (que, tal como o Zé, já se foi desta vida), vindos lá de trás, a terem de ginasticar-se para o exercício.

Depois, seguiu-se a operação "resgate". De boleia, fui aos bombeiros "de cima" (em Vila Real, os bombeiros estão "balcanizados") acordar o chefe Artur, com quem regressei ao local do acidente no Jeep com guincho, com ele a remoer todo o caminho contra o Zé Foquita. 

Mas a noite ainda não tinha terminado... Retirado o Mini para a estrada, verificou-se que o tubo de escape havia ficado bloqueado com terra, o que impedia o arranque da viatura. Simpaticamente, o ocupante de um dos carros que pararam para "ver o desastre" colocou a cara ao nível do escape e procurou desobstruí-lo com uma chave de fendas. O Zé, que estava mais do que nervoso, distraído, colocou o carro a trabalhar no preciso momento em que o improvisado ajudante ainda olhava para dentro do tubo. Um último torrão atingiu então a vista do prestável cidadão, que ficou aos berros de dor na noite, tendo que ser conduzido de imediato ao hospital. Os colegas do ferido, pessoal da Régua, queriam dar um "enxerto" ao Zé Foquita, pela sua imprudência. Deu trabalho acalmar as hostes! 

O que um Mini na praia agora me fez lembrar!

4 comentários:

Anónimo disse...

'pessoal da régua'...

Bartolomeud'Asp disse...

Belas memórias! 😊

Correia da Silva disse...

Curiosamente, o meu primeiro carro foi um Mini Clubman em 1970.
"Grandes máquinas", naquela época, que faziam as delícias dos "Mini playboys" e das " ".sweet playgirls".



João Saul disse...

Gostei!