sábado, 20 de agosto de 2016

Histórias de Viana (2)


Estão a ver a pequena janela ao lado da Igreja de Nossa Senhora das Candeias, no Largo Vasco da Gama, em Viana do Castelo? Pertencia a uma casa minúscula, com entrada lateral para o largo que hoje se chama Amadeu Costa - que foi meu professor de natação e muito escreveu sobre Viana. 

Àquela janela assomava, na minha juventude, uma rapariga avantajada, de cabelos longos e ar desafiador. Tinha uma voz estridente, que se ouvia bem em todo o largo, quando falava para os conhecidos que passavam. A voz da jovem irritava-me supinamente e, na crueldade dos meus 10 ou 11 anos, gritava-lhe da varanda da casa da minha avó (fora da foto, à direita): "Cala-te, gorda!" 

A miúda - porque era uma miúda, pouco mais velha do que eu - respondia-me, furiosa, com impublicáveis impropérios com que me mimoseava, assentes num léxico muito "rico", bem próprio da Ribeira, que ali perto começa. A cena repetiu-se pelo menos por dois Verões. Depois, deixei de ver a minha interlocutora.

Lembrei-me dela hoje, ao passar pela janela fechada. Ainda será viva? A sê-lo, terá hoje cerca de 70 anos. Gostaria de pedir-lhe desculpa pela minha irreverência de há bem mais de meio século. Só tenho uma curiosidade: ainda usará os palavrões que, com sotaque bem vianense, ecoavam pelo largo, de um "nível" que fazia corar a estátua do Mercúrio que por lá há?

6 comentários:

Majo Dutra disse...

~~~
Tive de pesquisar, para saber o que anda a fazer Mercúrio por Viana...
A estátua foi mudada para a praça em 1958...
As pessoas curiosas aprendem mais.
Continuação de excelente Agosto...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Isabel Seixas disse...

oh essa história é tão reveladora, quem já não o fez, ou não o pensou, ou não o viu fazer?

Na minha rua de infâncias,vivia uma moça assim dessa dimensão, mas sem palavras, mais decidida, pragmática, e mais eficaz, uma vez vi como ela deu um bom tabefe num garoto sempre apelativo a esses seus generosos atributos visíveis, com tanta força que o rapaz percorreu de arrasto a rua num instante e ele é que soltou o pai nosso dos impropérios mas a uma distância considerável, eu cá por mim fiquei sempre na base do respeitinho, que é bem bonito, aliás ela era uma porreiraça toda cheia de humanismo e valia quanto pesava.

mas o vernáculo faz uma boa purga, até a si o impressiona...he, he.


Anónimo disse...

Boa Festa, Senhor Mordomo.

Que nao chova durante procissao. Espero que a jovem de 70 leia o seu blog por indicacao de um netinho/a empreendedor.

Boa Senhora da Agonia

Saudades

F. Crabtree

Anónimo disse...

Parabéns pelo cargo merecido, que lhe atribuíram nas festas de Viana. Tenho apreciado as histórias que começou a publicar sobre tão bela e nobre cidade que me encanta, onde já passei momentos muito dolorosos aquando da operação bem sucedida a que o meu marido foi submetido, nas mãos sábias do insigne Dr.Adriano de Magalhães, no hospital da cidade. As Festas são fabulosas, a cidade encantadora. É o Minho com a sua galhardia e a sua tradição acolhedora! UM

ignatz disse...

a menina do largo amadeu costa teve sorte da convenção de viena ser posterior.

A Nossa Travessa disse...

Chicamigo

Também me chamam GORDO o que é verdade. Mas não respondo com vernáculo à quinta potência; sou alfacinha...

Abç do Leãozão

Muito obrigado pelo teu imeile. Decidi fazer marcha-atrás e aqui esta a escrever. Que se lixe o Parkinson! - se é que o tenho...) Escrever para mim é u vício, fui vacinado com uma pena de pato. E além do mais é uma excelente terapêutica ocupacional...