sábado, 29 de dezembro de 2012

Saudades da Mônica

Um blogue, particularmente quando subsiste por anos, mobiliza a atenção de comentadores, os quais vão deixando as suas notas, de assentimento, de crítica ou apenas de análise. Com o passar dos tempos, parte desses comentadores tende a desaparecer, migra para outras paragens, outros permanecem fiéis e alguns novos vão surgindo, muitas vezes anónimos, frequentemente com um nome, verdadeiro ou falso, colocado por debaixo dos seus textos. É assim, um pouco por todo o lado, a vida na blogosfera.

A "graça" de um blogue aumenta - reconheço isso, com facilidade - quando o seu autor tem o cuidado de responder com regularidade aos seus comentadores. Comigo, por razões que se prendem com a ocupação do meu tempo, mas também por uma deliberada opção pessoal em não me sujeitar a uma qualquer regra, só esporadicamente reajo aos comentários. E posso perceber que isso seja menos estimulante para o cultivo de um espaço crítico vivo e interativo.

Às vezes penso que, se tivesse tempo, me daria prazer elencar historicamente muitos dos comentadores que se foram perdendo, alguns bem interessantes, até como forma de tentar perceber melhor as razões por que saíram do nosso convívio. Um blogue só tem sentido se tiver leitores - e, nesse aspeto, o "Duas ou três coisas" não pode queixar-se, como se pode observar pela consulta do "sitemeter" ao lado. Mas os comentadores são um outro "barómetro", menos estatístico e mais substantivo, que se torna importante para quem escreve.

De todos os comentadores desaparecidos, há uma senhora brasileira, que assinava como Mônica, cujo abandono sinto particularmente. A Mônica trazia para este blogue uma leitura, frequentemente ingénua e de grande simplicidade, mas sempre de uma grande e rara genuinidade. Às vezes, expressava a sua dificuldade em entender algumas peças voltadas para universos que manifestamente não eram os seus, mas assumia isso com uma cativante candura, acabando, quase sempre, com a expressão "com carinho, Mônica". Eu, que raramente tenho saudades, confesso aqui, neste final de ano, que sinto alguma nostalgia pelo facto da Mônica ter abandonado estas "Duas ou três coisas". 

Um bom ano de 2013 para si, Mônica! No Brasil, deve ser mais fácil...

18 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Sabe que também me lembrei da Mônica este fim de ano, temendo que a sua desaparição pudesse ser sinal de falta de saúde?
Ela visitava um outro blogue que tenho, e comentava sempre com grande ternura.
A Mônica faz falta, de facto. Ainda bem que existem pessoas com a imensa candura que ela revelava, sobretudo quando falava de mamãe!

patricio branco disse...

bonito esse carinho pela comentadora mónica, afinal um blogue como este tambem é como uma familia, um grupo que reune para conversar um pouco, criam-se laços, afectos, o autor pode mesmo preocupar-se e interrogar-se se alguem falta ao convivio, foi o caso da mónica, eu frequentava muito um blogue e subitamente ausentei-me, nem eu sei bem porquê, continuo aliás a gostar desse blogue. não, não é necessario o dono do blogue responder aos comentadores, assim penso, seria egoista por parte deles querer isso e imagino que representaria um bom esforço estar a acusar recepção dos comentários, algum esclarecimento oportuno de vez em quando sim, ou pôr na ordem algum comentador inconveniente, o autor publica o post e é essa a sua importante parte.
talvez a mónica regresse, esperemos todos que sim

Anónimo disse...

Admirável, a ternura e a energia do Sr. Embaixador! Quantas vezes penso, como é possível?

Isabel Seixas disse...

Subscrevo.

Anónimo disse...

A Mônica trazia, de facto, aquele seu parecer ingénuo e apraz-me saber que era apreciado. Tanto mais por ser um parecer genuino que aparentemente não lhe pedia esforço.
Bom Ano para todos, e Bom Ano e com carinho para todas.
José Barros

margarida disse...

O 'susto' foi perceber que não havia percebido a sua falta. A Mônica! Deuses, como a vida pode embotar-nos os sentidos; anestesiar-nos...
Fez muitíssimo bem em lembrar a sua presença meiga e naïve que tanto bem fazia (como pude 'esquecer' a Mônica?!).
Espero que ela regresse e esteja bem, apenas ocupada demais, como eu vou estando, o que dificulta uma presença mais assídua.
Um post mesmo do coração, parabéns, excelência!

Anónimo disse...

Pois é... já perceberam que frequento muito este blog. Não sendo eu politizado, este blog tem-me mostrado como pensam os fortemente politizados em Portugal. Também me tem mostrado o lado humano desses mesmos politizados de uma forma interessante. Mas... como sempre, eu não sei

Anónimo disse...

Que "quiducho" é o povo simples... Como ele nos diverte.

Helena Oneto disse...

Raios partam os anonimos que sabem tudo e os que não sabem nada e os que se "divertem" a poluir a blogosfera!

Julia Macias-Valet disse...

Afinal, afinal sempre há por ai pontinhas de saudades ou raspas de nostalgia. C'est plutôt une bonne nouvelle neste final de ano : )

Gostava quando a Mônica nos explicava que não tinha lido o "Duas ou três coisas" desde há algum tempo porque tinha ido fazer visita a uma prima ou porque a mamãe estava um pouco doente. Cheguei a pensar que a Mônica era uma amiga da familia Seixas da Costa e que deixava aqui no blog essas mensagens um pouco em estilo de carta.
Esperemos que a ausência da Mônica seja apenas falta de tempo. Se a minha memoria é boa ja uma vez aqui se lançou um "avis de recherche"... e ela reapareceu. Quem se lembra quando isso foi ?

Anónimo disse...


Como "anónimo ma non troppo" que sou não posso deixar de concordar com o irritante de alguns comentários , sejam anónimos ou assinados .

Mas quem é que disse que a Mónica pertencia ao "povo simples" ?

Há pessoas que falam , falam , até terem alguma coisa para dizer .
Outras nunca têem nada para dizer por mais que falem.

RMG

Anónimo disse...

Ah, les innocents.
Ils nous amusent tellement
Ses esprits, pauvres
De notre sagesse la preuve

Pardon for my French...

Anónimo disse...

...E a velha senhora, rimalhadeira, rimalha:

cara anónima das duas
horas e quarenta e cinco
vou fazer minhas as suas
belas palavras mas brinco
(cara isabel que as subscreve
guarde-se: 'Conselho' teve)

'a ternura e a energia
do senhor embaixador'
penso nelas noite e dia
ai tivesse-me ele amor
(porque não sigo eu 'Conselho'
de Pessoa que aconselho?)

Anónimo disse...

Distraído e/ou incompetente, omiti por lapso a continuação da rimalhice da velha senhora:

mónica sua candura
júlia e helenas preocupa
sacadura com ternura
que oneto anónimOs zupa
eu velha anónimA escapo?
co'a rimalhice me tapo?

bebo brinco e desabafo
diga amiga que me safo

Helena Oneto disse...

Muito gosto eu da rimalhice da incansavel "Velha Senhora" que não deixa passar uma oportunidade para nos dizer mais que duas ou três verdades em versos bem rimados!

Janus disse...

A Mônica...um certo Brasil...
Acho que um dia destes ela volta!
João Campos

Mônica disse...

Senhor Embaixador Francisco.
Aos amigos que aqui li: Helena Cabral, Patricio, José, Margarida, Helena Oneto, Julia, RMG, Joao Campos e alguns anônimos.
Consegui vim aqui porque a São me deu um toque.
Eu queria agradecer pelos escritos. Nao sou de chorar, mas fiquei muito emocionada.
Desde setembro estou trabalhando novamente e por isso nao tenho muito tempo de comentar e de fazer blogues semanais como fazia. Tenho muito pesar. Eu comentava mesmo simplesmente a partir do que entendia ou do que nao entendia. Sem medo. Em dezembro perdemos a nossa Tonha ( nossa segunda maezinha) .E dia primeiro um cunhado. Mamae Graças a Deus esta bem de saude. Mas minhas visitas por causa do trabalho diminuiram. Eu tenho e continuo a ter por voces o mesmo carinho. Portugal é um pais que queria conhecer de pertinho. Mas peço sempre a Nossa Senhora de Fátima para protege-los.
O Brasil nao esta nada fácil tambem., mas com a ajuda da religiao e do trabalho do povo nada sera tão arduo que nao possamos aguentar.
Obrigada, muito obrigada. Voces me deram um presente de Ano Novo maravilhoso. Esta mensagem, me deixou transbordando de felicidade. Continuem a escrever. Eu os adoro! Com carinho Monica

mar e ilha disse...

Senhor Embaixador, minha irmã Monica sumiu em parte por minha culpa. Por motivos que nao vem ao caso, e principalmente por questoes de segurança a ,aconselhei que deveria escrever menos assuntos pessoais no blog que ela assina e que deveria diminuir seus comentários em blogs que nao tinha conhecimento. Monica é uma pedagoga aposentada pelo Estado e foi muito competente na sua área . No final do ano foi convidada a retornar seu trabalho em uma escola particular. Mas o senhor a descreveu bem: minha irmã é de uma candura e tb de uma ingenuidade e mais ainda de uma bondade e de um coração imenso. De certa forma nos lembra uma criança, sem ser, ao nao ter nenhum pudor de dizer que nao entendeu aquele assunto, mas mesmo assim gosta de fazer seus comentários por sua visão . E isso é a que torna uma pessoa adorável. Um desejo dela era conhecer pessoalmente nosso cantor Roberto Carlos e fazer um milhão de amigos como na música cantada por ele. Ainda nao teve o prazer de conhecer o Roberto Carlos pessoalmente, mas o blog dela e a blogsfera lhe proporcionou fazer milhões de amigos, e se posso dizer de admiradores, como o senhor, uma pessoa tao ilustre. Fico feliz por terem sentido saudades dela . Por sinal ela Mesmo ira lhe responder. Parodiando: com carinho Marília