terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Alexander Ellis

Alexander Ellis é o embaixador britânico em Portugal, de quem já aqui falámos. Viveu em Portugal há mais de uma década, tendo regressado há pouco anos.

Num comentário, Helena Oneto recorda o texto que este meu colega publicou em Dezembro passado, no seu blogue genialmente chamado Um bife mal passado, intitulado "Dez coisas que melhoraram em Portugal nos últimos 15 anos". 

Com a devida vénia ao autor e com um antecipado pedido de desculpa ao operoso grémio dos cultores das desgraças pátrias, transcrevo o seu texto:

Chegou a época do espírito natalício. Então, deixemos de lado quaisquer miserabilismos e concentremo-nos nas coisas boas - não como escape mas como realidade. Vivi em Portugal há quinze anos. Agora, de volta, quero sugerir dez coisas, entre muitas outras, que melhoraram em Portugal desde a minha primeira estadia. Não incluo aqui coisas que já eram, e ainda são, fantásticas (desde a forma como acolhem os estrangeiros até à pastelaria). Aqui ficam algumas sugestões de melhorias:

- Mortalidade nas estradas; as estatísticas não mentem - o número de pessoas que morre em acidentes rodoviários é muito menor, cerca de 2000 em 1993 e de 776 em 2008. A experiência de conduzir na marginal é agora de prazer, não de terror. O tempo do Fiat Uno a 180km/h colado a nós nas auto-estradas está a passar.

- O vinho; já era bom, mas agora a variedade e a inovação são notáveis, com muito mais oferta e experiências agradáveis. Também se pode dizer a mesma coisa sobre o azeite e outros produtos tradicionais.

- O mar; Lisboa, em 1994, era uma cidade virada de costas para o mar; poucos restaurantes ou bares com vista, e pouca gente no mar. Hoje, vemos esplanadas e surfistas em toda a parte. Muita gente a aproveitar melhor um dos recursos naturais mais importantes do país.

- A zona da Expo; era horrível em 1994, cheia de poluição, com as antigas instalações petrolíferas. Agora é uma zona urbana belíssima, com museus e um Oceanário entre os melhores que há no Mundo.

- A saúde; muitas das minhas colegas têm feito esta sugestão - a qualidade do tratamento é muito melhor hoje em dia, apesar das dificuldades financeiras, etc. A prova está no aumento da esperança de vida, de cerca de 74 em 1993 para 78 anos em 2008.

- Os parques naturais; viajei muito este ano do Gerês a Monserrate ; tudo mais limpo, melhor sinalizado, mais agradável. O pequeno jardim está, de facto, mais bem cuidado.

- O cheiro. Sendo por natureza liberal nos costumes sociais, não fui grande fã da proibição de fumar - mas, confesso, a experiência de estar num bar ou num restaurante em Portugal é hoje mais agradável com a ausência de tabagismo. E a minha roupa cheira menos mal no dia seguinte.

- A inovação; talvez seja fruto da minha ignorância do país em 1994, mas fico de boca aberta quando visito algumas das empresas que estão a investir no Reino Unido ; altíssima tecnologia, quadros dinâmicos e - o mais importante de tudo - não há medo. Acreditam que estão entre os melhores do mundo, e vão ao meu país, entre outros, para prová-lo.

- O metro de Lisboa. É limpo, rápido, acessível e tem estações bonitas.

- As cores; Portugal tem e sempre teve cores naturais bonitas. Mas a minha memória de 1994 era o aspecto visual bastante cinzento das cidades, desde a roupa até aos carros. Hoje há mais alegria - recordo um português que me disse, talvez com tristeza, que o país estava a tornar-se mais tropical. Em termos de imagem, parece-me um elogio!

Esta é a minha lista. E a sua?

17 comentários:

Anónimo disse...

Excelente Post. Palavras animadoras. Que vão faltando. Gostei de ler esta transcrição.
P.Rufino

Margarida disse...

Ainda não li (há coisas que requerem outro vagar, para sorrirmos como merecem) e só me apetece declarar já-já que ele é um fofo!
Esta não será uma expressão nada adequada a um embaixador, mas é o que me ocorre sempre que o vejo/ouço/leio.
Apetece abraçar e dar beijinhos.
...
Ou então, este manifesto excesso nada protocolar não passa do (nefasto!) efeito da festa de aniversário e dos sucessivos brindes e assim..., rrrr, pois...

Anónimo disse...

"Então, deixemos de lado quaisquer miserabilismos e concentremo-nos nas coisas boas"

Globalização...Europa a quanto profecias...

Há lá explosão sensorial capaz de definir um corpo em que toda a expressão comunica desde a lucidez e homeostasia da gravata ...verde.

O Sr. não terá pelo menos uma vértebra ou mesmo falange Portuguesa ou digamos Flaviense?!!!

Até eu privilegiada que também aprendi a comunicar com o autismo.

Meu mesmo Meu Deus... E a forma como descreve Eça... Será que não percebe que Ele é um dos protagonistas ressuscitado já noutra encarnação...

Como A compreendo Margarida... Ok já regresso ao recato infligido pelo estado civil... Mas também tenho olhos, ah! e sensibilidade sensorial...E uso pleonasmos para reforçar.
Isabel Seixas

Nuno Sotto Mayor Ferrao disse...

Fico muito grato pelo facto do Senhor Embaixador Alexander Ellis ter sabido, tão magistralmente, desmistificar a pouca auto-estima com que os portugueses se olham desde o século XIX. Basta lembrar a tese mórbida da decadência dos Povos Peninsulares enunciada por Antero de Quental em 1871. Temos de "erguer hoje de novo" um sentimento de pertença identitária que não se deixe amarfanhar com o complexo de inferioridade de ser português, que sempre tem contaminado a nossa sociedade. O nosso filósofo José Gil dá-nos uma hipótese interpretativa interessante, mas o fundamental é o combate sem tréguas a esta nefasta ideia. Daí que a lucidez da visão do diplomata Alexander Ellis e a generosa iniciativa da Senhora Helena Oneto tenham vindo em boa hora, tanto mais que o mundo ainda está na ressaca da colossal crise económica de 2008-2009! Bem-haja Semhor Embaixador Alexander Ellis!

Saudações cordiais, Nuno Sotto Mayor Ferrão
www.cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt

Anónimo disse...

Oh! A minha lista...

Um sorriso do tamanho do Universo...Da sensualidade da ternura popular sincera emitido como luz inesquecível de um só por isso já valeu a pena vir ao mundo da Sra. Albertina e do Sr. João Casaca de Bornes como se de facto eu fosse importante... Olha a filha do chiquinho.

Do parque das Pedras Salgadas, bosque de segredos e árvores ancestrais onde há clareiras com casino casa de chá fontes de água mineral e bufetes piscina de oportunidades tudo desactivado pela omissão impotente do poder do povo sem poder económico líder de audiências em detrimento da beleza gritante da mulher Natureza ávida e livre por deleitar.

Do lado essencial da operacionalização das políticas na correção ainda que ténue de
assimetrias.

Da genial igualdade das diferenças
onde a intensidade das emoções converge numa alegria igualitária e despretensiosa sem o snobismo de um qualquer berço de cristal sem sustentabilidade do Ser.

Da vinculação de encontros moldura familiar onde as partilhas são um elo de união e hedonismo visando o estar juntos.

De Chaves cidade capital que o Sr. Embaixador Alexander não sei se conhece, onde receber bem mais que uma arte é uma missão.

Do ar puro que se respira no País de brandos costumes inclusivo e respeitador.

Da melhor gastronomia do Mundo (que eu conheço)então cá em Chaves...

Das mais bonitas paisagens físicas mentais e espirituais que o Homem e a natureza com ou sem maquilhagem proporcionam.

Do espírito de interajuda configurado em formas de gente que reconhece gente em necessidade, através de por exemplo:Participe no dia 13 de Fevereiro das 16h às 24h no concerto beneficente com entrada livre no auditório do centro cultural de chaves.
Comprando na feirinha de géneros doados uma rifa ou degustando uma fatia de bolo caseiro e um sumo de laranja confecionados pelas pessoas de Chaves.

As receitas reverterão para as pessoas com necessidades do concelho de Chaves e para as vítimas do terramoto do Haiti.
Isabel Seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

Margarida a um Embaixador como este, não pode chamar-se fofo.
É um homem inteligente, cheio de humor e... muito bonito.
Maggie na minha idade já se podem usar estas palavras!

Julia Macias-Valet disse...

Bem sei que Alexander Ellis domina a nossa lingua e as suas nuances mas nao resisti a enviar-vos esta XOPINGUE LISTE que uma amiga me enviou ha dias :

Ler devagar (em Português) para perceber...

(O MELHOR MESMO É LER EM VOZ ALTA!)

A lista de compras

Um Inglês a viver em Portugal ia fazendo um esforço para dizer umas coisas em Português. Foi ao supermercado e fez a seguinte lista:

- Pay she

- MacCaron

- My on easy

- All face

- Car need boy (may you kill oh!)

- Spar get

- Her villas

- Key jo (parm soon)

- Cow view floor

- Pee men too

- Better hab

- Lee moon

- Bear in gel

Ao chegar a casa, bateu com a mão na testa e disse:

- Is key see me do too much!


---------------------------------------

Recordo-me de um texto fabuloso publicado no "Um bife mal passado" sobre o pôr ou nao pôr um cravo vermelho na lapela para assistir às comemoraçoes do 25 de Abril na Assembleia da Républica. De morrer a rir...

No verao passado um fotografo do jornal "Expresso" contava-me que o embaixador Alexander Ellis vai todos os dias da sua residência para a embaixada (pensava que os embaixadores viviam nas embaixadas !?) de bicicleta seguido pelos guarda-costas que vao de carro. Nao sei se é verdade mas que é original é...

E Portugal precisa de pessoas originais...

Helena Oneto disse...

Alexender Ellis escreve com imensa piada e tem muito bom gosto quando aprecia o melhor que o nosso país tem para oferecer a começar pelo bom vinho. O charmant embaixador de sua magestade já "topou" os tiques lusos e diverte-nos com alguns excelentes posts como, por exemplo o que a Júlia citou: http://aeiou.expresso.pt/blogue-a-semiotica-do-25-de-abril=f511555

Anónimo disse...

Oh Júlia ...
Bem fascinante...
Obviamente com o meu imodesto sentido de oportunidade vou oferecê-la a lista aos estudantes que se sentem humilhados quando têm que apresentar um seminário em inglês.

Por mim obviamente que me alivia também, pois a minha irmã professora de inglês orgulhosa do termino do seu curso em Londres diz que embora admire o meu esforço
não evoluo na minha dicção de porco.
Por isso muito obrigada pela lista anti discriminação...

Mas a quem devo citar?!!!

Se for uma pessoa convencionada importante melhor, como sabe a conotação/conexão imediata de neurónios raça pura é imediatamente estabelecida.
Isabel Seixas

Julia Macias-Valet disse...

Obrigada Helena O. por esta "maozinha", ontem o sono ja devia ser muito, e nem me lembrei de por o link : (
Mas o que vale é que o nosso anfitriao criou aqui um verdadeiro Forum : ))

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador,
Este dueto Júlia / Helena faz-me esquecer a crise, os BPN, BPP, CGD, o Orçamento, o desemprego, o Crespo, os cem dias de governo,o Plano, enfim, tudo o que tenta tirar-nos o Sol a que temos direito.
Temo, mesmo, que aqui no prédio - somos só quatro - atribuam as minhas gargalhadas a uma possível insanidade, visto que nunca se sabe do que são capazes as mulheres com juízo...
De facto a lista da Júlia fez-me ir às lágrimas. De tal modo, que telefonei a um amigo para lha ler e não consegui levar a lista até ao fim, tal o riso que me acometeu!
Bem haja Júlia!

Anónimo disse...

Cara Júlia,
Essa lista está impagável. Mal comparado, fez-me lembrar uma “boutade” de um tosco no seu “inglês” ao dizer: “you are here, you are taken!” ("traduzindo", "estás aqui estás a apanhar").
P.Rufino

Helena Sacadura Cabral disse...

P.Rufino, o meu irmão mais novo, lindo de morrer, mal sabia inglês, mas tinha um MG de sport dado pela nossa mãe - mais avó dele do que mãe, por ter nascido quando ela ia pelos 45 anos -, quando via uma inglesa janota dizia-lhe:
"do you want a bear and some understandings?".
Mesmo hoje, quando comemos percebes, especialidade que os manos todos adoram, dizemos "hoje há some understandings"!!!
Já agora acrescento que também há quem num tosco francês diga "tu est ici, tu est au milieu de la rue" para traduzir o nosso "estás aqui, estás na rua!". Ou peça um whisky avec l'eau du chateau...
E ainda quem possa não amar esta terra?!
Senhor Embaixador se o Eça fosse vivo, não faria um melhor blogue!

Julia Macias-Valet disse...

Cara Helena SC, olhe que quem espera desespera....
Ainda nao respondeu ao QUIZZ que lhe deixei no post "Fait Divers". O da nossa Cinderela...

Ah ! Fico feliz pela risota : ))

Francisco Seixas da Costa disse...

Dra Helena Sacadura Cabral: Eça foi um escritor único e genial e, de certo modo, as Farpas que fez "a meias" com Ramalho Ortigão, acabam por ser uma espécie de blogue da época.

Anónimo disse...

O Mr.Ellis e um diplomata e alem disso e "british",ou seja e um "british diplomat",isto e, sabe dizer bem e sabe viver ainda melhor.Dai o seu genial blog.E claro que Portugal evoluiu mas as coisas que Mr.Ellis diz sao triviais e vistas com oculos "cor de rosa".Enfim,e uma visao diferente de quem sobrevive o seu dia a dia em Portugal.Esperemos que o Governo portugues o condeco-re com alguma Ordem por estas e outras trivialidades.

Helena Sacadura Cabral disse...

Júlia não tinha dado pelo repto...É que a foto do Embaixador faz com que o meu PC ande mais devagar!
Mas já está respondido no local apropriado, porque reptos...é comigo!
:))