quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Pedagogia em Português

Ontem iniciadas, prosseguem hoje as V Jornadas Pedagógicas, destinadas à formação de educadores em língua portuguesa que operam em França. Troca de experiências, novas técnicas e o uso da internet são algumas das vertentes deste encontro, que tem lugar num belo e histórico edifício em Sèvres, à entrada de Paris.

Com a ajuda da Caixa Geral de Depósitos e da TAP, pudemos trazer técnicos de Portugal e do Reino Unido, numa iniciativa organizada pelo serviço da Coordenação do Ensino Português em França, a que estão presentes dezenas de educadores. As Embaixadas do Brasil e de Cabo Verde associaram-se ao evento.

Na abertura das Jornadas, sublinhei a importância crescente da língua portuguesa no quadro internacional, destacando, em especial, a vontade comum encontrada a nível da CPLP para promover o Português no seio das instituições multilaterais. Fiz notar que, para os cidadãos de origem portuguesa no estrangeiro, a garantia das sucessivas gerações poderem manter-se ligadas à sua lingua originária já não constitui apenas uma atitude com sentido afectivo; o Português, num mundo onde países como o Brasil e Angola se afirmam com cada vez maior pujança económica, converte-se hoje numa "ferramenta" importante para as relações internacionais, numa mais-valia de qualificação. Neste último caso, o mesmo é válido para os franceses, que crescentemente procuram o ensino de português com objectivos profissionais.

O antigo ministro português da Cultura, Manuel Maria Carrilho, embaixador junto da UNESCO, enriqueceu estas jornadas com uma conferência onde deu a sua perspectiva sobre os desafios da língua portuguesa nas comunidades no exterior, falando do importante papel que os media poderiam ter para a valorização cultural das mesmas.

2 comentários:

Julia Macias-Valet disse...

Senhor Embaixador,
No post "Estrasburgo (3) - Português" de 18.10.2009, tinha-nos prometido que : "Vamos ter muito que falar sobre a lingua portuguesa em França."
Fico animada por ver que isso esta neste preciso momento a acontecer.
Estou plenamente de acordo com o senhor quando diz que aprender português "já não constitui apenas uma atitude com sentido afectivo"; mas para demonstrar o contrario é necessario um grande trabalho junto do Ministério da Educaçao Francês e dos media.
Como sabe, entre os 6 e os 11 anos, as crianças luso-descendentes (e nao so) podem frequentar, em sistema extra-escolar, as aulas organizadas pela Coordenaçao da L. P. em França.
Mas a partir dos 12 anos, é dificil encontrar um collège proximo da sua residência para poder continuar o estudo da nossa lingua.
No outro dia, alguém que conheço ficou admirada porque a filha de uma amiga francesa tinha escolhido "Português" como LV2 na 5ème. Tendo-me perguntado : "Qual o interesse de aprender uma lingua que so é falada em Portugal e no Brasil ?"
é realmente importante que a Comunidade dos Paises de Lingua Portuguesa se associe porque tenho a certeza que so um projecto comum podera dar frutos no futuro.

Helena Sacadura Cabral disse...

De facto. tem a Julia toda a razão no que à CPLP se refere. É que esta seria uma área importantíssima da sua actuação em parceria com as outras instituições que, nos diferentes países, tentam manter viva a aprendizagem do português. Com a vantagem dessa aprendizagem se revestir das diversas tonalidades de que a língua se reveste!