sábado, 21 de março de 2009

Bacalhau

Ao ler hoje algo sobre Honfleur, tentando descobrir um pouco mais sobre a bela cidade costeira do norte de França onde um grande amigo meu brasileiro tem uma casa de férias, para saudável inveja de muitos, entre os quais figura este escriba, descobri que Alphonse Allais, o humorista e escritor, do tempo da Belle Époque, nasceu por lá.

Mas por que diabo, ao recordar Honfleur e Allais, me sai este texto? Porque li ontem um artigo no Libération sobre o bacalhau - com o título sugestivo de "Morue de faim" - onde, como é de regra, se liga esse peixe à antiga imagem de comida pobre, bem como à alimentação portuguesa, e se cita um dito, como sendo da autoria de Allais, que não resisto a transcrever: "Por que será que, sendo o mar alimentado pelos rios, que são de água doce, todo o mar é salgado? Não sabem? É porque os bacalhaus transmitem o seu sal ao mar..."

2 comentários:

Anónimo disse...

Claro que o franciú não percebe nada do assunto;
"são lágrimas de Portugal".

Anónimo disse...

Essa do bacalhau fez-me lembrar uma pequena história, passada há uns anos atrás. Uma tia, lá na família (entretanto já falecida), costumava dizer-nos, se a convidávamos para uma refeição, ou para passar uns dias connosco, que “como de tudo, mas por favor bacalhau não! Isto porque quando era nova, durante anos a fio, o almoço era, invariavelmente, bacalhau e, sempre, cozido com todos. Só ao Domingo, pela graça de Deus, variávamos! Portanto, como compreendereis, fiquei com bacalhau até aos olhos!”
De tal forma, que mesmo na ceia de Natal comia outra coisa, peixe cozido, evitando, de forma categórica, o “fiel amigo”.
Há de facto coisas de que não se deve abusar. Pelos vistos, o bacalhau é uma delas.
P.R.