sexta-feira, 5 de junho de 2009

Voto

Como aqui já foi dito, o Parlamento Europeu tem hoje, na vida política da União Europeia, bastante mais importância do que a que tinha no passado. E, se acaso o Tratado de Lisboa vier a entrar em vigor, essa importância irá aumentar e a capacidade da instituição de influenciar o nosso destino vai ainda reforçar-se. Por isso, é fundamental que tenhamos naquele Parlamento um grupo de deputados em quem confiemos, que defendam as nossas ideias e que o façam de forma eficaz.

Talvez ainda mais do que para os cidadãos que vivem no seu próprio país, a Europa comunitária é hoje um enquadramento decisivo para a actividade de quem está fixado noutro Estado-membro da União. O aperfeiçoamento do quadro dos direitos que a cidadania europeia concede é, assim, uma matéria que não pode ser indiferente a quem está expatriado, tanto mais que essa é uma das áreas relevantes da actividade do Parlamento Europeu.

Por essa razão, se acaso o leitor deste blogue é um cidadão português inscrito nos cadernos eleitorais num país estrangeiro, faça um esforço e, hoje ou amanhã, procure uma estrutura consular portuguesa e vote nas eleições para o Parlamento Europeu. É que, a exemplo das eleições para Presidente da República, nas eleições europeias o seu voto conta como qualquer outro e, se acaso esse mesmo voto não estiver no apuramento final, o leitor deixa de ter qualquer legitimidade para se queixar do resultado que os outros - os que não foram preguiçosos e foram votar - lhe impuseram. E, por cinco anos, vai ter de suportar as consequências políticas do resultado que esses outros decidiram por si, porque o Parlamento Europeu - é bom que saiba! - não pode ser dissolvido. Lembre-se disto!

2 comentários:

Anónimo disse...

Temos, eu e a minha familia, a dupla nacionalidade e para estas eleiçoes serà como cidadaos franceses que vamos votar fazendo um "esforço" de percorrer uns oitocentos metros o que podemos fazer a pé. Se nao tivessemos a dupla nacionalidade, como acontece com umas centenas de milhar de portugueses, teriamos de procurar um consulado aberto distante para muitos a muitas dezena de quilometros. Aliàs, se por um qualquer milagre estes portugueses todos quizessem votar, Portugal nao teria capacidades infra-estruturais para receber lo voto!
José Barros.

Anónimo disse...

Os nacionais de qualquer pais membro da comunidade europeia podem votar para os deputados do pais de residencia.
Portanto os portugueses em França, se estiverem inscritos nos cadernos eleitorais,podem votar nos candidatos à deputaçao europeia franceses contrariamente àquilo que o meu precedente texto deixa compreender. O voto nos Consulados é para eleger os deputados portugueses ou o Presidente da Republica Portuguesa.
José Barros.