quinta-feira, 11 de junho de 2009

Cohn-Bendit e nós

Há mais de 40 anos, ele era o estudante contestatário que desafiava a polícia, como um dos líderes do Maio de 1968, de que a foto junta é um belo testemunho. Hoje, em especial depois do magnífico resultado que a formação política que chefia, a Europe-Ecologie, obteve nas eleições europeias, Daniel Cohn-Bendit é olhado com um dos actores incontornáveis do futuro próximo da esquerda em França.

Ao lembrar-me dele e do Parlamento Europeu, recordei também uma história passada com Cohn-Bendit, em Estrasburgo, no início de 2000. A presidência portuguesa da União Europeia, que acabara de iniciar-se, tinha de fazer a sua apresentação naquele Parlamento e, para além da presença do primeiro-ministro em plenário e dos vários ministros em comissões, competia-me a mim calcorrear, entre outras, todas as comissões e subcomissões que tivessem a seu cargo questões de relações externas da União, nas suas diversas dimensões. Ao todo, o meu percurso pelas diversas salas incluía sete ou oito reuniões, tudo concentrado em menos de três dias.

Cada exercício tinha um formato idêntico. De acordo com um calendário negociado, eu entrava num determinado momento dos trabalhos e, acabado que fosse o expediente em curso, o presidente da comissão dizia umas palavras de apresentação e, de seguida, eu fazia uma explanação sobre as prioridades da nossa presidência na respectiva temática. Depois, seguia-se uma sessão com perguntas dos deputados e respostas minhas. Coisa para 45 minutos a uma hora, em cada uma das sessões, dependendo do curso do debate.

Ora acontece que um almoço com um grupo regional, sobre temas mediterrânicos, havia demorado mais tempo do que o previsto e, quando cheguei à comissão em que deveria falar, eu estava já bastante atrasado. Tinha sido uma correria pelos intermináveis corredores de Estrasburgo (quem os conhece sabe do que falo) e, ao entrar na nova sala... dei-me conta de que havia deixado para trás a minha assessora, a qual era portadora de toda a papelada e, em especial, do dossiê com os tópicos preparados para a minha intervenção e para as respostas às perguntas dos deputados.

A questão agravou-se quando o presidente da sessão, depois de explicar simpaticamente as razões do meu atraso, informou que ia dar-me de imediato a palavra, sem fazer qualquer introdução, porque sabia do calendário apertado em que eu me movimentava, em especial pelo facto de eu ter de partir rapidamente para o plenário, onde iria passar a responder à tradicional bateria de perguntas, em cerca de hora e meia de debate geral.

A minha angústia aumentou e eu olhava desesperadamente para a porta, mas a minha assessora, por uma vez, teimava em não aparecer. Mas será que não podia improvisar? Claro que sim. Tinha sido o responsável pelo texto final do programa da presidência portuguesa e, mais ou menos, conhecia de cor todos os temas, nos seus aspectos gerais. No entanto, havia uma problema dramático: eu não sabia em que comissão ou subcomissão estava! Não fazia a mais leve ideia do tema que ela abordava! O que é que eu poderia dizer?

Olhei a sala, à procura de deputados portugueses, cuja presença me pudesse ajudar a situar a reunião. Nem um! Tentei deitar um olhar de viés para o papel que o presidente da sessão, à minha esquerda na mesa, tinha à sua frente, com vista a tentar descortinar uma qualquer palavra ou frase que me pudesse dar uma ideia do tema que unia, naquela sala, as cerca de cem pessoas que estavam à minha frente. Mas nada: a papelada não tinha mais do que horários e listas de presenças. Nem uma palavra sobre o título da reunião. E havia quatro temas ainda possíveis. Seria a defesa e segurança? Ou os direitos humanos? Seriam as questões de desenvolvimento? Ou o comércio internacional?

É aqui que Cohn-Bendit entra na história. Ele estava sentado numa das primeiras filas do auditório, como deputado europeu que era. Conhecia-o apenas de fotografia, como figura pública regulamente presente na comunicação social. O que faria ele ali? Não me parecia que o seu centro de preocupações fossem os temas comerciais, nunca lhe lera uma palavra sobre o assunto. Defesa e segurança? Também não me recordava que isso o motivasse, muito embora a sua ligação franco-alemã remotamente o pudesse levar a interessar-se a ir por esse caminho.

De repente, lembrei-me de ter lido, semanas antes, um artigo seu, creio que no "Libération", sobre uma qualquer questão ligada ao ambiente e às questões de desenvolvimento. Tinha de ser rápido no raciocínio. Se excluídos os restantes, ficavam apenas o desenvolvimento e os direitos humanos, numa lógica de 50/50, típica do "quem quer ser milionário?". Optei pelo desenvolvimento, coisa mais pragmática e substantiva. Mas deixei aberta a porta para os direitos humanos...

Tomada a palavra, comecei por falar da filosofia geral da presidência portuguesa, em matéria de relações externas. Disse o óbvio sobre a abertura da Europa ao mundo e sobre o modo como Portugal lia esse tecido de relações. E falei de África, do desenvolvimento e - não fosse o diabo tecê-las... - referi a importância que dávamos a que as políticas de ajuda tivessem sempre em atenção a dimensão direitos do homem, boa governação, preservação dos princípios do Estado de direito, etc. Comecei a ver acenos positivos com a cabeça por parte de alguns deputados, o que me alentou a continuar.

Aproveitando uma pausa, ocorreu-me perguntar, em voz baixa, ao presidente da comissão: "Há algum ponto específico que ache que eu deva desenvolver?". A resposta sossegou-me, em definitivo: "Diga algo sobre a política de ajuda aos 'países menos avançados'". Pronto, era a sub-comissão de Desenvolvimento! Uf! E lá me relancei na doutrina que, sobre o tema, tínhamos estabelecido. No final da minha apresentação, alguns deputados, entre os quais o próprio Cohn-Bendit, colocaram questões, a que respondi como soube e pude, então já com a documentação à minha frente, que a minha "desaparecida" assessora entretanto me trouxera. Aproveitei para recordar que o então secretário de Estado português para o sector, Luís Amado, ali viria, semanas mais tarde, para aprofundar em detalhe a nossa posição. E tudo acabou bem, comigo a sair disparado para o plenário.

E foi assim, com a involuntária ajuda de Cohn-Bendit, por estes dias uma figura das primeiras páginas da imprensa francesa, que a presidência portuguesa da União escapou a uns instantes menos fáceis.

3 comentários:

Anónimo disse...

De entre as palavras que a lingua inglesa nao possui,a palavra "desenrascanço" teria ficado em primeiro lugar num blogue na América.
Que seria de nos se nao tivessemos essa arte do desenrascanço para poder improvisar à ultima da hora! Os corredores do Parlamento em Estrasburgo foram previstos para corridas a pé sem sapatos de talao alto!
José Barros.

douro disse...

Assim se prova que o que se passa nessas reuniões e subcomissões são uns discursos òbvios e umas respostas ainda mais òbvias e que mais assessora ou menos assessora é tudo igual ao litro

Francisco Seixas da Costa disse...

Olhe que não, olhe que não!