sexta-feira, 5 de junho de 2009

Agustina


Foi já no dia 3, eu estava bastante longe, mas dizem-me que foi muito interessante e apreciada pelas dezenas de pessoas presentes a conferência que teve lugar na Embaixada, subordinada ao tema “Agustina Bessa-Luis e Manoel de Oliveira – um tecer do tempo e da vida” proferida por Catherine Dumas (professora na Universidade Sorbonne Nouvelle - Paris III) e por António Preto (doutorando na Universidade Paris VII).



Esta sessão inseriu-se no âmbito das comemorações do Ano Agustina - uma iniciativa da Guimarães Editores, apoiada pelo Instituto Camões e que assinalam o 55º aniversário da primeira edição do romance "A Sibila" - e foi feita em colaboração com os Leitorados de Português nas universidades de Paris.

Esta é uma teimosia minha: vamos continuar de portas cada vez mais abertas para as coisas culturais.

2 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Abençoada teimosia a sua, para quem, como eu, considera a Senhora Dona Agustina a nossa maior escritora viva.
Tenho-o dito muitas vezes, os seus livros fizeram mais por mim do que algumas respeitáveis escolas por onde andei!
Corre que está bastante doente. Espero que tudo passe e que ainda possamos ter a alegria e o prazer de a ver lançar novas obras.

Anónimo disse...

Concordo inteiramente,há teimosias culturais que são de levar a sério...Contribuem para a qualidade de vida.
Isabel Seixas