quarta-feira, 20 de julho de 2016

Fundação Calouste Perdigão

Alguns puristas ficarão chocados com este atrevido título. E, contudo, ele é apenas um preito de gratidão a um homem excecional, a quem Portugal ficou a dever uma das poucas verdadeiras "bênçãos" recebidas durante o século passado. Foi graças ao génio jurídico e à teimosia de José de Azeredo Perdigão que foi instituída a Fundação Calouste Gulbenkian.

Azeredo Perdigão foi um homem à frente do seu tempo, lançando as bases de uma instituição de referência na sociedade portuguesa, quer na promoção quase sem par de diversas formas de arte, quer em múltiplas atividades nos domínios educativo e científico. Largas centenas de milhares de portugueses - senão mesmo milhões - devem à Gulbenkian alguma contribuição na sua formação cultural, das bibliotecas itinerantes às bolsas de estudo, passando por inolvidáveis exposições ou espetáculos da maior qualidade, nas áreas musicais e em várias outras artes performativas. E os estudos de agronomia? E o cinema português? E a ajuda à promoção da língua e cultura portuguesa no mundo? Etc, etc.

Tenho hoje o gosto de presidir ao Conselho Consultivo para a Delegação da Fundação em Paris, que este ano celebra meio século de vida, que comemoramos com um vasto programa de iniciativas na capital francesa.

A "Gulbenkian" (quem nela trabalha diz, simplesmente, a "Fundação") faz, no dia de hoje, 60 anos. Por inadiáveis razões profissionais, não pude aceitar o amigo convite do seu presidente, Artur Santos Silva, para estar hoje presente na festa, tal como, há uma década, nos seus 50 anos, e também com grande pena minha, me vi forçado, por compromissos no Brasil, a faltar às cerimónias de então. Mas, como modesto colaborador - e, essencialmente, como grande admirador - da Fundação, quero deixar aqui uma nota de imenso apreço por essa instituição que tanto tem feito por Portugal.

E, nesse contexto, reitero que nunca será de mais relevar o papel do seu primeiro presidente, José de Azeredo Perdigão, uma figura que me recordo de um dia ter vislumbrado pela última vez, em Paris, no final dos anos 80, já fragilizado pela idade, a visitar, pelo braço de José-Augusto França, o recém-inaugurado Musée d'Orsay. 

Azeredo Perdigão ficaria contente com esta comemoração. Sem ele, a Gulbenkian não existiria, convém lembrar. Hoje.

3 comentários:

Anónimo disse...

E os milhões que nem sabem o que é a Gulbenkian?

Anónimo disse...

Anonimo das 23.56

Talvez fazerem uma viagem a Armenia e perguntarem por la se alguem sabe quem e o Senhor Calouste...

F. Crabtree

Anónimo disse...

Se há tantos que sabem quem foi Gulbenkian haverá mais que não sabem quem foi.

Quanto à sua Fundação, devem ser, pelo menos em Portugal, milhões que nem sabem onde ficam as suas instalações, nem o que faz a Fundação. Portugal não é só Lisboa, e ainda há muitos portugueses que nunca saíram da sua aldeia, por estranho que possa parecer.

Mbimbi Mkuza