sábado, 16 de julho de 2016

Dilema

O que separa um democrata de quem o não é, no binómio segurança/direitos fundamentais, é ser ou não atravessado pela angústia da dúvida.

5 comentários:

Anónimo disse...

Mais um pouco de esforço e o brocardo quase podia ter sido escrito por Agustina. Eu sei que Maria João Avilez, de quem não gosto, bem se esforça e não se sai mal aliás quando escreve sobre o Brasil ou a Grécia...

Anónimo disse...

Um dos direitos fundamentais senão o direito fundamental é o direito à justiça. Sem ele não pode falar nos outros. Onde ele está? Sobre os direitos cada um fala do que lhe interessa! Está instalada a confusão na Europa e no País

Jaime Santos disse...

Eu diria, Sr. Embaixador, que isso é válido relativamente a qualquer decisão política que tenha consequências sérias na vida das pessoas. Para um não-democrata, a defesa da pureza dos princípios é sempre mais importante que a proteção das vidas individuais. Camus disse um dia que se existisse um Partido daqueles que não tinham certezas, ele queria fazer parte dele...

Isabel Seixas disse...

Ainda não foi descoberta a balança que equilibra os direitos e deveres sem aumentar o peso de um dos lados e reduzir consequentemente o peso do outro lado.

Fernando Frazão disse...

É atribuída a Benjamim Franklin a seguinte frase:
Quem sacrifica a liberdade em nome da segurança acaba por perder ambas.

Eu subsescrevo