sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Gastronomia

A toda a largura da primeira página do suplemento "Culture & Idées", do "Le Monde" de amanhã, lê-se "La gastronomie vote à droite", esclarecendo-se, em subtítulo do longo artigo (não acessível por link), que "nascida nos meios conservadores, a arte da boa vida faz culpabilizar as pessoas de esquerda".

Não sabia. Será que a direita é pantagruélica ("eles comem tudo e não deixam nada", dizia o Zeca Afonso) e a esquerda é famélica (daí o "de pé, ó vítimas da fome"?) ?

10 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Ai Senhor Embaixador que terrível conclusão. Dou de comer a um e mato o outro à fome?!

Anónimo disse...

Entre a esquerda e a direita não sei como as coisas se passam. É verdade que no imaginário popular, se os caricaturistas não me enganam, vê-se com mais frequencia as pessoas de mais capital com barriga maior e os mais pobres mais magros!
Mas se uns apreciam melhor os bons repastos do que os outros, a diferença não estará no poder degustativo do paladar.
José Barros 

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Quando o gordo emagrece, o magro desaparece

Feliz (???) Ano Novo

Santiago Macias disse...

"nascida nos meios conservadores, a arte da boa vida faz culpabilizar as pessoas de esquerda"?

É quase verdade. Pelo menos isso bate certo em muitos amigos de esquerda. Que têm complexos em dizer que gostam da boa vida (claro que gostam, como qualquer pessoa normal...).

Mas há um sentimento à direita que me diverte: o de que toda a gente de esquerda tem de alinhar num certo fransciscanismo ascético. Um amigo de direita, bem mais velho, durante muito tempo provocou-me com um "és comunista mas gostas de marisco". Só o consegui calar quando lhe disse que era por ser vermelho.

Anónimo disse...

Numa perspectiva materialista dialéctica cada prato reflecte a luta de classes.
Bacalhau contra faisão, sardinha contra salmão, através da História os pratos oprimidos souberam suplantar as comezainas obscenas das classes dominantes.
Viva o cabriito!! Abaixo a lampreia!

A) Djerjinski

Anónimo disse...

Dizia MacDonald, o grande marxista americano: "Um espectro assombra a Europa! O fast-food!"

a) Bela Kun

Isabel Seixas disse...

Estará a alimentação racional no centro por analogia da virtude gastronómica no meio?...

Uma direita com demasiados fatores de risco cardiovasculares e uma esquerda anorética...

Catinga disse...

Eu cá empaturro-me com amendoins e caju (que vêm de países pobres). Satisfaço os meus vícios de direitista e, ao mesmo tempo, sou solidário com as economias desfavorecidas.

patricio branco disse...

"diz-me o que comes e dir-te-ei quem és". No que és, estará tudo, o gosto, a classe social e económica, a nacionalidade, os costumes, sei lá. mas a ideologia da gastronomia estará mais no epicurismo e no gargantuelismo que na direita ou esquerda. mas pode ser que o monde tenha resolvido ou descoberto a ideologia das gastronomias.
nesta passagem do ano o que comemos, dta ou esqa? bom ano.

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Estes seus dois novos comentaristas - Bela Kun e Djerjinsky que, julgo, serão aparentados - dão uma preciosa colaboração ao novo ano!
Vou pôr na porta da minha casa "Viva o cabrito, abaixo a lampreia" e comprar rapidamente a biografia do marxista americano. Sempre me alimenta mais que o outro...