sábado, 24 de dezembro de 2011

Coreia do Norte

O ambiente de obsessivo secretismo - e, por essa via, de incessante especulação - que se cria em torno da maioria dos regimes ditatoriais teve o seu auge, desde sempre, no caso limite da Coreia do Norte. Quer ao tempo do fundador da "dinastia", Kim Il-Sung, quer no do seu filho, Kim Jong-Il, as historietas sobre alguns, nunca absolutamente confirmados, aspetos da sua vida privada, desde os excessos materiais às aventuras afetivas, fizeram, por décadas, a delícia de uma certa imprensa. Como nada é possível provar, tudo é possível dizer.

A chegada de um novo líder ao poder, em Pyongyang, aguça agora a curiosidade dos media. Não deixa de ser interessante ver o "Le Figaro" dedicar hoje quase meia página à exegese da fotografia que acima reproduzo, retirada de um filme com dois dias. Para quê? Para especular sobre a "misteriosa criatura" da jovem que aparece atrás de Kim Jong-Un. Dando por adquirido o princípio de que "na cultura tradicional coreana, um homem ainda celibatário na casa dos 30 anos é mal visto", o correspondente em Seul do jornal conservador francês detém-se em detalhe sobre a imagem da jovem, adiantando que "a sua silhueta é tão fina que voga no seu fato tradicional ligeiramente decotado", perguntando-se se "esta mulher tão jovem e de atitude tão elegante será a nova primeira-dama da Coreia do Norte". O jornal nota ainda "o rosto oval delicado, a pele de porcelana, de uma jovem que parece uma pena". Caramba! Que perspicácia! Eu não consigo "ler" tanto na fotografia.

O jornal vai ao ponto de qualificar este intrigante momento como "o mistério da mulher no mausoléu de Kum Su-San". Para o jornalista, confortavelmente instalado a sul do paralelo 38º, apoiado nas investigações do "especialistas" locais e num "rumor transmitido por uma fonte clandestina no local, mas impossível de verificar", "a feliz eleita seria diplomada da prestigiada universidade Kim Il-Sung e seria dois anos mais nova que o 'grande sucessor'", sendo originária de Chongjin, na costa nordeste da península. Cuidando o "safe side" dos desmentidos da História, o jornalista não exclui a hipótese de se tratar, muito simplesmente, de uma filha do falecido Kim Jong-Il, logo, apenas de uma irmã de Kim Jong-Un. Mas essa é uma possibilidade que, por pouco romântica, apenas merece o prudente registo.

Nos tempos em que o comunismo prevalecia em Moscovo, o ocidente criou a "kremlinologia", uma especialidade que lia sinais das posições relativas de dirigentes nos palanques e nos encontros internacionais, bem como no "body-language" das grande figuras, daí extraindo conclusões para as futuras sucessões de poder. À nossa modesta escala, lembro-me de ouvir comentar, em fotos dos "dias da raça", o menor gesto de simpatia de Salazar para qualquer vizinho de fraque, daí deduzindo cumplicidades e hipotética gestação de herdeiros, descontados os imponderáveis da lei da gravidade. 

Esses mistérios constituem a eterna "graça" das ditaduras, coisa que a simplicidade do voto democrático logo destrói. É pena ver jornais com o antigo prestígio do "Le Figaro", onde preponderaram as penas de François Mauriac ou Raymond Aron, a encherem hoje as suas páginas com este tipo de especulações. Talvez isto se faça só até ao dia em que o brilho de melhores fotografias, oriundas de Pyongyang, permita um tratamento mais "profissional" nas colunas "especializadas". É que, verdade seja dita, os verdadeiros dias felizes para a democracia só estarão adquiridos quando o "Paris Match" cobrir um casamento presidencial na Coreia do Norte. Nesse dia, porém, a notícia passará para o "Figaro Magazine".       

7 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns, Senhor Embaixador, pela notícia sobre a nova Sagrada Família.

Os desejos de Santo Natal do

CSC

Anónimo disse...

Um democrata anti-fascista é sempre um defensor do primado da lei. Neste caso, da lei da gravidade...

Abraços da Póvoa

JA

ZéBonéOaparvalhado disse...

Antes demais, Senhor Embaixador, do meu querido País - desejo um Santo Natal como é desejo dos Católicos Apostólicos de Roma.

Senhor Embaixador, lembro, que homem não é de "ferro" e eu, não conheço nennhhum que não tenha escondido um mulher no guarda fato.

A mulher, é fonte de inspiração, para o bem e para o mal.

E "morra" quem se negue.

Quer parecer

patricio branco disse...

le bloc notes no figaro e, traduzido, no saudoso século de lisboa.

O jornalismo tambem pode ser especulação quando inclua peças inofensivas e divertidas de cuscuvilhice como essa da misteriosa menina desde que estejam bem escritas e engendradas.
Mas o figaro não é de facto o jornal adequado, talvez tenha querido aumentar as vendas e caiu nessa.

Anónimo disse...

Eu cá por mim palpita-me que aquele corte de cabelo e os desiquilíbrios hormonais que o balofo denuncia ainda hão-de provocar mudanças na Coreia do Norte. Cá na Europa até auguravam longa vida no poder ao rapaz e aos amigos, mas lá fia mais fino.
V

Catinga disse...

Na Soeiro Pereira Gomes devem saber de tudo. Admiradores confessos da democracia norte-coreana, apesar de ainda estarem chorosos pela perda do Grande ou Querido ou lá-o-que-era o Líder, concerteza que não rejeitarão prestar esclarecimentos a quem deles precise.

Isabel Seixas disse...

"Que perspicácia!"(...)
Sem dúvida, alucinante, capaz até de induzir imagens em mentes vulneráveis.