segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Setembros


A chuva ronda, já se hesita em ficar nas esplanadas, agradece-se, pelo entrar da noite, como dizem os franceses, "une petite laine". A bem dizer, confessemos ou não, já chegava de verão, de calor, de sol, de suor, de ar condicionado. Setembro rima bem com o estimulante (e saudável?) regresso ao trabalho, com "paletes" de coisas atrasadas para fazer, com as chamadas telefónicas em dívida, com a necessidade de resposta aos emails que foram "caindo" pelas páginas abaixo, com os convites para almoço aos amigos com quem estamos em falta, com muitos jantares "sociais" para retribuir. E com alguns textos para rever, com algumas palestras para preparar. E com algumas atitudes a tomar...

Este é o tempo do conhecido "agora é que é", das clássicas manias de uma qualquer "rentrée", da feitura de intermináveis listas (mais ou menos "moleskinizadas") que padecem sempre de erros de prioridade que acabam por torná-las inúteis, da promessa de não falhar as exposições que por aí vêm (quando, ao final daquela tarde, só vamos pedir sopas e descanso), da vontade de não perder alguns concertos e peças (que nos esqueceremos de reservar), de acabar dezenas de livros que jazem (e jazerão, para a eternidade) na estante, sem deixar de estar atento aos muitos que vão saindo, sempre cada vez mais caros (ou seremos nós que, afinal, ganhamos pouco?).

Relembro sempre o mês de setembro, em toda a minha vida, como um mês peculiar. Eram finais de tarde chuvosos, na adolescência, em Vila Real, quando apressava a saída dos bilhares do Excelsior, depois das "explicações". Poucos anos mais tarde, eram as luzes de Cedofeita a acenderem-se, ao sair de um "martini" no Bissau, comigo ainda convencido de que tinha jeito para vir a ser engenheiro eletrotécnico. Eram também as sete e meia da tarde por um Montecarlo quase deserto, no anoitecer lisboeta, à procura do 21 para os Olivais, com o "Lisboa" debaixo do braço. E lembro muito bem os setembros gelados e escuros, mas muito estimulantes, de Oslo ou de Viena, os setembros que o não eram, em Luanda ou em Brasília, ou a insuperável beleza londrina dos fins de tarde, já bem iluminados, em Knightsbridge, lá por Londres, as cores e os sons inconfundíveis da 2nd avenue, no regresso a casa, em Nova Iorque. Ou, finalmente, o entrar no carro, depois do "apero" e da conversa interessante no Flore, com o sol a declinar e a chuva a ameaçar, no regresso à Noisiel, lá por Paris.

Os setembros, na minha memória, assemelham-se muito à recorrente ilusão dos janeiros, quando, passadas as festas, sempre arregaçamos psicologicamente as mangas, apenas por alguns dias, na miragem fátua de que basta querermos para podermos recomeçar tudo de novo, porque "hoje é o primeiro dia do resto da tua vida", como cantava o Godinho. Podia ser assim, para toda a gente, se acaso nós não fôssemos exatamente os mesmos que éramos na véspera, quaisquer que sejam as datas colocadas à nossa frente. As quais, aliás, se vão reduzindo, dia após dia. O que, não sendo uma tragédia, é, valha a verdade, uma boa chatice. 

Gozemos os setembro, pois!

3 comentários:

Luís Lavoura disse...

A chuva ronda

Não vejo chuva nenhuma no horizonte, bem pelo contrário, continua um enervante eterno céu azul!

Anónimo disse...

Gozemos os Setembros pois

Talvez ouvindo "Setembro" de Richard Strauss com poema de Hermann Hess, cancao composta a 20 de Setembro de 1948.

Setembro

O jardim esta de luto.
A chuva cai fria sobre as flores.
O verao estremece em silencio,
aguardando o seu fim.

Douradas, folha apos folha caem
do alto pe da acacia.
O verao sorri, surpreso e languido,
no sonho moribundo do jardim.

Muito tempo ainda junto das rosas
ele se detem, aspirando ao repouso.
Lentamente ele fecha
seus olhos cansados.

Ha muitas interpretacoes magnificas desta obra. Lembro so duas interpretes ainda vivas felizmente: Jessy Norman e Renee Fleming.

Lembro Setembros. Aqui chove e faz frio.

Saudades

F. Crabtree

Laura Ferreira disse...

belíssimo Setembro, este.