segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Portugal pensa que...

A maioria dos andares do edifício da Avenida Visconde Valmor onde, a partir de janeiro de 1986, data da nossa entrada para as Comunidades Europeias, estava instalada a Secretaria de Estado dos Assuntos Europeus, era num modelo de "open space", dividido por armários que davam uma muito escassa privacidade ao nosso trabalho. 

No meu caso, que nunca consegui estudar em cafés e que tenho dificuldade de me concentrar se ouvir o voo de uma mosca, aquele meu destino de trabalho, ainda por cima com uma acústica muito má, constituia um martírio diário. Por muito tempo, éramos só dois homens - o Alfredo Magalhães Coelho e eu - num "mar" de mulheres. E eu era o único diplomata, aliás o primeiro, da história do MNE, que estava sob a chefia de uma técnica não diplomata, coisa que, à época, era quase um escândalo - circunstância que, como é sabido, sempre encarei "na boa". Os telefones tocavam a toda a hora, as conversas à distância eram o pão nosso de cada dia e eu, para escrever qualquer coisa de jeito, ficava às vezes em casa a trabalhar. 

Um dia, entrou uma terceira figura masculina para o serviço, um jovem diplomata. Tinha acabado de ingressar na carreira, era bem falante, inteligente e articulado, embora um tanto arrogante. Talvez porque enebriado pela "glória" de ter ultrapassado as exigentes provas do concurso de admissão - naquela que é, a grande distância, a mais exigente prova de ingresso em toda a Administração Pública portuguesa - o jovem estava ainda "cheio de si". Costumo chamar a estes espécimens os "adidos plenipotenciários de primeira classe"...

Repito: era um elemento muito promissor, mas não tinha um pingo de humildade. Como dizia o meu colega (e escritor) Paulo Castilho, trata-se de gente que, de manhã, ao acordar, devem achar que o mundo teria de fazer uma ação de graças pelo privilégio deles existirem...

O rapaz falava alto, mandava bitaites de doutrina sobre questões várias no complexo universo das relações económicas externas da então CEE, área que tínhamos a nosso cargo. Para quem tinha muito mais experiência, técnica ou diplomática, o "espetáculo" diário do "puto" era um tanto irritante. Mas, um tanto à solta como então todos nós andávamos, acorrendo aos "incêndios" nesses primeiros meses da nossa aventura europeia, ele prosseguia, com alguma impunidade, o seu "show".

Um dia, tinha o rapaz pouco mais de um mês de casa, não pude deixar de ouvir uma conversa sua, em inglês, com alguém da embaixada holandesa em Lisboa, que havia telefonado a pedir uma informação sobre uma posição portuguesa. Foi então que o ouvi, também para espanto e sorrisos dos colegas em volta, num súbito silêncio que casualmente se criou, dizer: "Sobre esse assunto, é preciso que a Holanda tome bem nota da nossa posição, que é "crystal clear". Portugal pensa que..." e passou a desenvolver uma doutrina que estava muito longe de estar estabilizada entre nós e que era, muito simplesmente, uma dedução que ele próprio se permitia fazer, em torno de um tema em si muito complexo, que não havia sido sujeito à necessária arbitragem interministerial. O que ele fazia era uma irresponsabilidade. Não se dar conta disso, era uma evidente falta de maturidade profissional.

Estávamos todos siderados! Quando desligou o telefone, tinha a sala a olhar para ele. Eu, que tinha por ali um lugar de chefia, embora não o tutelando diretamente, era, com ele, o único diplomata no seio daquele serviço, no oceano de técnicos de várias especialidades que nos rodeavam. Não pude assim deixar de lhe mandar um amigável "Você está maluco?" O rapaz, que era pouco dado a recuos de modéstia, como a vida viria a demonstrar, aliás sem grandes vantagens para o próprio, tentou justificar a sua "performance" e a assertividade usada na conversa. Eu fui muito claro: "Vá já falar com a diretora de serviços e ponha-a a par do que disse aos holandeses". Foi. Veio de volta um tanto murcho. 

"Parece que o diretor-geral irá falar ao embaixador da Holanda, para explicar melhor o assunto", disse-me, horas mais tarde. "Melhor?", gozei eu. "Mas então na Haia não sabem já, detalhadamente, o que Portugal pensa?"...

6 comentários:

Luís Lavoura disse...

Essa ideia dos open spaces é um nojo. Como pensam que as pessoas podem trabalhar nessas condições?
Ainda por cima, nesse tempo, fumava-se no trabalho. Um gajo no open space era intoxicado pelos outros. Sem piedade.

Rui C. Marques disse...

A Visconde Valmor permitiu conhecer alguma "fauna" engraçada. Já agora: também alguma
"flora"...

Anónimo disse...

Em que Embaixada exerce ele, hoje, a Chefia de Missão? E em que Gabinetes andou?

Francisco Seixas da Costa disse...

O Anonimo das 14.03 deve ter percebido que se eu quisesse ter sido mais explícito tê-lo-ia sido. E não vale a pena especular: não chegará lá! Há "erros" na história que a isso impedem.

Anónimo disse...

Entretanto, na Catalunha, estudantes de informática já estão a ser levados perante juízes por terem páginas de internet dedicadas ao referendo...

Anónimo disse...

Como dizia o professor Victor Crespo: "pensa de que...".