terça-feira, 21 de julho de 2015

Diplomacia ardente

O dia de ontem foi cheio de especulações sobre contactos de negócios luso-brasileiros, tendo o presidente Lula da Silva no centro da polémica. Como dizia, há pouco, na televisão, um colega e grande amigo, o embaixador brasileiro em Lisboa, Mário Vilalva, um destes dias vamos ter de nos entender, de uma vez por todas, sobre o que é tráfico de influências e sobre o que é diplomacia económica. É que a confusão está um pouco instalada e já me interrogo sobre se diligências que, ao longo de décadas, fiz - e sugeri a políticos, de todas as cores, que fizessem, em nome do país - em favor de dezenas de empresas portuguesas, podem agora vir a ser tipificadas negativamente. Tratou-se de apresentar empresários, de relevar a qualidade do trabalho das nossas empresas, que queriam exportar ou concorriam a concursos. Não há diplomata que o não tenha feito, por iniciativa própria ou obedecendo a instruções. E, que eu saiba, nunca nenhum de nós recebeu um tostão por isso. Nem tinha de o receber, porque essa era (e é) a nossa função.

A propósito de Lula e das suas relações com José Sócrates, recordei-me de uma historieta num dia de 2006, em que convidei o presidente brasileiro, com vários ministros, para jantar na embaixada portuguesa em Brasília, com o primeiro-ministro José Sócrates e alguns membros do governo português que o acompanhavam na sua primeira deslocação oficial ao Brasil.
 
Lula da Silva chegou um pouco tenso o jantar. Por esses dias, as relações entre o Brasil e a Bolívia estavam a atravessar um mau momento e o Itamaraty fazia os possíveis e os impossíveis para acalmar as iras públicas do presidente Evo Morales. Pelos curtos comentários que me fez sobre as relações com La Paz, enquanto nos encaminhávamos ao encontro de Sócrates, as coisas estavam ainda muito complicadas.

O jantar, contudo, correu muito bem, com excelente ambiente. Lula quase parecia ter esquecido o dia complicado que tivera. A deslocação de José Sócrates ao Brasil tinha permitido resolver vários dossiês no âmbito bilateral, em especial na área do comércio. Muitas vezes, a simples realização de uma visita oficial, para além do cerimonial dos acordos, cria um "momentum" em que coisas que se arrastavam por meses ou anos acabam por se decidir em poucas horas. Resolvi desta forma, ao longo da minha vida profissional, grandes e pequenos berbicachos.

Lula estava muito bem disposto, no final da refeição. Contrariamente à caricatura que dele se faz, nessa noite bebeu muito pouco, embora se tivesse pronunciado de forma elogiosa sobre os vinhos branco e tinto, ambos do Douro, que lhe fiz servir. Quando chegou a altura dos brindes e lhe propus, como ao resto dos convidados, um cálice de Porto, olhou para a mulher, que estava do outro lado da mesa, entre o primeiro-ministro português e eu próprio, e inquiriu, em tom de graça:

- Dona Marisa autoriza que eu beba uma Adega Velha, da garrafeira aqui do nosso embaixador?

Ainda antes que a senhora anuísse, interroguei com os olhos um dos fantásticos empregados da embaixada que serviam à mesa. O Romário, um mineiro da Pedra Azul que conhecia a minha reserva de álcoois como ninguém, fez-me um sinal negativo com a cabeça. Foi nesse instante que vi desaparecer, quase em passo de corrida por uma das escadarias por onde se acede à sala de jantar, o outro empregado da residência, o José. Hesitei em dizer ao presidente que, tanto quanto me lembrava, não tinha Adega Velha, mas que me responsabilizava pela qualidade de uma outra aguardente de grande qualidade, creio que umas reservas da Ferreirinha e da CR&F, que guardava para os convidados especiais. (Depois de uma vida a "dar o fígado pela pátria", há muito que não ouso tocar nesse tipo de bebidas).

Fiz bem. Não passaram cinco minutos e vi o José descer, com um tabuleiro de prata, acompanhada de um cálice de cristal, a longilínea garrafa da Adega Velha. Afinal, existia! Lula serviu-se, fez algumas loas ao álcool e, pouco depois, o jantar terminou. 

Despedidos os convidados, instalado José Sócrates e comitiva no hotel, regressei à residência. Impecáveis nos seus casacos brancos com botões dourados com o escudo português, já perto da meia-noite, o José e o Romário aguardavam-me. Agradeci-lhes o magnífico trabalho e comentei com ambos:

- Então sempre havia Adega Velha! Não me lembrava de que tínhamos cá daquela aguardente. O Romário tinha-me feito sinal de que não havia.

No brilho jovial daquela cara boa de negro do Piauí, o branco dos dentes sorridentes do José rimava já com alguns cabelos brancos daquele que foi, ao longo de toda a minha carreira, o mais dedicado exemplo de servidor estrangeiro do Estado português que alguma vez encontrei. E ouvi-o dizer:

- Senhor embaixador. Na residência não havia, mas eu dei um pulo a minha casa e tinha ainda lá uma garrafa de Adega Velha que me tinha sido dada pelo embaixador António Franco.

A casa onde vivia o José era colada ao muro da nossa residência. Apercebendo-se do desejo do presidente e do meu problema, colocou à disposição uma garrafa da aguardente oferecida pelo meu antecessor.

Que saudades que eu tenho desse "dream team" de funcionários de que Portugal tinha o privilégio de dispor em Brasília!

9 comentários:

Anónimo disse...

Sem comentários!

inconfessável disse...

Para mim, e bebi muito boas CR&F, continua a ser a melhor aguardente portuguesa...ou sou eu que não provo outras

Luís Lavoura disse...

Pois eu a melhor aguardente velha que conheço - bastante superior às aguardentes de vinhos verdes, como por exemplo a Adega Velha - é a das Caves São Domingos, na Anadia.

Jose Martins disse...

Senhor Embaixador,
Bem, dava fígado pela pátria. o Embaixador Melo Gouveia ( Deus o tenha no céu), quando saía da embaixada para as recepções, em Banguecoque, dizia: "lá vou eu dar o fígado ao manifesto!"
Saudações de Banguecoque

Bartolomeu disse...

Em suma; só devemos lamentar o esforço, abenegação e valor posto pelos revolucionários de 5 de Outubro de 1910 que, colocando a vida em risco, depuseram a monarquia e instituíram a república. Malempregadinhos... mais valia terem estado quietos.

Anónimo disse...

"Tráfico de influências"/"Diplomacia económica". Pois é, nestes tempos conturbados, todo o cuidado é pouco! Não chegam as boas intenções, nem onde começa uma e acaba a outra. É que alguns jornais lá estão com a ganância para vender papel... Não há aguardentes velhas que nos valham...

inconfessável disse...

Obrigada Luís Lavoura pela dica. Hei-de experimentar :)

Anónimo disse...

"Em suma; só devemos lamentar o esforço, abenegação e valor posto pelos revolucionários de 5 de Outubro de 1910 que, colocando a vida em risco, depuseram a monarquia e instituíram a república. Malempregadinhos... mais valia terem estado quietos."

a resposta em ingles dos dias de hoje é "wtf?"

Anónimo disse...

O problema com Lula,e a isso Mário Vilalva não se referiu,é que quando falou com Passos sobre empresas brasileiras já não era Presidente e não tinha nenhum cargo oficial.Ou seja,não foi uma conversa no quadro da diplomacia económica mas de puro lobby.