quarta-feira, 23 de abril de 2014

O atentado

O 25 de abril e o período que se lhe seguiu foram férteis em histórias, algumas verdadeiras, outras mirabolantes. Quem viveu essa época lembra-se, com certeza, do episódio do caixão cheio de armas, que fez as delícias das fórmulas mais imaginativas sobre o 28 de setembro. O tal "caixão", num carro funerário, terá aparecido, segundo as versões, em diversas barreiras de estrada, umas vezes em Alverca, outras vezes na calçada de Carriche, outra vez nos "Quatro Caminhos". Nunca fui muito dado a fantasias revolucionárias e, iconoclasta como sou, sempre duvidei destas histórias "demasiado boas".

No auge do "Verão quente" de 1975, uma das historietas que corriam nos meios do MFA prendia-se com a hipótese de um atentado ao primeiro-ministro Vasco Gonçalves, que teria sido gorado pela "vigilância revolucionária". Segundo se contava, e os meios gonçalvistas pintavam com pormenores, um grupo "reacionário" teria tomado conta de um apartamento na calçada da Estrela, de onde pretendia atingir, com uma espingarda de mira telescópica, o gabinete de Vasco Gonçalves, com vista a assassiná-lo. Este potencial atentado teria sido evitado por uma oportuna denúncia.

Como disse, sou pouco dado a teorias conspirativas e levei a historieta à conta de uma fantasia do grupo que borboletava em torno de Vasco Gonçalves, feito da "esquerda militar", de muitos militantes ou "compagnons de route" do PCP e de uns "operacionais" gonçalvistas, alguns dos quais foram e são meus amigos.

Passaram muitos anos. Um dia, no Brasil, fui convidado por um cidadão português para almoçar. A conversa levou ao "Verão quente". O meu interlocutor sabia bem que eu tinha estado envolvido nesses tempos militares. A ele, eu conhecia-o, de nome e de fama, como uma pessoa corajosa, ferozmente anticomunista, ativista na luta clandestina contra o MFA, em 1975.

A certo ponto da conversa, revelou-me: tinha-se voluntariado, nesse "tempo da brasa", para liquidar Vasco Gonçalves. Era conhecido como um especialista de armas, de caça e de guerra, e, por essa razão, fora escolhido para a "operação" pelos seus companheiros de ideologia. Contou-me pormenores, descreveu-me os passos que tinham sido dados para montar a operação, falou-me da casa na calçada da Estrela que deveria ser utilizada para o atentado e, sem que agora me lembre bem dos detalhes, deu-me conta de uma "infiltração" no seu grupo político que levou à denúncia do complot, que assim se gorou.

Tomei boa nota e, pelos dados que me forneceu, fiquei com total confiança no relato que me fez. Vasco Gonçalves não foi objeto de nenhum atentado, mas que ele esteve planeado disso não tenho a menor dúvida.

Sem comentários: