18.4.14

García Márquez

Há quase década e meia, circulou pela internet uma carta atribuída a Gabriel García Márquez, que era como que a despedida da vida de um homem em estado terminal. O texto era muito bem escrito, embora talvez demasiado "piegas" para ser do autor do "Cem anos de solidão", e teve um imenso sucesso no circuito (infernal) dos reencaminhamentos. No que me toca, recebi-o de vários amigos e conhecidos. Já não "podia" com a carta...

Não tardou muito a constatar-se que, afinal, o texto não era de García Márquez, era apenas uma genial invenção de alguém suficientemente dotado para poder ter uma escrita com uma qualidade suficiente para poder ser confundida com a do romancista colombiano. O próprio García Márquez veio a terreiro desmentir a autoria da carta - a qual, nem por isso, deixou de circular, de quando em vez. Só faltou a García Márquez dizer, como Mark Twain, que "as notícias sobre a minba morte são manifestamente exageradas".

Há pouco, vi nas notícias que García Márquez morreu. Alguma vez a história havia de coincidir com o boato.

A polémica do dia

Pronto! Com a decisão australiana sobre o tenista sérvio está criado um folhetim com todos os ingredientes: vedetas, política, teorias da co...