9.4.14

A memória de Jouyet

Jean-Pierre Jouyet, antigo secretário de Estado dos assuntos europeus de Nicolas Sarkozy, acaba de ser nomeado secretário-geral da Presidência da República francesa. Trata-se de um lugar da maior importância no xadrez político de Paris. Jouyet é um homem muito próximo de François Hollande, um dos seus maiores amigos, e já em 2012 o seu nome "corria" para o cargo. É uma figura de uma extrema cordialidade, com quem criei uma ótima relação, com uma leitura muito interessante do papel da França na Europa. Numa sociedade tão polarizada como a francesa, diz muito da sua qualidade o facto de ter sido aceite a sua "travessia" da fronteira esquerda-direita, isto é, integrar o "core" do poder socialista depois de ter pertencido ao governo de Sarkozy. Para quem conhece a França, é obra!

No termo da presidência francesa da União Europeia, em 2008, Jouyet publicou um livro que passou praticamente despercebido na vaga da literatura "de conjuntura" em que a França é fértil. Chamava-se 'Une Présidence de Crises". A certo ponto do livro, Jouyet critica fortemente a Comissão Europeia sobre a gestão da crise de 2008. Passo a traduzir um extrato significativo: "Ela (a Comissão) deveria ter antecipado muito mais e ter modificado a sua linha da conduta muito mais cedo. Na sexta-feira (10 de outubro de 2008), enquanto que Fortis (importante instituição financeira do Benelux) está à beira da falência, José Manuel Barroso, que eu cruzo em Nova Iorque, quase que se ri de mim: "Jean-Pierre, estás enganado, diz-me ele. Não é necessário alarmar as pessoas. Trata-se, antes de tudo, de uma crise americana". Viu-se!

A polémica do dia

Pronto! Com a decisão australiana sobre o tenista sérvio está criado um folhetim com todos os ingredientes: vedetas, política, teorias da co...