quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Chirac

A figura pública viva mais popular entre os franceses, Jacques Chirac, completou ontem 80 anos. Nos últimos tempos, o seu estado de saúde tem limitado crescentemente a atividade pública do antigo presidente, mas, ainda há dias, o descortinei, num fim de tarde, a entrar no "Le Concorde", uma "brasserie" do boulevard Saint-Germain de que é frequentador habitual, avançando apoiado em colaboradores.

Tive o ensejo, ao longo de algum tempo, de estar presente, ao lado de António Guterres, em diversas reuniões com Chirac, em Paris e em Lisboa, mas igualmente em Conselhos europeus, onde ainda testemunhei a sua comum presença com Helmut Kohl, numa das "edições" do dueto franco-alemão que, à época, dava o tom à União Europeia. Era um homem de gesto largo, o qual sempre acompanhava a sua palavra, num tom que, parecendo algo teatral, ia bem com o estilo de uma certa França. Desenhava uma figura onde alguma arrogância era adocicada por uma naturalidade do "terroir" e por uma busca de cordialidade que o tornava globalmente simpático.

Guardo desses momentos com Chirac algumas memórias, mas, muito em particular, recordo, com genuína admiração, o seu trabalho incessante na longa cimeira que, em finais de 2000, concluiu o tratado de Nice. Foram vários dias e noites em que o chefe de Estado francês foi incansável, como figura central na busca por um compromisso que pudesse "salvar" a finalização do tratado. Portugal não foi dos parceiros mais fáceis nesse exercício. Nas noites de Nice, Chirac levou até muito tarde, às vezes no limite do aceitável, o "braço de ferro" com António Guterres, o qual não desarmou até obter o peso que queria para Portugal, em termos de votos no Conselho e no número de deputados ao Parlamento europeu, além de outros aspetos.

Por volta das três da manhã da noite final de negociação, Chirac chamou-nos a um canto da grande sala do Conselho e informou que a presidência francesa acedia exatamente ao que, desde o início, pedíramos. Foi a necessidade do fecho do compromisso, que só se faria por unanimidade, que o obrigou relutantemente a acomodar as nossas solicitações, depois de algumas horas em que a possibilidade do abandono por Portugal da mesa negocial chegou a constar - elemento que pode ter pesado na flexibilidade final francesa. António Guterres estava prestes a aceitar o compromisso, que era excelente, quando eu, numa ousadia de que hoje me admiro, decidi "explorar o sucesso" e intervim, perguntando a Chirac: "Senhor presidente, e o nosso pedido quanto à necessidade de haver sempre uma maioria de Estados membros para aprovar uma votação por maioria qualificada?". Essa era uma questão pela qual, como negociador português do tratado, contra a opinião de alguns na nossa delegação, me tinha batido durante quase um ano (por razões que não importa agora explicar, mas que quem quiser pode detalhar aqui). Chirac que, já numa reunião em Lisboa e noutra anterior em Nice, havia dado mostras de irritação com observações que eu fizera, mirou-me bem do alto da sua elevada estatura e, depois de uma troca rápida de olhares com o seu colaborador Pierre de Boissieu, que lhe "fez que sim" com a cabeça, lançou-me, muito pouco contente com aquele impertinente português, que andava sempre ao lado de Guterres, cujo nome nunca sequer lhe passou pela cabeça saber: "Encore vous! Vous l'aurez, votre majorité, vous l'aurez...". E, "for the record", esse princípio lá ficou no tratado de Nice e hoje ainda sobrevive no tratado de Lisboa.

5 comentários:

Anónimo disse...

Por cá já teria uma biografia...
F. Rangel

Anónimo disse...

Não sei porquê mas, o Sr. Embaixador
fez-me lembrar o 1ª,Coelho e a Merkel.

Anónimo disse...

Do Chirac fica-me a recordação da sua decisão contra a invasão do Iraque. Estive mais de acordo com Chirac do que com a posição de D. Barroso. Às vezes, como com a dupla nacionalidade, tenho dificuldade de opção. Aqui não.
Da discussão do tratado de Nice recordo uma “fuga” de conversa de corredor que relatava que Guterres repeliu com muito má cara o Primeiro-ministro francês quando este o aproximou com a afabilidade no trato de “mon petit Toninho”. Jospin, que está muito longe de compreender todas as subtilezas da lusofonia, não compreendeu. É verdade que Toninho é excesso de familiaridade.
José Barros.

patricio branco disse...

e com hollande acabou-se o estilo majestatico, vindo do rei-sol, renovado com de gaulle, continuado com mitterrand e chirac, sarkozy ainda tentou imitar, agora ponto final. é pena!

EGR disse...

Senhor Embaixador: não sei qual a razão desta minha desconfiança mas suspeito que hoje as coisas já não se passarão assim.
Mas admito que não passe disso mesmo,ou seja,desconfiança.