sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Alain Oulman

Alguns portugueses surpreendem-se, por vezes, ao verem o nome francês de Alain Oulman assinar alguns dos mais belos fados de Amália Rodrigues.

Oulman era filho de um industrial francês, mas nasceu em Portugal, em 1928. Apresentado a Amália por um diplomata português, musicou para ela textos de poetas como Camões, David Mourão-Ferreira, Alexandre O’Neill, Ary dos Santos, Pedro Homem de Melo ou Manuel Alegre.

Em 1966, envolvido na vida política portuguesa, Alain Oulman foi preso pela Pide, vindo a conseguir ser expulso para França, graças à intervenção de Amália junto do então embaixador português em Paris, Marcello Mathias. Após o 25 de Abril, quando Amália foi acusada de cumplicidade com o regime ditatorial português, Oulman surgiu a defendê-la na imprensa.

Ontem à noite, em Brunoy, perto de Paris, ao assistir a um belíssimo espectáculo de fado protagonizado por Kátia Guerreiro, que cantou uma sua canção, lembrei-me deste luso-francês a quem a música portuguesa tanto deve. Oulman morreu em Paris, em 1990.

3 comentários:

Osvaldo Castro disse...

Grande Abraço, Francisco, Embaixador.
Ando pelo Praça Stephens,um blog sem pretensões
(www.joaopaulopedrosa.blogspot.com)

JM Correia Pinto disse...

Meu Caro

Há duas Amálias: antes e depois de Alain Oulman. Alain, se não estou em erro, é primo direito de Jorge Sampaio.
É um dos que merece uma homenagem.
Abraço
CP

voyager disse...

A propósito de Alain Oulman e de Katia Guerreiro, num concerto verdadeiramente fantástico ontem em Lisboa deixo um link:
http://www.youtube.com/watch?v=IOAkDBVer6M