sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

ONU

Pela voz do chefe da sua diplomacia, Portugal expressou no Conselho de Segurança o conjunto de razões pelas quais considera que a credibilidade daquele órgão da ONU ficará em causa se, através dele, não for possível dar expressão à indignação que atravessa os meios mais responsáveis da comunidade internacional, face à repressão sangrenta a que as autoridades sírias condenam grande parte da sua população.

A presença portuguesa no órgão mais relevante da ONU, lado a lado com outros países ocidentais, mas igualmente com parceiros do mundo árabe, defendendo os valores da paz, da tolerância e da democracia, é algo que dignifica o nosso país, que dá visibilidade a uma ação externa que é pautada pelo diálogo e pela busca de compromissos mas, igualmente, pela firmeza na defesa de princípios que entendemos essenciais para a construção uma sociedade internacional mais justa e mais estável.

Aqueles que, no passado, colocavam em dúvida o interesse e a racionalidade da opção por uma candidatura portuguesa ao Conselho de Segurança, interrogando-se sobre a utilidade desse esforço, podem ter agora a resposta através desta visibilidade de que Portugal usufrui. É que - como por aqui tenho dito várias vezes - existe por aí um país antigo, que o mundo vê hoje como um parceiro político sólido e confiável, que está muito para além das dificuldades na esfera económica que conjunturalmente atravessa. Esse é o país que a diplomacia portuguesa, como garante da continuidade da imagem externa de Portugal, procura representar e afirmar.

8 comentários:

Helena Oneto disse...

Felicito a diplomacia portuguesa, felicito-o a si, Senhor Embaixador, porque levantou esta questão varias vezes, felicito-me a mim, como portuguesa porque há muito esperava desta boa noticia. Mais vale tarde que nunca! Agora espero que a voz de Portugal seja efectivamente ouvida.

Isabel Seixas disse...

Ainda bem, sejamos então uma voz representativa para os caminhos da Paz.

patricio branco disse...

pelo que ouço no noticiario da tv a repressão está numa escalada com os bombardeamentos da noite passada, mais de 200 mortos.
um final à gadafi?

Anónimo disse...

A Paz é uma coisa que abunda em todo lado. Paz e Justiça é o que mais se vê!
Eu acho que as fábricas de armamento vão todas à falência por causa da diplomacia Portuguesa.

Ogman

E.Dias disse...

Ao 'anónimo' Ogman: orgulhosamente sós? Outra vez?

Anónimo disse...

A diplomacia é desde sempre, também, a arte de se estar no sítio certo no momento certo.

Anónimo disse...

Caro anonimo E DIAs, prefiro só que metido num rebanho de carneiros a andar todos para o mesmo sitio e a olhar para o chão !

Ogman

Anónimo disse...

Três anos de blog com a vitalidade que se sente e a versatilidade que abunda por aqui, a presença do Senhor Embaixador na ONU, num tempo destes mostra pelo menos duas coisas: a inteligência de algum alvitreiro inteligente que mata dois coelhos de uma cajadada só... Ao mesmo tempo que tem um experiente diplomata nas reuniões à porta fechada, consegue a recolha humorística mas útil, porque leal, dos seus amigos e leitores para distender qualquer momento de maior dificuldade ou pressão... Parabéns!