sábado, 11 de fevereiro de 2012

Salvador

A cidade brasileira de Salvador da Bahia atravessou dias terríveis, com a greve da polícia a gerar uma onda inédita de criminalidade violenta. Lembrei-me muito dos bons amigos que tenho naquela que é a terra onde se cruzam, de forma mais visível, as principais componentes humanas que formaram o Brasil. Entre as quais a portuguesa, bem simbolizada no Gabinete Português de Leitura, de que fica a foto.

Durante muitos anos, a vida política da Bahia teve como figura tutelar António Carlos de Magalhães, uma das poucas personalidades que os brasileiros identificam pela sigla do seu nome: ACM (as outras duas são JK, Juscelino Kubitschek, e FHC, Fernando Henrique Cardoso, o que julgo significativo). 

Nascido para a vida cívica durante o regime militar, ACM foi aquilo que no Brasil se chama um "coronel", uma figura dominadora da política e da sociedade local, com uma força económica e mediática que garantiam o prolongamento da sua manutenção no poder. Fazer política, na Bahia, fora do controlo do clã ACM ou contra ele, era uma aventura, no mínimo, muito arriscada. Personagem controversa, arregimentou, ao longo da sua vida, imensos inimigos no Brasil mas, igualmente, uma legião de seguidores na Bahia. Tendo sido um dos políticos mais poderosos do seu país, teve quase tudo o que o destino lhe poderia dar: foi deputado estadual, prefeito, deputado federal, senador, presidente do senado, governador do Estado, ministro, etc. Conservador nas ideias, apoiou a ditadura militar e, no quadro democrático, integrou sempre as formações mais à direita do espetro político. De origem portuguesa, ACM tinha uma profunda ligação afectiva ao nosso país, cujos interesses no Brasil sempre cuidou em apoiar, quando a tal solicitado.

Em início de 2007, a vida política baiana deu uma imensa reviravolta: o clã ACM foi fortemente derrotado nas urnas, perdendo o governo do Estado, que passou para o PT. Na Bahia, Portugal tinha e tem importantes interesses na área empresarial, pelo que, logo após a sua posse, me desloquei a Salvador para encontrar o governador recém-empossado, Jacques Wagner. Nesse dia em que visitava oficialmente o novo poder, fiz questão de convidar António Carlos de Magalhães para um jantar público naquele que era - e não sei se ainda é - um dos locais mais "in" de Salvador: o Hotel Convento do Carmo, da rede das Pousadas de Portugal. O velho político ficou claramente agradado com o gesto do representante diplomático português, agora que os seus préstimos potenciais para o país onde estavam as suas origens ficavam muito mais reduzidos. Mas eu quis manifestar-lhe, num tempo que lhe era então muito adverso, a gratidão que devíamos a alguém que sempre mostrara gostar de nós. Para a história: ACM viria a morrer seis meses depois. 

Da manhã desse mesmo dia, recordo uma historieta que dá bem conta da complexidade da política brasileira. Eu seguia num carro cedido pelo governo da Bahia. A certo passo, decidi interrogar o motorista, um homem muito simples, sobre os novos rumos da política do país: Lula tomara posse para um segundo mandato, escassos dias antes. "Está satisfeito com a reeleição de Lula?". O homem sorriu, deliciado, e disse: "Eu votei Lula. Gosto muito dele. Fez muito por nós, pelos pobres". Um tanto curioso, inquiri: "E ACM? Que achava dele?". O motorista ia dando um salto no banco: "ACM? ACM é um santo! Está ver estes viadutos, estas estradas? Foi tudo feito por ele! Ele é o nosso pai".

Ver dois inimigos jurados serem adulados pela mesma pessoa é um milagre que só os orixás da Bahia poderiam fazer. Espero agora que esses mesmos orixás também possam ajudar a repor a calma na bela cidade de Salvador.

9 comentários:

Anónimo disse...

Em S. Salvador da Baía está um excelente (e experiente) Cônsul-Geral, na pessoa do José Manuel Lomba!

Portugalredecouvertes disse...

Como é difícil colocar etiquetas às pessoas,
como o extremismo das idéias dará origem a injustiças e preconceitos,

faz-me pensar na vida do marquês de Pombal

Anónimo disse...

Ou seja, cada um à sua escala, todos os países se aproveitam de figuras "controversas" para servirem os seus interesses.

Fica à atenção de quem acha que só as "grandes potências" é que olham para o lado perante determinado tipo de figuras.

Margarida disse...

...muito bonito; vê como tem veia poética? :)
Eis um samba-enredo perfeito para este tempo que por lá já se vive e que por aqui desejaríamos viver.
Estas histórias humaníssimas são exemplares, e a forma como as relata, invejável.
Também desejo harmonia para a Bahia e todo o povo em convulsão, mas como diz o brasileiro: 'num sei não'...

Anónimo disse...

São tempos dificeis tanto lá como cá. Vai ser por todo o lado. Vai ser bonito vai.

Anónimo disse...

Diplomacia tem limites, tem que se reconhecer que ACM não foi uma figura controversa nem uma figura que gerava dúvidas. Todos têm a certeza que se tratava de gente desonesta, daqueles que nunca deveriam ter aparecido.

patricio branco disse...

bonito e curioso edificio o do (real?)gabinete de leitura que tive ocasião de ver por fora, por dentro infelizmente não. Uma mistura de tudo um pouco, gótico, árabe, neomanuelino, há edificios assim em lisboa.
a pousada do convento do carmo tive felizmente a oportunidade de lá passar 3 ou 4 dias enquanto visitava a cidade.
foram uma surpresa estes acontecimentos com a policia de agora que devem ser sérios e ser tratados com tacto, podem alastrar a outros pontos e o brasil tem de evitar isso. O governo dilma não é uma continuidade do de lula e ainda me parece pouco definido. as 9 demissões (impostas?) dos ministros podem ser um sinal de ruptura com o anterior e de limpeza. A ver como tratam este problema reinvindicativo da policia.

Anónimo disse...

Cá também temos os nossos ACMs, ainda que de via reduzida. Em Braga, Gondomar, Oeiras...
V

Anónimo disse...

Caro Sr. Embaixador

Um diplomata tem mesmo que tomar muitos sais de frutos, não tem?
V