sábado, 9 de setembro de 2017

O bacalhau do "Progresso"


Diz a "Time Out" que o "Progresso", o café portuense entre a praça Carlos Alberto e o largo do Moínho de Vento, sofreu uma nova remodelação, estando agora centrado na área dos comes-e-bebes. De uma das últimas vezes que por lá passei, a especialidade da casa eram panquecas.

O "Progresso" é um marco da riquíssima geografia cultural dos cafés no Porto. Ao tempo em que me passeei pelas engenharias da Universidade do Porto, aquele café não fazia parte dos nossos roteiros de pouso, porquanto na sua frequência se contavam muitos mais professores "graves" do que aqueles que escolhiam o vizinho "Piolho".

O "Progresso" foi, ao que julgo, dos últimos lugares a ceder à invasão do "cimbalino", mantendo um café de saco que se tornou lendário. A razão por que falo de bacalhau no título deste post é porque subsistiu, por décadas, o mito (ou a realidade?) de que o segredo da qualidade do café de saco do "Progresso" advinha dos rabos de bacalhau que eram colocados no interior na bela máquina que ornamentava a sala.

Sem comentários: