quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Bom senso

O jornal i titulava ontem, na sua primeira página, citando-me: "O PS não fez passar a mensagem de credibilidade".

A citação está correta. A conversa telefónica de um minuto com uma jornalista andou à volta do elevado número de indecisos detetados nas sondagens e das razões pelas quais esse valor ainda se mantém elevado. Na opinião que dei, referi que muitas pessoas não gostavam do governo mas hesitavam ainda em votar no PS, porque este partido não tinha ainda conseguido fazer passar uma mensagem de credibilidade suscetível de lhes garantir uma mudança de vida para melhor.

E é verdade. O que as sondagens evidenciam é que, não obstante António Costa ser visto de forma esmagadora como mais confiável para primeiro-ministro, o PS ainda não conseguiu convencer as pessoas de que, chegado ao poder, fará melhor do que a coligação. É triste? Claro que é, mas a democracia é isto mesmo. É o que as sondagens refletem, pelo menos por ora, fazendo eu figas para que mudem.

Esta minha declaração, embora óbvia, surpreendeu, ao que parcece, alguns amigos meus. Para os compensar, deixo uma frase que hoje retirei de um texto de José Manuel Fernandes (esse mesmo!) com a qual esses amigos tenho a certeza que vão estar de acordo: "apesar do empate técnico das sondagens, o PS ainda é o favorito, pois será mesmo surpreeendente que os portugueses, depois de tantos sacrifícios, reelejam a mesma maioria e o mesmo primeiro-ministro". Ele escreveu mesmo isto? É verdade. Enfim, um ataque de bom-senso nunca fica mal a ninguém, não é?

20 comentários:

Anónimo disse...

O problema do senhor Seixas da Costa é de ser tão faccioso.

Anónimo disse...

Eu acho que o PS e Catarina Martins estão a levar muita gente para o Bloco de Esquerda.

JPGarcia

opjj disse...

A propósito de credibilidade. Jerónimo de Sousa, o maior mentiroso político e cara de pau, grita e berra e ninguém o confronta.
Faz hoje 4 dias que Jerónimo de Sousa gritava ao maralhal;" pensões de 300€ ou menos e 350€" pagam taxas moderadoras e não têm dinheiro para os remédios".
Que grande mentiroso, ninguém com estas pensões paga taxas moderadoras e algumas doenças não pagam remédios. Tenho alguns exemplos na família.Só a partir de 595€ alguns pagam taxas e certas doenças estão isentas.
Pior ainda é que a comunicação social deixa passar ao simpático mentiroso compulsivo todas estas mentiras de "roubos" e não desmente.
Pior ainda, é que os comunistas participam nesta farsa.
Cumps

Anónimo disse...

Conversa de há um minuto:
- Então, tudo bem?
- Tudo normal, na mesma modorra!
- Está tudo à espera das eleições!
- Não, ninguém espera que mude seja o que for!

Anónimo disse...

Sr. Embaixador.
As pessoas quando votam fazem opções. E por muito que não se goste da austeridade dos últimos anos e das soluções que a actual maioria aplicou na resolução dos problemas do País, a verdade é que a opção pelo PS, por António Costa e sobretudo pelas soluções que oferece no putativo programa de governo não convencem ninguém. E Deus nos livre que alguma vez venha a ser aplicado. Aí sim, seguramente teríamos de emigrar mais cedo ou mais tarde!!
E este é o grande problema. Não há alternativa credível à actual maioria.
É pena mas é mesmo assim.
Cumprimentos.

Nota: quanto ao seu suposto facciosismo entendo que o Sr. Embaixador não deve esconder que clube apoia. Mas todos nós, seus leitores neste blog, gostaríamos que resistisse à tentação e não reduzisse o nível dos seus posts à "bandalheira" demagógica e politiqueira dos miúdos "jotinhas" das campanhas eleitorais que andam por aí.

patricio branco disse...

a meu ver, a aritmética também entra nisto, o ps está a jogar sózinho contra 2 equipas, como se o ps tivesse 11 jogadores em campo e o paf 15. bastava o ps jogar com o be para ter 13 jogadores contra os 15. mas sabemos que nem be nem ps querem qq aliança, coligação. que diabo! o be obtinha 1 ministério e uma secretaria de estado no governo, seria assim tão dificil para os 2 partidos que só teriam a ganhar?
não falo do pcp, esse não se coligará com o ps (nem o ps com ele). mas com o outro, porque não?
mas também há a circunstancia do ps não ter concorrentes à dta, nada existe para alem do cds, enquanto que à esqda do ps há muita coisa. o ps está portanto encurralado num centro e centro esqda, e pouco consegue pescar fora daí para um lado ou outro.
mas os partidos são como são e estão onde estão! uma das grandes espertesas do psd foi aliar-se ao cds, e este foi espertinho em aceitar, embora seja no futuro muito dificil desligar-se e manter-se firme.
a coisa está dificil, mas as sondagens podem ser como as gregas. e para o par uma vitoria por curta margem não será confortável, nada mesmo.

Manuel do Edmundo-Filho disse...

A citação está correcta, assim o confirma o sr. Embaixador (eu ainda duvidei que estivesse…). E o teor da afirmação, em minha opinião, correcto está. O PS não conseguiu tornar-se credível para além daquela percentagem que as sondagens lhe dão. Vamos ver o que a sondagem real no dia das eleições nos reserva. Mas o que terá surpreendido os seus amigos, e a mim também, é tê-la expresso sem levar em conta que sendo o Embaixador uma personalidade próxima do PS (colaborou na elaboração do programa que vai a votos) e que cada vez mais, pela sua presença na comunicação social, é já um dos comentaristas mais escutado e, muito justamente, apreciado, seria aquela afirmação aproveitada pelo Jornal "I" – e todos sabemos qual a inclinação editorial do jornal – para parangona de primeira página, tentando com ela dar mais um empurrão na tendência desfavorável ao PS que as últimas sondagens mostram. Foi o que aconteceu. Se, como comentarista que é, nada há a dizer – fez o seu comentário, ponto (e até concordo com a sua análise) – como personalidade pública e publicamente comprometida com o PS, convirá que é uma afirmação, em plena campanha eleitoral, politicamente pouco cuidada. Mas claro, sem qualquer reticência, está no exercício pleno da sua liberdade. Como, aliás, estão também aqueles que se mostraram surpreendidos. Também concordo: o PS é ainda favorito. É, pelo menos, o meu favorito.

Anónimo disse...

gostava era de saber pq continuam os partidos de esquerda calados com a técnica e fiabilidade das sondagens.

101 entrevistas num dia, 348 noutro.

ninguém percebe nada de números?

Anónimo disse...

sobre as sondagens

http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2015/09/sondagens-ou.html

http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2015/09/mesmo-depois-que-voz-ja-me-doa.html

http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2015/09/a-minha-batalha-perdida.html

https://vaievem.wordpress.com/2015/09/22/o-valor-facial-das-tracking-polls/

https://vaievem.wordpress.com/2015/09/18/as-sondagens-e-as-corridas-de-cavalos/

Anónimo disse...

Nos tempos do PREC, o PS contribuiu com outras forças para o estabelecimento da democracia.

Depois de assentar a "poeira" foi subtilmente impondo a sua visão do que queria para Portugal, uma democracia de razão única, podem falar á vontade,MAS....

Actualmente acontece o que o que sempre foi , subtilmente com o apoio de uma "inteligência-bem-pensante-jornalista" acolitada por Galambas & companhia, mais é mais do mesmo.. tenta mais uma vez a sua sorte com pauta ensaiada, sabendo todos nós que já não somos senhores dos nossos destinos.

Como o calcula votarei PSD.

Anónimo disse...

Tramado, tramado, oppj, é que o mentiroso compulsivo andou anos a avisar que o país ia chegar ao sítio onde está desde 2009 e oppj ia votando na verdade que queria.

Anónimo disse...

ainda para o verdadeiro oppj, o homem que sabe que a culpa disto tudo é do jerónimo de sousa e não dos partidos onde tem votado.



basta ter uma conta a prazo ou umas leiras para subsitência e já se está a pagar taxa moderadora

«Que rendimentos são utilizados para o cálculo da situação de insuficiência económica?

Para efeitos de cálculo do rendimento médio mensal do agregado familiar, consideram-se rendimentos relevantes os rendimentos brutos, ainda que isentos de tributação nos termos do Código do IRS. No cálculo dos rendimentos brutos anuais considera-se:

O valor bruto dos rendimentos de trabalho dependente;
Os lucros obtidos no âmbito dos rendimentos empresariais e profissionais;
As importâncias ilíquidas dos rendimentos de capitais, quer tenham sido englobadas ou não para efeitos de tributação;
O valor líquido dos rendimentos prediais, os quais incluem ainda o montante correspondente a 5 % do valor patrimonial tributário dos imóveis de que sejam proprietários qualquer um dos elementos do agregado familiar, reportado a 31 de dezembro do ano relevante, exceto se se tratar de imóvel destinado a habitação permanente do requerente e do respetivo agregado familiar, considerando-se como tal aquele em que se situa o domicílio fiscal;
O valor bruto dos incrementos patrimoniais, não se aproveitando qualquer exclusão legal de tributação;
O valor bruto dos rendimentos de pensões;
O valor das prestações sociais pago pelos serviços e entidades do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social;
O valor global dos apoios à habitação atribuídos com carácter de regularidade»

Anónimo disse...

"Está de regresso o discurso do animal feroz"

Já cá faltava esta argumentação que ouvi muitas vezes na boca do outro. No desespero, foi beber à mesma fonte. Não tarda está a visitar o número 33 da Abade Faria para ter lições.

Jaime Santos disse...

Sr. Embaixador, Tenho que dar razão ao Sr. Edmundo-Filho. Eurico Brilhante Dias deu uma entrevista ao i em que deu o seu apoio claro a António Costa e o que foi citado na primeira pagina foi a afirmação, completamente natural, de que preferiria Seguro para PM, já que Brilhante Dias não mudou com certeza de opinião de há uma Ano para ca. Infelizmente, a mensagem que passou das declarações dele e das suas e de que ja começou a contestação interna a Costa, o que ajuda a desmobilização do eleitorado do PS... O Sr. Embaixador e conhecido por ser capaz de fazer uma analise imparcial da política baseada no bom-senso, mas o que o i procurava era a opinião do destacado militante, não do analista...

Anónimo disse...

OPJJ o Jerónimo é Benfiquista e só isso já lhe permite dizer tudo o que bem entende, ok?
Quanto ao que o Seixas diz, está corecto. Quanto ao Fernandes...até me espanto!
Mas, infelizmente, estou de acordo como Miguel Sousa Tavares: a coligação vai ganhar para mal dos meus pecados e de muitos outros eleitores! Um chatice!
Costa é bom tipo, mas não convence. E a coligação vai ganhar sem ter...discutido o seu programa (como disse MST). Este país é o país do Incrível!
Oxalá esteja enganado!

inconfessável disse...

As sondagens estão erradas, simplesmente por a abstenção ir ser muito maior do que estão a prever.
A maior parte da abstenção é de esquerda, com excepção dos adeptos do PC que votam sempre.
PS? só se for por voto útil. Quem é que quer o PS outra vez no governo?

opjj disse...

Com permissão de V.Exª. Direi ao anónimo que Jerónimo Sousa mente compulsivamente há muito.
Tenho um familiar que tem uma pensão inferior a 400€ e não paga taxas moderadoras, nem operações e não paga remédios pq é diabético e tem parcelas na aldeia e casa própria no centro de Lisboa.
Quem berra que estão a roubar a pensão até 595€ é pura mentira.
Cumps

Anónimo disse...

Entretanto, podem ir lendo o Pedro Magalhães no Margens de Erro.
Saudades das sondagens da sua responsabilidade!

Anónimo disse...

Coitado do Costa. Leva porrada de todo o lado. PC, BE, paf, quase toda a imprensa escrita, televisões, comentadores. Safa-se do comentador das 12:11 que votará no ppd/psd, que não concorre, mas que lhe faça bom proveito.

Só para que conste. Eu e muitos milhares de Portugueses irão, evidentemente, votar PS (que concorre), a fim de derrotar esta direita excrementícia e mentirosa, que a ficar mais tempo no poder, nos esfolaria ainda muito mais. O Povo não é sempre parvo e não se deixa enganar sempre, quer para S. Bento, quer para Belém. Viva o Costa, que é um politico experiente, com provas dadas, competente e sério. Até à sondagem do próximo dia 4 de Outubro!.

Anónimo disse...

OPJJ lá arranjou um familiar diabético, doença que lhe dá isenção, mas Jerónimo é que não sabe do que fala quando fala dos não diabéticos que têm de pagar taxas moderadoras. Um luxo, que isto entre excelências é assim.