domingo, 28 de dezembro de 2014

Padecimentos

Quatro dos seis médicos que deveriam estar nas urgências do Hospital Amadora-Sintra, na véspera de Natal, faltaram ao serviço, com baixa médica. 

Quero aqui deixar uma nota de simpatia para esses distintos profissionais, que imagino terão ficado fortemente incomodados ao saberem que a sua ausência levou a atrasos no atendimento de cerca de 20 horas, mas, principalmente, pelo facto dos seus padecimentos físicos (embora eu não exclua de todo os psíquicos) lhes terem, com toda a certeza, arruinado as merecidas Consoadas. 

Não sei se a lei permite, mas gostaria de saber os nomes dos atentos e devotados colegas que lhes passaram os atestados para as baixas. 

Ah! E já agora, faço votos que não tenham uma recaída no dia 31 de dezembro. É que um azar nunca vem só!

12 comentários:

Anónimo disse...

saber os nomes e o seguimento do processo disciplinar porque é inaceitável!!

Portugalredecouvertes disse...


há uma agravante porque uma greve está habitualmente associada a um pré-aviso, e as baixas não

Joaquim de Freitas disse...

A Lei é geradora de desequilíbrios de poder e favorece tendencialmente os corporativismos.

Vivemos numa sociedade dominada por conquistas na defesa de interesses particulares, sempre baseados na indiferença ou atropelo dos interesses dos outros, e sem pesar os princípios de justiça, adoptando-se, cada vez mais, procedimentos escandalosos! E isto faz a satisfação e o orgulho pessoal dos que, neste estado de coisas, se julgam mais espertos do que os outros!

A democracia representa a generalização de um estado de espírito individual, nunca atingido pela sociedade, que é cada vez mais movida por pressão de interesses particulares, desejando triunfar uns pelos outros, e até sobre os outros, na busca de "status" diferenciado e bem viver.

Neste momento, vemos em França, um combate dirigido por um jovem Ministro da Economia contra os corporativismos. Os nossos médicos também estão na linha da frente. Como os notários e os farmacêuticos, as profissões liberais em suma.

A Lei é geradora de desequilíbrios de poder e favorece tendencialmente os corporativismos.

Quem se recorda da teoria que dizia que, " As forças econômicas organizam-se sob
a forma de corporações. Nessa conformidade , "As corporações constituem a organização
unitária das forças da produção representando integralmente o interesse delas."


É uma unidade moral, política e econômica, que se realiza integralmente
no Estado Facista.

Graça Sampaio disse...

Ironiazinha fina... (mas certeira)

D. disse...

É Portugal no seu melhor, enfim! Beijos

Anónimo disse...

Só espero que os colegas que assinaram a baixa aos quatro médicos não tenham recebido em troca algum pato ou peru. Porque se o fizeram sem aquele indício de pequena corrupção já é um progresso !
José Barros.

Anónimo disse...

Ó Freitas, não junte o disparate ortográfico ao ideológico. É econÓmico que se escreve. Os seus textos (testamentos, i.e.), são cÓmicos e não cÔmicos.

Percebe?

Joaquim de Freitas disse...

Pobre anonimo das 11.01:



Soit vous êtes de mauvaise foi,soit vous n’avez rien compris à mon propos.

Vous laissant le bénéfice du doute sur votre intelligence,je penche pour les deux hypothèses.

Jà lhe disse : mude de taberna !

Isabel Seixas disse...

Por onde andará a consciência profissional?... Além do respeito interequipa?... SÓ De alguns claro, TALVEZ OS MENCIONADOS OU NÃO...

Porque há médicos que merecem o maior respeito, conheço muitos , felizmente.

Já os enfermeiros que raramente metem atestado a ganhar 3/6 euros à hora com uma formação que lhes exige uma diversidade de conhecimentos desde a determinação de necessidades de suporte básico imediato e avançado de vida até a tomada de decisão em situações de falência orgânica em diversas áreas cientificas sabendo atuar/ intervir com cuidados de enfermagem nas afeções respiratórias , cardiacas, renais cirurgicas,etc, impedidos de ter cansaço físico ou intelectual durante um turno independentemente da intensidade de trabalho e desgaste em situações in extremis nomeadamente as que culminam em morte, proibidos por inerência de dormir e ou repousar se houver doentes em risco, permitindo a qualquer outro profissional que durma na paz dos anjos(nomeadamente os médicos por isso é que a maioria consegue ganhar 24 horas sem parar)que os seus conhecimentos lhe permitem saber o que é urgente emergente ou quando é necessária a intervenção de outro profissional ...
Com uma base de licitação ACADÉMICA de licenciatura ...

É a vida...

Anónimo disse...

Os médicos são pessoas como as outras (aquelas que enchem as urgências) e como tal também adoecem.. principalmente estando constantemente expostos a vários microorganismos nos serviços de urgência e enfermarias!!!

EGR disse...

Senhor Embaixador: claro que o que se passou é absolutamente intoleravel e que o comportamento dos ditos medicos deeverá ser devidamente averiguado.
Mas permita-me que deixe aqui uma nota quanto ao modo como são recrutados,actualmete, médicos para os serviços de urgencia,e não apenas estes, hospitalares.
Ponto um : até há relativamente pouco tempo, as administrações dos hospitais podiam contratar em regime de prestação de serviços,os médicos de que necessitavam para suprir as insufuciencias dos respectivos quadros.
Ponto dois: as admnistrações foram legalmente impedidas de continuar a celebrar, ou renovar esses contratos.
Ponto três: um entidade denominada "Empresa de Serviços Partilhados do Ministerio da Saúde" lançou um concurso para ser elaborada uma lista de "empresas de pretação de serviços médicos" as quais as administrações hospitalares, ficaram legalmente obrigadas a recorrer para suprirem as referidas insuficiencias dos seus quadros de pessoal médico.
Ponto quatro: O CRITÉRIO DE SELECÇÃO DESSAS EMPRESAS PARA INTEGRAREM A TAL LISTA FOI: O DO MAIS BAIXO PREÇO.
Isto é : muitos serviços hospitalares são prestados por verdadeiras empresas de cedencia de trabalho temporario,sem
que, óbviamente, as administrações das instituições,possam ter algum controlo sobre os médicos que elas lá colocam, ou prometem colocar, a trabalhar.
Essas empresas são, as mais das vezes, "empresas de vão de escada" que esmagam as retribuições dos médicos e cujos críterios de seleção dos profissionais ninguem conhece .
E sublinhe-se que essas ditas empresas abrangem todas as especialidades medicas.
Esclareço que não pertenço a nenhuma administração hospitalar, e que se houver alguém interessado posso indicar os Diarios da Republica onde se pode comprovar o que fica dito.
E depois vem o senhor Primeiro Ministro, afirmar com desplante,e com aquele sorriso que o caracteriza,dizer que "este governo salvou o SNS", isto sem esquecer o senhor Ministro da Saúde que gozando da "boa imprensa" passa aparentemente incolume pelo meio disto tudo!

ignatz disse...

bom poste para desviar as atenções do verdadeiro problema do amadora-sintra em particular e da política de saúde em geral, faltam mão-se-obra e medicamentos. ainda não houve corte de energia porque quem ficava mal na fotografia era o credor.