quinta-feira, 23 de julho de 2009

Patten

Ao ver, há dias, a chegada maciça dos novos parlamentares europeus ao hemiciclo de Estrasburgo, veio-me à memória uma cena passada no último dia em que, em nome da presidência portuguesa da União Europeia, em Dezembro de 2000, aí estive presente.

Como era de regra, um membro do governo do país que detinha a presidência respondia, na bancada do Conselho, às perguntas dos deputados. Um dia falarei de aspectos desse ritual, que tem muito de teatral, a somar-se a algo de criativo.

Para o que aqui hoje interessa, importa recordar que, na bancada em frente, estava o Comissário Europeu encarregado das Relações Externas, Chris Patten. Patten é uma figura simpática, serena, um homem de bem que se portou com grande dignidade quando teve de gerir a difícil transição de Hong Kong, das mãos britânicas para a China. Antigo ministro da senhora Thatcher, é um europeísta convicto, embora "à inglesa". Escreveu, sobre a sua experiência europeia, um livro que recomendo, intitulado significativamente "Not Quite the Diplomat". É, além disso, um homem que olha para a vida com humor, que sabe dar uma boa gargalhada e que atribuiu aos seus cães dois nomes significativos: "Whisky" e "Soda".

A presidência portuguesa havia sempre podido contar com Chris Patten como um aliado fiel dentro da Comissão. Jaime Gama e eu próprio havíamos conseguido, não sem alguns "truques", equilibrar os papéis relativos, com inegáveis "zonas cinzentas" e potencialmente conflituais, de Patten e de Javier Solana. A contento médio dos dois, julgo eu.

Nessa tarde, a última em que eu tinha de dirigir-me ao plenário em nome da presidência, recordo o meu grande cansaço, que se terá revelado na impaciência e eventual rispidez de algumas das minhas respostas, nas mais de duas horas desse interminável e muitas vezes inglório exercício. Patten tê-lo-á notado e, num determinado momento, pelas mãos de uns dos fâmulos vestidos de pinguim, que contrastam vivamente com a modernidade do areópago, chegou-me um bilhete, que guardei: "Coragem, Francisco. Falta pouco! Daqui a semanas, andarás pela 5ª avenida a respirar o ar do Novo Mundo. Entretanto, este teu amigo terá de ficar por aqui mais uns anos. Lembra-te dele! Amigavelmente, Chris".

Patten referia-se à minha saída do governo e ida para embaixador junto das Nações Unidas, em Nova Iorque. Nenhum de nós sabia que eu acabaria por ficar por lá, como embaixador, ainda menos tempo do que o que a ele lhe restava como Comissário Europeu. Como alguém dizia, é a vida!

3 comentários:

Gil disse...

E os seus passos, sr. Embaixador, não se terão cruzado com os de Patten antes disso, porvolta de meados dos anos 80, durante uma longa e "atormentada" negociação da Convenção de Lomé IV?
Era o dito Patten Minister for Overseas Development...

Helena Sacadura Cabral disse...

Ou, como eu costumo dizer, "ele há vidas melhores do que outras"!:))

Helena Sacadura Cabral

Fernando Correia de Oliveira disse...

Acompanhei especialmente de perto o consulado Patten em Hong Kong. Ele sempre esteve do lado das forças democráticas e reformistas do território, até à transferência de poderes, para grande irritação das autoridades em Beijing (que o ofendiam diariamente e chegaram a "cortar relações" com ele).
Numa espécie de história de polícia mau, polícia bom, as autoridades em Beijing não perdiam oportunidade de realçar o contraste que estava a ser o processo de transição de Hong Kong, comparado com Macau.
Indirectamente, isso não abonará muito a favor dos responsáveis portugueses que tiveram a seu cargo o diálogo com Beijing quanto ao futuro de Macau...