sábado, 17 de abril de 2010

Praga

Os comentários críticos sobre a situação económica portuguesa feitos, em público em Praga, pelo presidente da República Checa, Vaclav Klaus, durante a visita do presidente Cavaco Silva àquele país, chocou algumas pessoas. Com efeito, o formalismo e as regras implícítas que regem este tipo de encontros, que existem para consagrar e reforçar quadros de boas relações bilaterais, pareceu, aos olhos desses observadores, menos consentâneo com o que foi dito.

As palavras de Vaclav Klaus tiveram a resposta considerada adequada por parte do chefe de Estado português. A excelência das nossas relações com a República Checa, país cujas ambições europeias Portugal sempre apoiou de forma determinada, está muito para além destes "fait divers", os quais, contudo, também nos ajudam a perceber melhor a diversidade das culturas políticas que se projetam na atual União Europeia.

Ainda a propósito de Praga, uma das mais belas e românticas capitais da Europa, aqui deixo uma fotografia da sua praça de S. Venceslau, um lugar histórico que há anos teimo, por qualquer razão, em achar parecido com a avenida dos Aliados, no Porto. E sobre a figura de Vaclav Klaus e Portugal, talvez possa ser interessante ler o que, em tempos, escrevi aqui.

9 comentários:

Margarida disse...

Quando entrei em Praga a noite impunha-se como breu e apenas o chiar dos eléctricos se fazia ouvir, como se, de repente, os anos fosse de guerra, os tempos de blitz, as expectativas únicas o encontrar de um refúgio. Rapidamente.
Sobre os pedestais sucediam-se tanques evocativos do regime que ainda pairaria por alguns anos.
Já dia, encontrei a Avenida dos Aliados transladada para o meio do medo, com armas em riste a cada esquina, numa atmosfera de opressão que nem os tempos do auge do regime pátrio haviam alguma vez feito sentir.
Enquanto não me vi na Áustria não sosseguei.
Foi-se a opressão, quedou-se o tique irónico sobranceiro da rudeza dos bolcheviques.
Grosseria com elegância se paga.
A essência do algodão entre o brilho ácido dos cristais.
Merecem?

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
Postei sobre o tema no meu blogue. Claro que as relações entre os dois países estão para além do "fait divers".
Mas convenhamos que nada justifica que Klaus, cujo passado convém não esquecer - os passados são sempre esclarecedores sobre os presentes -
foi de uma tremenda grosseria para com Cavaco Silva e para com o país que ele representa.
É questão para dizer que "quem não tem competência, não se estabelece".
Espero que a diplomacia europeia tenha registado o facto que já não é novo relativamente a Portugal!

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anonimo. Julgo que percebera que nao posso e porque nao posso publicar o seu comentario que fala da cancao do Jorge Palma.

Anónimo disse...

Compreendo perfeitamente e pode crer senhor Embaixador que não há qualquer problema e que continuarei a visitar com prazer o seu blogue. Cumprimentos.

Anónimo disse...

Ainda eu, o Anónimo: tratou-se apenas de um desabafo emocional.

Santiago Macias disse...

A frontalidade não é coisa que me incomode. Mas devo dizer que me irritou o tom sobranceiro e arrogante de Vaclav Klaus. Estava a ouvi-lo e a "ler-lhe" o pensamento: "pois é, vocês são assim, nesses países indisciplinados e atrasados do sul".
A realidade já é outra, mas a caricatura do mediterrânico preguiçoso e de raciocínio lento ainda faz escola, em muitos Klaus por essa Europa fora.

dani disse...

Pois é sr. embaixador por que será que muitos checos fogem lá do país do sr. Klaus e veém cá para o nosso será por causa do défice?

Helena Oneto disse...

Adorei Praga de Vaclav Havel. Para amar!

Diz um ditado popular que não há duas sem três. Espero que Portugal não dê a V. Klaus outra oportunidade de ser criticado (em público) da forma como foi.

Anónimo disse...

É a técnica de surpreender com Pseudoemboscadas...
Que novidade nos deu!
Por cá dizemos que só fala quem tem que se lhe diga...
Ou se cada um olhar para si ninguém faz pouco...
Ou ainda só fala de orelhas...

Mas que é Praga é...

Agora a não ser que me candidate, vou seguir o conselho de Craig Doyle no seu Best Seller viagens onde ir e quando"Se Quer" (Só paga o livro, eventualmente deixo consultá-lo só cá em casa)

" Não visite Praga no fim de semana fica cheia de bêbados e muitas vezes de homens grosseiros de outros países(Só?)"Craig Doyle

Hoje é segunda feira...
Isabel Seixas

PS Se o SR. Presidente da próxima remotamente queira que vá eu prometo também não me deixar abater, oh, já sei vou mas é trabalhar