terça-feira, 11 de novembro de 2014

Caseirinho

Hoje é dia de S. Martinho e - deve ser da idade! - ando dado à observância de algumas tradições mais agradáveis. Vou, por isso, beber uma jeropiga a acompanhar as castanhas, mesmo sabendo que isso pode afetar o efeito do antibiótico com que combato um princípio de gripe. Quem me mandou a mim não tomar a vacina e pôr-me para aqui no blogue a saudar o regresso do frio e da chuva...

Esta possível ligação negativa entre o álcool e os antibióticos traz-me à memória uma historieta antiga, testemunhada por uma pessoa amiga, numa farmácia de Vila Real. Um episódio bem popular na tradição oral da minha família.

Ao balcão, uma senhora idosa, de aldeia, era instruída sobre os medicamentos que acabara de "aviar", receitados pelo médico. O empregado, pacientemente, ia dando indicações sobre as horas e as doses. Explicou, a certo passo, que, enquanto um determinado medicamento, um antibiótico, estivesse a ser tomado, não deveria ser consumido álcool. Este imperativo causou algum alarme na senhora, cujos hábitos seriam desta forma radicalmente alterados: 

- Mas nem um copito de vinho? Para acompanhar "o comer"?...", inquiriu a senhora.

O empregado da farmácia, experiente, ciente de que o rigor na observância do receituário em condições ótimas estaria sempre posto em causa, ensaiou um compromisso sábio:

- E o vinho, é caseirinho? 

A senhora confirmou ser "a pinga" de produção caseira. Isso "sossegou" o vendedor:

- Ah! Se é caseirinho, então pode beber. Mas não muito...

A minha jeropiga é do Pingo Doce. É caseirinha...

12 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

• Não sabendo o que é "jeropiga", fui ver ... ! Mas é preciso muita paciência para fazer "jeropiga"! 4 meses! Mais que tempo para passar a gripe! A primeira "receita" que li, até parece sair dum laboratório de terroristas :

• 15 Lts de vinho mosto
• 5 Lts de aguardente bagaceira com 21º
• Barril de madeira de castanho de 20 Litros
A pólvora também se "condiciona" em barril de madeira!!!

Com a neve cobrindo os picos do maciço de Chartreuse, creio que é o bom remédio para os dias que já cá temos, nos Alpes! Mesmo se o sol brilhava hoje de manhã nos Champs Elysées, onde fui assistir à celebração do 11 Novembro , com François Hollande.

patricio branco disse...

simpatico boticario ou farmaceutico...

Anónimo disse...

Os antibióticos ajudam a combater bactérias, mas são ineficazes perante os vírus. Se o sr. Embaixador está realmente com gripe, que é viral, a toma de antibióticos não lhe traz nenhum benefício, pelo contrário só vai ajudar algumas bactérias existentes no seu organismo a tornarem-se resistentes aos antibióticos que toma, com previsíveis más consequências para a sua saúde no futuro. O mais provável é Vª. Ex.ª estar simplesmente constipado, vulgo, erroneamente, "engripado", e para isso o melhor remédio é o bem nosso "abife-se, avinhe-se e abafe-se", porque nas farmácias não existem medicamentos para curar a constipação, nenhum, nem um mesmo, unzinho que fosse, mas simplesmente para ajudar a aliviar os sintomas.

Anónimo disse...

Senhor Embaixador, faltou a declaração de interesses

Anónimo disse...

O Barreto andou em cartazes anunciando os vinhos do supermercado holandês.

Faz parte dos contratos?

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 21.45: já me falaram dessa publicidade, que, por acas, não cheguei a ver. Mas acho perfeitamente normal que as pessoas, se a isso estiverm disponíveis, façam parte de campanhas publicitárias. Cada um sabe de si e não entendo por que é que um cantor ou um ator pode entrar num filme publicitário e, por exemplo, um professor não pode fazê-lo. Há alguma hierarquia que legitima a uns o que considera menos normal que outros façam?

Helena Sacadura Cabral disse...

Ai! Francisco o que me ri com a reacção provocada pelo António Barreto a sorrir-nos no Pingo Doce, a promover o vinho do patrão. E a dar-nos, também, a Por Data que tanta jeito nos faz, para nos conhecermos melhor...
Mas o Anónimo das 18:12 tem razão. Tome só Ben-Uron e abife-se. Não abuse das castanhas, muito calóricas, para não perder a linha!

Guilherme Sanches disse...

Senhor doutor anónimo das 18:12:
Tem toda a razão - nas farmácias não há a bem dizer nadinha para nada.
É um facto que o antibiótico não afeta os vírus, mas provavelmente já ouviu falar de reforço das defesas do organismo e do sistema imunitário, que não é feito pelos antibióticos, naturalmente.
Ou só escuta e aceita os sábios conselhos farmacêuticos do dr Herman José ou da dra Teresa Guilherme, a aconselhar calcitrin ou mangustão+ no intervalo do talho dos segredos?
Se calhar...
As melhoras, Sr Embaixador

Anónimo disse...

Tenho um Cliente que quando sente os primeiros sintomas de gripe toma logo "sopas de cavalo cançado". Se quiser a receita envio-lha. É muito facil de fazer e não tem direitos de autor.:)As melhoras,
Bjnhs,
VW

Anónimo disse...

Não há nada que chegue às coisas "caseiras"!...

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 14.18: É verdade. Não há como esse lugar para encontrar as coisas boas e doces, por muito que se procure por todo o continente. E ilhas.

Anónimo disse...

Há uma hieraquia, sim. Há uma ética e uma deontologia estilhaçada, como acho que compreende bem.

Quem dá a cara para legitimar cientificamente textos (mesmo que aquilo não passe de um think thank em modo rolo compressor neo-liberal - daria vontade de riri se não fosse trágico ter JMFernandes a falar de jornalismo ou Vítor Bento falando de moral e economia), ao dar a cara pelo vinho é visto também como dando o seu aval científica a um produto.

É como jornalistas a fazer publicidade, ou médicos sugerindo medicamentos num anúncio.

Um actor ou um músico (embora considere que deve haver limites: Sean Connery recusou ser rosto publictário da Apple por questões éticas) sempre tem a desculpa da sua persona ser um mimetismo do real onde em cada instante são um outro.

Gostava que gente que anonimamente considero (não é o caso de Barreto) pensasse antes de destruir um perfil correcto.