sábado, 22 de novembro de 2014

As contradições do desejo

Desejo sinceramente que José Sócrates possa demonstrar que está inocente e que as acusações que sobre ele impendem não tenham solidez.

Desejo sinceramente que a Justiça portuguesa, para que os cidadãos nela possam confiar, tenha detido José Sócrates com base num processo consistente e incontroverso.

21 comentários:

Manuel Silva disse...

Caro Senhor Embaixador:
O senhor é um homem de fé (não no sentido estritamente religioso).
Com a Justiça ingénua(?), cega (não no sentido de isenta, igual para todos) e paraplégica que temos, acreditar que as coisas se irão passar como o senhor deseja é o quê?
Ingenuidade ou a tal fé que referi??
Os corruptos alemães dos submarinos (portugueses) foram condenados na Alemanha; e os dos submarinos (gregos) foram condenados na Grécia.
E entre nós?
Com a promiscuidade entre a política e a Justiça, circula-se de juiz para magistrado do MP e para deputados, ministro, etc. espera-se o quê?

Anónimo disse...

Uma detenção na véspera de fim-de-semana destina-se a impedir que Sócrates possa fazer o seu comentário na televisão domingo à noite. Prova disto é que as medidas de coacção só serão conhecidas na segunda-feira à tarde.
Alguém poderá confiar na magistratura quando até hoje nada se sabe do que se passou no caso Casa Pia?
Era bom que os arguidos dos vistos gold se explicassem em público. Eu continuo convencido que a facilitação de procedimentos correspondeu a instruções do poder político e a uma política oficial do Estado.
O caso José Sócrates será apenas mais um pretexto para os portugueses manifestarem o seu espírito levantino e o apetite pela retorsão.
M
Nas redes sociais tomei conhecimento através de um conhecido diplomata que nós tempos de José Sócrates ficou retido três anos em casa por uso indevido de receitas consulares.
Os média apenas andam ao serviço de paixões e de emoções.

Anónimo disse...

É isso mesmo sr Embaixador - deixemos a justiça funcionar - eu continuo a ser um defensor do MELHOR 1º ministro depois da "Abrilada".

A justiça - é um capital que o cidadão deve incentivar e prezervar



Zé da Adega

Anónimo disse...

Eu desejo sinceramente que a justiça funcione e que seja detido com pena efectiva de prisão por corrupção e outros crimes vários.

Escrever que se acredita na inocência de José Sócrates, para alguém que se movimenta na área política, é no minímo desonestidade intelectual.

Esperava mais!

Anónimo disse...

Com todo o respeito pelo seu desejo, Sr. Embaixador, o meu é em sentido contrário: que a justiça esteja redondamente enganada, para bem de José Sócrates, do PS (que teria finalmente um bom candidato para apoiar a PR) e também do País, que teria oportunidade e razão para "varrer" tal sistema de justiça que nos vai oferecendo estes espectáculos indecorosos de circos mediáticos com clientes privilegiados (SIC).

margarida disse...

Quando os amigos nos desiludem os outros desapontamentos tornam-se quase insignificantes.

Nuvorila disse...

A obra feita por Sócrates não piorará com a prisão do autor. Já as aspirações políticas do Coelho têm muito a temer com a liberdade deste.

rmg disse...


O comentador M das 12.51 tem uma teoria curiosa.

Diz ele que "a facilitação de procedimentos correspondeu a instruções do poder político e a uma política oficial do Estado".

Portanto admitamos de boa vontade que sim e não serei eu que vou jurar o contrário pois não o sei.

Mas o que está em causa não é o facto de alguns "facilitadores" terem metido dinheiro ao bolso?

"Os média apenas andam ao serviço de paixões e de emoções", claro.
Tal como os leitores que os sustentam...

RuiMG

Anónimo disse...

Socrates inocente, será tão provável como o Sr. Embaixador acreditar nas aparições de Fátima !

Anónimo disse...

Meu muito caro embaixador,
Sobre a Justica e os magistrados portugueses estavamos ainda ha poucos dias muito indignados com os nossos amigos timorenses por nao reconhecerem a excelencia dos nossos dignissimos profissionais da Justica.
Como e que lhe poderemos vender este produto? Se calhar expulsa-los nao foi assim tao ma ideia...

Isabel Seixas disse...

É... Paradoxal, mas confesso sinceramente sinto o mesmo.

Aguardemos então que se faça justiça.

São disse...

Subscrevo tudo quanto escreveu.

No entanto, parece-me um pouco estranha a detenção de Sócrates no preciso momento em que rebentou o escândalo dos Vistos Gold assim como a presença de televisões na Portela.

Espero que Justiça funcione correctamente neste caso , mas também no caso do BpN, Tecnoforma, submarinos e afins...

Bom fim de semana.

Anónimo disse...

Espero que a justiça se tenha equivocado. A confirmar-se que Sócrates comprou a sua habitação em Paris por 3 milhões e que os obteve indevidamente isto é o fim do actual sistema democrático e a imagem de Portugal fica ao nível da do Zaire no tempo de Mobutu.

Anónimo disse...

Tudo isto que se tem passado em Portugal de há uns meses a esta parte, para um não-politizado como eu, faz muita confusão.
No último número da revista "Sciences Humaines" vem um artigo interessante sobre saber reflectir para resistir a si próprio. Ou seja observar-se o que se passa, esquecendo as suas ideias, de uma forma lógica e sem preconceitos.
Como de costume peço desculpa por este meu feitío.

Anónimo disse...

Mas o que escreve é uma contradição! Uma no cravo, outra na ferradura, é?...

Anónimo disse...

Deixou o País de pantanas, para Passos o continuar a deixar.

Não me esquecerei de uma frase dele, qualquer coisa do género: "As dívidas dos Países não são para se pagar. São para gerir eternamente". E ainda disse que era assim que tinha aprendido. Aprendeu com certeza em engenharia e não em economia.

À custa dele estamos como estamos.

EGR disse...

Senhor Embaixador a questão está exactamente contida na frase: que a Justiça portuguesa para que os cidadãos nela possam confiar..."
Na verdade,ou houve indicios consitentes para se fazer o que foi feito, ou se vier a verificar-se que não existiram,a tal confiança terá um abalo de consequencias imprevisiveis.
Partilho as contrdições do seu desejo.

Anónimo disse...

A 'velha senhora' também tem opinião:

contradiz contradições,
meu querido embaixador,
acredita acusações,
e opta, creio, plo pior:

quer o preso a demonstrar
que, de facto, é inocente
e a justiça a condenar
em processo consistente!

se o processo é, por azar,
controverso e inconsistente,
quem irá mais confiar
na justiça desta gente?

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

"Então foi assim: O Sócrates teria, através do seu grande amigo Carlos Santos Silva, aberto conta na Suiça (UBS) onde iam sendo depositadas grossas verbas que ultrapassaram os 20 Milhões. Sócrates fez sair uma lei para perdoar regressos de capitais com perdão fiscal, e o cacau veio limpinho para Portugal. Da nova conta, Santos Silva teria retirado mensalmente €10.000 em cash, que teriam ido para as maozinhas do Sócrates em Paris. Mais tarde, teriam entrado facturas duma certa farmaceutica, pelo que receberia €12.000 por mês da tal conta, Por seu lado, a farmaceutica austríaca contratava Sócrates e pagava-lhe €12.000 por mês... Topaste? Lavadinho e espertinho... até que uma despesa de vaidade, e dessa mesma conta, Socrates teria comprado por essa conta 10.000 exemplares do seu próprio livro esgotando a edição. E o gato ficou escondido com o rabo de fora..."

Albino M. disse...

No recato destes comentários, muito menos exposto que as alfurjas do FB, só por isso, tomo a liberdade de observar o seguinte:
- de acordo com a lei, JS, como qualquer arguido em p.penal, não tem, não precisa, não está sujeito a demonstrar coisa nenhuma;
- nem sequer é obrigado a falar e/ou a, por esse meio ou por outro, fazer prova por ou contra si.
Isto é muito importante, pertence ao mais básico e fundamental das garantias individuais e do Estado de Direito.
E não deve ser esquecido nunca...

Anónimo disse...

Ao José Thomaz - pensava que eras um Monárquico e falasses do 1º de Dezembro que alguém retirou da nossa memória colectiva - enfim - quanto livros é uma grossa mentira como se prova

D. Manuel I