domingo, 29 de setembro de 2013

Por um voto

"Por um voto se ganha, por um voto se perde", costuma dizer-se na vida democrática. Às vezes, é assim mesmo.

O meu pai costumava lembrar que, numas das primeiras eleições autárquicas, lá por Vila Real, a minha mãe, por uma qualquer razão momentânea, decidira não ir votar, não obstante ambos terem uma declarada preferência por um candidato à presidência da Junta de Freguesia da sua residência. Esse candidato perdeu... por um voto!

Vote!

Em tempo: o PS ganhou por um voto em Mogadouro! Eu não dizia?!

14 comentários:

Anónimo disse...

Se a Mãe do Senhor Embaixador tivesse votado, os dois candidatos teriam ficado empatados. Como diria Lenin, que fazer?

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 13.20: ia-se então a prolongamento, penáltis ou moeda ao ar...

Anónimo disse...

O que realmente interessa (depois de ter votado por exclusão de óbvias partes):

João Sousa tornou-se hoje no primeiro tenista português a conquistar um troféu do circuito ATP. Venceu o torneio de Kuala Lumpur, ao bater na final Julien Benneteau, 5º cabeça de série.
O número um luso e 77º da hierarquia mundial deu a volta ao encontro com o francês, 33º, e venceu por 2-6, 7-5, 6-4, ao fim 2:18 horas, com Benneteau a somar a nona derrota em outras tantas finais no circuito principal.

Alexandre

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Excelentes progenitores de um excelente filho da Mãe e do Pai.

Vou votar em seguida. Votem todos - e bem. Bom domingo.

Helena Oneto disse...

Um voto é um voto. Votar é um direito e um dever em democracia. Quem não quer votar em nenhum dos candidatos (partidos), vote em branco, mas não se abstenha. "Quem não vota, não tem autoridade para contestar": mot pour mot, foi a única frase audível, desde sempre, do PR, hoje, ao sair das urnas.

Anónimo disse...

O dia não está convidativo, mas o dever cívico fala mais alto e daqui a pouco lá vou até à assembleia de voto... Apenas porque é um direito que custou a conquistar e não porque a malta da política portuguesa mereça!

Isabel BP

Anónimo disse...

Já Carlos Gardel dizia: "por una cabeza"...

https://www.youtube.com/watch?v=8dStp5hq294

Anónimo disse...

Já Carlos Gardel dizia: "por una cabeza"...

https://www.youtube.com/watch?v=8dStp5hq294

Anónimo disse...

Ora bem, um desafio de futebol na televisão em dia de eleições contribuiria sem dúvida para um relativo aumento da abstenção. O que não sabia é que o tenis já tinha atingido a importancia de tão elevada honra que hoje se expressou...
Entrevistado para comentar as autárquicas ao saír do escrutinio, neste jornal da tarde, o Sr Presidente da República deu o mesmo destaque à vitória do ténis que um português acabava de ganhar que ao momento politico que o país vive. Era muito importante, ali e agora, num momento politico daquela importancia, equilibrar com o desporto !
José Barros

Anónimo disse...

Foi esse voto a mais ou a menos que hoje me fez sair de casa para ir votar na secção de voto instalada na antiga escola industrial e comercial da Bila.
Agora sinto-me comovido por o meu voto ter, finalmente, valido a pena.

Manuel Leonardo disse...

Eu por motivos varios nao pode ir votar a Portugal mas estive esperando pelos resultados comendo uns percebes apanhados por mim na costa da Ilha de Vancouver em Tofino B.C. Canada . Agora contento-me com os percebos do sol pois aos graudos nao posso la chegar.
Entao Amigo Henrique Antunes Ferreira nao queria mais uma vez estar comigo saboreando aquele nosso marisco ? Cumprimentos a todos e boa digestao de votos .
Sempre ate um Dia !!!
Manuel Joaquim Leonardo
Peniche Vancouver Canada
fielamigodepeniche.blogspot.com

Anónimo disse...

Vila Real:

"Sic transit Gloria Mundi"

Antonio pa

Anónimo disse...

Eu vim a Lisboa votar, mas o Senhor Embaixador mais uma vez nao me abriu a porta, alegando compromissos familiares que sao sempre valores seguros, e o Senhor Alcipe muito menos, que passou a noite a comer peixe recheado a goesa com uma amiga brâmane de Margao e nem seguiu com atenção a explicação do Professor Marcelo. Ingratos! A Senhora Engenheira telefonou-me la do Golungo a dizer-me "Feliciano, we'll always have Braga" e eu senti que a minha terra era o Golungo, nao este pais ingrato que nao sabe premiar quem se sacrifica.

a) Feliciano da Mata, homem responsável

Anónimo disse...

O PS venceu em Mogadouro por 10 votos.