sexta-feira, 28 de julho de 2017

Brincar com o fogo


A polémica em torno dos ciganos de Loures e o debate a propósito dos incêndios fez emergir um país político estranho. Pode parecer menos evidente a associação dos dois temas, mas têm algo de comum. 

Todos sabemos existir um problema antigo com a integração da comunidade cigana em Portugal. O assunto sempre foi tratado com “pinças”, ao longo dos anos, pela consciência de que envolvia um número de pessoas bastante limitado, de que se tratava de uma cultura maioritariamente ligada a setores sociais desfavorecidos e de que os mecanismos do Estado, embora com uma eficácia aquém do desejável, pareciam ir lidando com o problema de forma paulatina. Era consensual que conferir uma excessiva relevância ao tema, em especial trazendo-o para a arena política, poderia desencadear fáceis pulsões populistas, com impactos que extravasariam a sua própria circunstância. Tal como aconteceu. 

O modo como um candidato autárquico, sedento de protagonismo e sem visíveis escrúpulos, explorou o caso, na certeza de poder recolher prosélitos votantes por seu intermédio, não espantou, porquanto a irresponsabilidade é apanágio dos oportunistas e dos demagogos. O que surpreendeu neste processo foi o facto do partido que recrutou o candidato não o ter “enquadrado” de imediato após o incidente, retirando-lhe a indigitação ou obrigando-o a uma retratação completa.

O PSD não é um partido qualquer na sociedade portuguesa. É um dos eixos centrais do regime e, com o PS, integra um compromisso implícito de gerar condições de governabilidade para o país, muito para além dos ciclos em que ocupa o poder central. Porquê? Porque é também um grande partido autárquico, que ocupa em permanência uma fatia de poder local da maior importância. O PSD tem fortes responsabilidades políticas e uma história de luta pelo sistema democrático, no âmbito do pacto em que se baseia o modelo constitucional, para defesa da ética cívica em que assenta o próprio regime. Quando, há uns anos, vimos um seu líder sacrificar um candidato autárquico, antecipadamente vitorioso, por suspeitas de envolvimento em desqualificantes delitos, o país decente não deixou de ter um sentimento de admiração pelo caráter nobre do gesto então praticado.

A luta contra a discriminação e a exclusão social é uma das matrizes do nosso regime. A criação de um “firewall” ao discurso social estigmatizante e às pulsões populistas, racistas ou xenófobas, integra um compromisso implícito que tem federado as forças com representação parlamentar. Foram mais de quatro décadas de entendimento, com vista a gerar um clima de decência cívica. Por isso, devo dizer que, como cidadão, me choca assistir a esta deriva estranha que, nos dias de hoje, atravessa o PSD, que sei também preocupar muitos dos seus simpatizantes, que se não sentem confortáveis com este tipo de opções.

E, de Loures, chegámos aos fogos. Começo pelo mais simples. Estou longe de considerar exemplar a atuação do governo neste contexto. Há coisas que falharam e continuam a falhar e muito mais tem de ser feito. O Estado tem de projetar confiança, os cidadãos têm de ter a certeza de que estão em boas mãos. 

Mas um tema desta gravidade justifica alguma “gravitas” no seu tratamento. Na sequência do incêndio de Pedrógão, o líder do PSD começou por ter uma atitude de Estado, dando prioridade ao combate à catástrofe e propondo, com racionalidade, uma comissão independente para avaliar serenamente o assunto. Mas essa serenidade durou muito pouco: logo surgiram uns “suicidas” que afinal não existiram e, nos últimos dias, o partido desembestou numa campanha sobre o “mistério” do número de mortos, colando-se às mais fantasiosas hipóteses, como se acaso acreditasse que havia algum misterioso interesse da parte do governo em esconder a existência mais uma ou duas vítimas, como se isso alterasse significativamente a esmagadora dimensão da tragédia. Por isso, como português, lamento sinceramente ver um partido central da nossa democracia a brincar com o fogo.

4 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

O homem não pode viver sem fogo, e não se ateia fogo sem queimar qualquer coisa. Certos homens políticos, por falta de chama própria, ateiam fogos irresponsáveis.

Carlos Diniz disse...

Senhor embaixador

Procurei e não encontrei qualquer reação sua sobre estas declarações:
http://expresso.sapo.pt/politica/2017-07-19-Quando-o-autarca-socialista-de-Loures-se-queixava-dos-ciganos

Ah, claro, este autarca é do PS, está explicado o seu silêncio.

Mas, claro, assumo não ter feito uma pesquisa acertada, pelo que lhe rogo que aqui coloque o link, ou links, da sua indignação.

Anónimo disse...

O fogo é azar. Temos 10 milhões de especialistas em fogos e proteção civil e logo por azar nenhum trabalho nem nos bombeiros nem na proteção civil!

Anónimo disse...

È pena que o senhor embaixador, que normalmente é objetivo e dá prazer ler, quando o assunto envolve partidos políticos não seja capaz de despir a camisola. Lá se vai o interesse. Não há pachorra para ler articulistas sectários.