sexta-feira, 10 de junho de 2016

Vim a pé!

Fiquei gelado, quando ouvi a frase: "Vim a pé!".

Era uma noite de inícios de 2009, em Montfermeil, uma cidade na periferia de Paris, onde há hoje fortes tensões étnicas e em que vive uma significativa comunidade portuguesa, felizmente alheia a essa triste realidade. Vínhamos a sair da "mairie" em direção a um pavilhão gimnodesportivo, onde iria ter lugar uma recolha de fundos para um ação social, organizada por um cidadão português, que eu tinha decidido apoiar com a minha presença.

No trajeto entre os dois espaços, ia casualmente acompanhado de um simpático casal português, já idoso. Como muitas vezes acontece neste tipo de circunstâncias, perguntei-lhes de onde eram e há quanto tempo estavam em França. O marido disse-me ser da Beira, creio que de Sabugal, e que tinha chegado a França em 1967. Comentei a coincidência desse ser precisamente o ano da minha primeira deslocação a este país. Lembrava-me bem que saíra de Lisboa, da "rotunda do relógio", à boleia, no final de julho, chegando a Paris no dia 4 de agosto.

"E o meu amigo como veio?, perguntei.

"A pé. Vim a pé", respondeu-me, com grande serenidade, sem qualquer dramatismo.

"A pé? Desde Portugal? Não apanhou nenhuma boleia? Não fez parte do caminho de comboio ou de autocarro?

"Não, vim a pé, todo o caminho, da minha terra até Champigny, com uns amigos. Demorei algumas semanas a chegar", adiantando-me um número de dias que não fixei, mas que era impressionante. Explicou-me então que dormiam nas bermas das estradas e que cantavam, para se animarem. "Rebentavam-nos os pés, mas tinha de ser", explicou, com um sorriso de total naturalidade.

Intimamente, sem o deixar transparecer, eu estava chocado. Tinha ouvido falar muito das trágicas condições em que os portugueses saíam do país nesses anos 60 e 70, das passagem da fronteira "a salto", dos "passadores", da exploração de que eram objeto por parte de outros seus compatriotas, das condições quase infra-humanas do seu transporte para França e Alemanha, mas - imperdoável desconhecimento meu! - nunca ouvira dizer que alguns haviam palmilhado todo o caminho em direção a um futuro em que colocavam toda a esperança.

(Texto que há quase cinco anos publiquei neste blogue, ao tempo em que era embaixador em França, e que hoje aqui recordo em homenagem aos nossos compatriotas naquele país)

2 comentários:

Isabel Seixas disse...

Grandes HERÓIS ESSES SENHORES e ostentam a humildade em vez daquelas medalhas...Enfim Sr. embaixador apesar da penosidade do seu trabalho ainda lhe foram conferidos alguns momentos da glória de conhecer boas pessoas...

Reaça disse...

A pé de Vilar Formoso e Almeida a Paris não é mais do que de Paris a Lisboa.
Os franceses de Junot já tinham feito ida e volta, só os oficiais é que foi a cavalo.
Mas falando desta geração mais preparada, de hoje, pode andar para aí um equívoco enorme.
Vamos ver se os doutores de hoje, filhos dos pedreiros daqueles anos 60/70,
também vão dar bons pedreiros, ou se saem à mãe de aluguer, em vez de sairem ao avô.
A melhor geração é aquela que melhor prepara o futuro dos filhos.