sábado, 29 de novembro de 2014

O governador civil (3)

Estava-se em julho de 1969. Havia sido convidado pelo meu tio, Humberto Cardoso de Carvalho, para o acompanhar num passeio turístico com a família pelo sul de França. Colocava-se, porém, um obstáculo: eu estava em "idade militar", pelo que havia uma certa dificuldade em ser-me concedido um passaporte, necessitando de uma credibilitação prévia. Como o meu tio conhecia bem o governador civil, Torcato de Magalhães, fomos ambos por ele recebidos e o assunto resolveu-se, sem grandes dificuldades.

Fez-se a viagem. Passados dois meses, o país entrava em ebulição política com a preparação das primeiras "eleições" legislativas (à época, o regime não admitia outras e mesmo estas mereciam fortes aspas) da era Marcelo Caetano. Salazar caíra da cadeira em agosto do ano anterior, Caetano herdara-lhe o lugar, menos de dois meses depois. Durante as férias, o meu tio, que havia sido seduzido pela "abertura" política que então se anunciava aos quatro ventos, tinha-me dito que aceitara liderar a lista "marcelista" de deputados pelo distrito.

As hostes oposicionistas locais, pelo seu lado, não estavam paradas. Congregadas em torno da Comissão Democrática Eleitoral (CDE), pediram uma audiência ao governador civil para lhe fazerem a entrega formal da sua lista dos candidatos a deputados pelo distrito. Solene mas cordial, Torcato de Magalhães recebeu uma manhã três responsáveis oposicionistas: Otílio de Figueiredo, Délio Machado e... eu. Ao ver-me entrar, senti que os seus olhos se arregalaram um pouco. Então aquele miúdo (eu tinha 21 anos) que, dois meses antes, lhe fora apresentado pelo agora líder politico local do regime, integrava o núcleo duro dos próceres do "reviralho"?

Acabada a cena, Torcato de Magalhães telefonou de imediato ao meu tio que, com toda a naturalidade, lhe respondeu que já sabia da minha opção e que "o rapaz tem todo o direito de ter as suas ideias". O governador civil deve ter ficado um pouco confundido. 

1 comentário:

Isabel Seixas disse...

Pois Sr. embaixador o sr. efetivamente também se enquadrava bem no perfil de governador civil, refiro-
-me pós 25 de Abril, Claro.