quinta-feira, 20 de novembro de 2014

O escândalo "Michelin"

Toda a imprensa se apressou a comemorar o facto do "Guide Michelin" ter selecionado, pela primeira vez, 14 restaurantes portugueses, como dignos de usufruírem as suas badaladas estrelas.

Com "duas estrelas" continuam dois restaurantes do Algarve - "Ocean" e "Vila Joya" - e passa agora a integrar o grupo o lisboeta "Belcanto", de José Avilez.

Com uma estrela continuam figuram 11 restaurantes: "Casa da Calçada" (Amarante), "Eleven" (Lisboa), "Feitoria" (Lisboa), "Fortaleza do Guincho" (Cascais),  "Henrique Leis" (Almancil), "Il Gallo d'Oro" (Madeira), "L'And Vineyards" (Montemor-o-Novo), "São Gabriel" que recupera estrela perdida (Algarve), "Willie's" (Algarve), "Yeatman" (Gaia) e, este ano, o "Pedro Lemos" (Porto).

Conhecendo quase todos, acho que é um ato mínimo de justiça e um reconhecimento mais do que adequado à crescente qualidade dos chefes que operam no nosso país. Mas esse reconhecimento fica à porta do que seria devido.

Há um escândalo - e meço a palavra - que urge notar e que as autoridades turísticas portuguesas deveriam empenhar-se em denunciar: nenhum dos inspetores que o "Guide Michelin" enviou aos nossos restaurantes é de nacionalidade portuguesa, sendo que a esmagadora maioria são espanhóis. O "guia dos pneus", com bem o qualifica o grande José Quitério, cuja edição ibérica é sempre - repito, sempre - lançada numa cidade espanhola, continua a seguir esta inaceitável discriminação, que desprotege a cozinha portuguesa e a deixa "nas mãos" de avaliadores que se regulam por critérios muito próprios e largamente tributária da cultura gastronómica para além do Caia.

Ninguém põe em causa a grande qualidade da restauração espanhola, mas alguém acha normal que Portugal tenha apenas 14 restaurantes "estrelados" (e nenhum com três estrelas) e a Espanha bem mais do que decuplique esse número, com 169 ?! São 8 restaurantes com 3 estrelas, 18 restaurantes com 2 estrelas e 143 com uma estrela. E, no tocante aos "Bib Gourmand" (restaurantes com boa cozinha a preço moderado), justifica-se que haja apenas 33 restaurantes portugueses para 229 (!) espanhóis? Acho inaceitável que, ano após ano, esta situação discriminatória se prolongue, sem uma reação da nossa parte.  

27 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Caro Francisco

Concordo, uma vez mais, com o seu reparo. Por essas e por outras (incluindo a austeridade e a crise) deixei de o comprar.

E ainda se admiram do nosso ditado: De Espanha nem bom vento nem bom casamento a que acrescento nem bom Guia Michelin

Abç

Joaquim de Freitas disse...

Michelin procede neste segmento particular que é a gastronomia, como muitas multinacionais noutros sectores da economia, que quando se estabelecem na península ibérica controlam a totalidade do mercado a partir de Madrid. Quando houver o TGV Madrid-Lisboa será ainda mais acentuado este papel subalterno de Portugal em relação à Espanha. 600 km é mais curto que Paris Nice!

Isto para economizar mas não só. Na realidade consideram Portugal como "apêndice" natural da Espanha, do ponto de vista marketing.

Aliás, quantas vezes escrevi para a TV francesa para assinalar erros de apresentação de mapas da península ibérica, nos quais aparece a Espanha dos Pirenéus até ao Atlântico , com Portugal "escamoteado"!

E outra triste realidade, tudo isso corresponde à imagem de Portugal na Europa, pais pobre, mais conhecido pelos seus jogadores de futebol e o pessoal doméstico e as "concierges" , que pela sua classe política ( e quando há um que sobressai em Bruxelas não é o bom !) e a força da sua economia .

E a "venda" da sua nacionalidade por 500.000 euros a quem quiser , sem controlo da origem do dinheiro, ainda acentua esta triste imagem do nosso pais. Pergunto a mim mesmo o que faria o governo Português se subitamente 5 milhões de Chineses ( uma gota no oceano "chinês) compravam os "vistos" golden para se estabelecerem em Portugal.

Os Portugueses seriam como os Malaios em Singapura!

Anónimo disse...

Caro Embaixador,

Mas quantos mortais podem frequentar um restaurante dessa índole??? Ainda mais em Portugal??? Se calhar mais de metade nem sabe o que é isso??? E para os estrangeiros Portugal ainda fica muito longe para justificar uma viagem.

patricio branco disse...

para mim é tudo muito relativo, um restaurante com 1 ou 2 * não é que me tente particularmente, são caros e as experiências gastronómicas acabam por ser ambíguas, fluídas, por vezes frustrantes de tanto que esperamos.
mas já estamos melhor, mais estrelas, há 20 anos eramos nada quase.
a cozinha espanhola está altamente internacionalizada e cotada e alguns chefes são míticos. no país basco, na catalunha, em madrid, fazem experiências curiosas com os produtos alimentares, sei lá, etc.
como em tudo, é o dinheiro que conta, o poder económico, espanha tem muito mais peso turístico, mais poder de compra, mais população, variedade, etc.
pouco a pouco lá chegaremos, há uns anos não tínhamos nenhuma estrela. alguns queixavam-se que o tavares (o antigo) e o gambrinus (uma arqueologia culinaria) não tivessem a desejada *
curiosos alguns nomes de restaurantes portugueses, o "l'and vineyards" de montemor o novo, o eleven, o yeatman. também o y de joya. ao contrario, casa da calçada parece-me um bom nome.
deviam pôr provadores portugueses e também que eles trabalhassem viajando por espanha a provar e classificar a comida dos restaurantes espanhóis.
restauração espanhola / restauração portuguesa, são muito diferentes, o modo de encarar a restauração, o comer e o beber.
quanto ao lançamento do guia, deviam fazê-lo nos 2 países, é evidente, e não apenas num

Anónimo disse...

Quando a Catalunha se tornar independente (e já nem falo do País Basco), o número logo diminui (e muito!)

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 9.06: "Para os estrangeiros Portugal ainda fica muito longe para justificar uma viagem"? Essa agora! Num dos países que é uma das grandes "surpresas" turísticas! Portugal está na moda.

Joaquim de Freitas disse...

O comentário do Senhor Patrício Branco, que aprovo completamente, permite-me fazer mais um sobre os nomes dos restaurantes, de alguns claro está. Que ideia essa de pôr nomes ingleses como se o pais do "fish and chips" fosse uma referência em culinária !

Anónimo disse...

Caro Embaixador,

"Num dos países que é uma das grandes "surpresas" turísticas! Portugal está na moda."

Madrid, Barcelona, Paris, e milhares de cidades por aí adiante devem receber mais turistas num mês do que Portugal, sim, o nosso País, inteiro num ano.

Joaquim de Freitas disse...

Oh Senhor Embaixador: Quando é que convida os comentadores do seu blogue a uma reunião de confraternização num desses sítios onde se come bem e ...pas cher! Em Lisboa ou no norte! Evidentemente, "chacun" com o seu "visto" Gold e a carta de crédito do mesmo nome!
Seria interessante se todas as tendências que afloram aqui e ali, nos comentários, estivessem presentes! E seria bom para a economia portuguesa!

Anónimo disse...

O anónimo das 10:48, não sabe do que está a falar... quando diz "milhares". Leia jornais, revistas, veja TV... Valha-o Deus!
Nunca teria saído de Portugal!

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Bom Dia Senhor Embaixador

De realçar que o Zé Avillez é o primeiro Chefe Português a ter 2 estrelas Michelin

Anónimo disse...

Há anónimos que deviam ler informação mais fidedigna:

Portugal

http://www.turismodeportugal.pt/Portugu%C3%AAs/ProTurismo/estat%C3%ADsticas/an%C3%A1lisesestat%C3%ADsticas/osresultadosdoturismo/Anexos/2.%C2%BA%20Trim%20e%201.%C2%BA%20Sem%20%202014%20-%20Os%20resultados%20do%20Turismo.pdf


Cidades

http://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade/top-10-cidades-mais-visitadas-do-mundo.html

(Só no top 10 de cidades que mais recebem turistas no Mundo temos 4 na Europa que recebem bem mais turistas que Portugal inteiro e uma delas nem capital é).

Francisco Seixas da Costa disse...

Ao Anónimo das 12.35: é um esforço estatístico desesperado e sem sentido negar o fantástico salto que o turismo português tem dado na última década. A que propósito fazer comparações? Se quiser comparar, compare com o nosso passado !

Pedro Marques Alves disse...

Caros Sr.Francisco Seixas da Costa e Sr.Anónimo

Não podemos escamotear o salto gigantesco que o turismo em Portugal tem dado, fruto de uma promoção muito mais eficaz, aliás o problema de Portugal nunca foram as suas condições naturais, mas sim a inacreditável incompetência na hora de nos promovermos como destino turístico. Isso leva-me à segunda parte da minha ideia: Portugal está subaproveitado no seu potencial, ora vejamos, o nosso património histórico e cultural está praticamente ao abandono e a precisar de restauro urgente (o castelo de Beja, onde ruiu uma parte da sua torre a semana passada, por exemplo). Talvez por isso só o destino "sol e mar" tenha vingado por aqui, algo que sempre me deixou surpreso num País com uma História como a nossa. Só muito recentemente começámos a diversificar a nossa oferta turística, para terminar, tudo isto está ligado com a aparente descriminação do guia Michelin, a questão aqui é só uma: Portugal nunca se soube promover e "vender" como destino de primeira qualidade apesar de termos todas as condições para isso.

Eduardo disse...

Concordo em grande parte com o que diz, especialmente na parte da falta dos provadores portugueses. Avaliarem-nos com base num provador espanhol que trará alguns "vícios" da gastronomia espanhola é, logo à partida, uma avaliação viciada.

Discordo apenas na parte em que compara numericamente o numero de restaurantes num país e outro. Não nos podemos esquecer que a Espanha tem uma área mais de 5 vezes superior à nossa, com um numero de habitantes muito maior também. Acaba por ser natural também a existência bem maior de restaurantes assim como de restaurantes galardoados.

Abraço

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 16.46. Disse bem: 5 vezes mais território e quase 5 vezes mais população. Então como se justificam quase 12 vezes mais restaurantes "étoilés"?

Joaquim de Freitas disse...

Ainda bem que lá fora estão 8°C o que me incita a dar uma volta de vez em quando pelo blogue.

O comentário do Senhor Marques Alves que diz que Portugal não soube até há pouco tempo aproveitar o seu património histórico,é justo.

Há anos atrás, organizei a visita de um grupo de amigos Franceses , que queriam conhecer Portugal em...8 dias. Dentro do tempo que me tinham indicado, apanhamos o primeiro voo de Lyon para Lisboa, alugamos dois carros e já no dia da chegada, começamos por Lisboa e arredores. Depois o clássico passeio até Guimarães, passando pelos monumentos históricos inevitáveis, entre os quais Tomar ( ah a ordem dos Templários !) e a Batalha, onde tivemos a sorte de aproveitar uma descrição histórica do falecido Dr. Hermano Saraiva, que a fazia em Francês para um grupo de amigos gauleses!

A riqueza histórica de Portugal seduziu os meus amigos e alguns disseram-me a mesma coisa: Porque é que Portugal não explora melhor este tesouro?

Em Setembro último, participei com a minha Esposa num cruzeiro à partida de Génova, para Malta, Casablanca, Lisboa , Barcelona e Marselha.

Assim descobri a zona de acostagem de Santa Apolónia , onde o "Poesia" ,de 300 metros, não teve nenhuma dificuldade para acostar. Podia-se ver o movimento que durante 5 horas os 3 500 passageiros geraram na zona do Terreiro do Paço e Rossio, sem contar as excursões à volta de Lisboa. e mesmo a Fátima.

Na partida de Lisboa, há poucas cidades que oferecem o espectáculo histórico que é o nosso , quando se "desce" o majestoso estuário do Tejo! Encontrando-me no topo do navio, descrevi a vários estrangeiros o significado histórico da Torre de Belém e dos Jerónimos ! O quê, foi daqui que Vasco da Gama partiu para a Índia? Foram os Portugueses os primeiros que fizeram essa viagem? (Já em frente ao monumento da descobertas do Infante, as viagens gravadas no solo são impressionantes da epopeia Portuguesa). Os Jerónimos celebram esse feito? Camões , o poeta que celebrou essa épica viagem, e o navegador são hospedes para a eternidade desse mosteiro?

Há tanto para dizer da história deste pequeno pais ! Sim, não o dizemos suficientemente alto e forte. Quando penso que nos Estados Unidos fazemos por vezes centenas de km para visitar um "sitio" histórico que não tem 10% do valor do nosso !

Isabel Guerreiro disse...

bom pelo que sei o guia michelin é espanhol... assim não me faz confusão nenhuma que deêm estrelas e destaque a maior numero de restaurantes espanois.

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Isabel Guerreiro. O Guia Michelin não é espanhol. O guia permanece francês e tem edições nacionais ou regionais muito diversas, da península ibérica ao Japão. E, mesmo que fosse espanhol - o que, repito, não é - é exigível neutralidade e rigor a um trabalho que se pretende profissional.

António Gomes da Costa disse...

Sim pois e coisa e tal, e os espanhois e mais as injustiças do michelin...
Primeiro, a Espanha é um péssimo país contra o qual nos comparamos: eles têm, nas últimas décadas, sido um dos países que reconhecidamente tem contribuído para a inovação e qualidade da restauração a nível mundial. Pouca gente, em todo o mundo, se pode gabar de ter revolucionado a culinária como Ferran Adrià, ou defendido a culinária tradicional como o falecido Santi Santamaria. E como estes há muitos em Espanha.
Mas vejamos o mais fundamental: quando nos últimos dois anos, depois de muitas tentativas para sobreviver e inovar, chefes como Fausto Airoldi e Luís Baena são forçados a emigrar para sobreviver (respectivamente para Macau e para o Reino Unido), talvez o problema não seja só do michelin e dos seus inspectores. Este sim, é o verdadeiro escândalo.

Carlos Falcão disse...

«Portugal esta na moda». A ver vamos!..
A Espanha não tem petróleo, mas tem uma industria turística reconhecida mundialmente que faz data. A partir dos anos que seguiram a morte do General Franco, a industria turística espanhola amadureceu. Os espanhóis tiveram a inteligencia de criar uma marca de referencia: "ESPAÑA, playa y sol". Quando em 1970 comecei a minha vida profissional no turismo, em Paris, já existiam voos diretos para Malaga (Costa del Sol ), Palma ( Baleares ), Las Palmas e Tenerife (Canarias ), a partir de Paris, Londres, Frankfurt, Luxembourg e Bruxelas. Cedo, a industria hoteleira espanhola adaptou-se à "oferta e procura" dos "grupos constituidos" como os Reformados por ex., seguido dos voos charters. Em Portugal, a oferta hoteleira durante varios e longos anos, respondeu unicamente ao mercado dos homens de negocio, viagens individuais "sur mesure".
Hoje, a Espanha recolta o fruto duma aposta stratégica.
C.Falcão

Helena Sacadura Cabral disse...

Não podia estar mais de acordo com o comentário de Joaquim de Freitas!

Anónimo disse...

O Guia Michelin certamente tem muitas falhas e injustiças, mas não é novidade nenhuma que os inspectores sejam espanhóis; para conhecer o ponto de vista e as prácticas da Michelin, esta entrevista de 2007 é esclarecedora:
http://www.dn.pt/inicio/interior.aspx?content_id=989442&page=-1

Sem dúvida deve ser feito um esforço em divulgar eficazmente os produtos e a cozinha portuguesa, mas neste momento é importante comemorar as novas estrelas e a promoção que isso traz a Portugal (de qualquer modo, nos inquéritos de satisfação aos turistas a gastronomia geralmente é referida em 1º lugar)

Portugalredecouvertes disse...


Só para mencionar que muitos espanhóis visitam Portugal e um dos atrativos é culinária portuguesa
Lisboa, Vila Real de Santo António, etc. são constantemente visitadas pelos nossos vizinhos que apreciam os restaurantes;
assim penso que não devemos confundir o povo espanhol e os líderes do marketing que têm as suas conveniências que às vezes temos dificuldade em entender
abraço, bom fim de semana
Angela

Pedro Marques Alves disse...

Sr.Carlos Falcão.

Em relação ao seu comentário do "A ver vamos!" acerca de Portugal estar na moda, digo: espero sinceramente que sim! Espero que esta moda não seja passageira e tenha vindo, não só para ficar, mas também para crescer. Como referiu e bem, o turismo pode ser um dos poucos "petróleos" que restam a Portugal no curto prazo para nos ajudar a sair do buraco em que nos metemos (ou será meteram?). Como já comentei, temos um potencial enorme nessa área: histórico/cultural, gastronómico, de natureza, rural, até de montanhismo e de neve. Poucos países se podem gabar de ter estas condições. Resta a todos nós cidadãos promover Portugal como destino turístico de qualidade e ao agentes económicos que sejam competentes na dinamização do sector. Para concluir a minha ideia deixo números, sabiam que Portugal é o país europeu com mais castelos, palácios, museus, igrejas, catedrais, mosteiros e conventos em relação à área territorial comparativa? Muito à frente de Espanha, França e Itália? Pois é...poucos sabem disto. Pena é que esses monumentos estejam abandonados e em ruínas a maior parte deles.

Sem Traumas disse...

O Sr. Embaixador, e alguns dos comentadores do seu blog são certamente nacionalistas, muito diferente que patriotas.
É um facto que Espanhá esta á frente de nós em cozinha, alem de que é muito maior podendo assim ter mais restaurantes com estrelas Michelin.
Queixas e lamentações assim só servem de autojustificação dos medianos cheios de ciumes e inveja.
Vocçes podem ficar assim com os seus traumas, eu disfrutarei e aprenderei da cozinha espanhola, o futebol brazuca etc
Avillez: "Continuará a haver evolução, mas dificilmente haverá outra revolução como a que o Ferran Adrià desencadeou"

Correia da Silva disse...

A primeira questão do anónimo 20 Novembro 09.06, não mereceu qualquer resposta de Seixas da Costa.