segunda-feira, 17 de novembro de 2014

No sebo

Era um sebo (nós por cá, em Portugal, chamamos-lhes alfarrabistas) muito conhecido em S. Paulo, ali perto do largo de S. Francisco, junto à universidade. O jovem estudante percorria as várias prateleiras, com o olhar curioso de quem descobria o seu novo mundo académico através daquelas relíquias do passado. Embora novato, tinha já a cultura de quem sabia ao que andava. Num certo momento, tomou nas mãos um livro de Aureliano Leite. Sentiu, de súbito, que acabara de descortinar uma obra bastante rara. Aureliano Leite era uma figura muito respeitada, um famoso advogado e político, com estudos sobre a história contemporânea que faziam escola.

Terá sido a coreografia do seu entusiasmo que, a curta distância, chamou a atenção de dois cavalheiros, que claramente se mostraram atentos ao volume que o estudante tinha entre mãos. Um deles, com ar seco, autoritário, como que ordenou:

- Me dê esse livro! estendendo a mão para o volume que o jovem descortinara nas estantes.

A grande diferença de idades quebrou, mas apenas por segundos, a determinação do jovem em querer guardar para si a obra que descobrira. Mas resistiu. Firme, embora sem saber o que dizer, fechou o livro junto ao peito, cioso do seu direito de adquiri-lo.

A voz do cavalheiro subiu de registo e assumiu mesmo um tom agreste:

- Seu muleque! Você não sabe o que tem entre mãos! Nem conhece o autor dessa obra! Me dê esse livro, já!

O momento anunciou-se tenso. Um pouco intimidado, o estudante ousou ainda colocar as suas razões:

- Sei muito bem o que é este livro, é um estudo histórico da "revolução de 32". É escrito por Aureliano Leite. que participou na Revolução e que esteve exilado por causa dela. É um advogado de grande mérito e é amigo de meu Pai, acrescentou, como derradeiro argumento para credibilizar o seu empenhamento.

O cavalheiro, frio, continuava impenetrável:

- Me dê esse livro!

O seu braço continuava estendido, intimidatório, reclamando a obra. O jovem olhou o dono do sebo e este, num discreto assentimento da cabeça, aconselhou-o a entregar o livro. Contrariado, mas sentindo-se impotente para travar o ambiente que rapidamente deslizava para o seu desapossessamento da obra, passou o volume para as mãos do cavalheiro. Intimamente, sentiu uma imensa revolta, mas resignou-se então a perder o livro, que os últimos minutos tinham tornado ainda mais precioso aos seus olhos.

A cara pesada do cavalheiro distendeu-se um pouco, no momento em que, finalmente, tomou posse do volume:

- Então seu pai conhece Aureliano Leite? Como se chama seu pai? E você? 

O jovem, no limite da humilhação, cedeu e declinou o seu nome e do seu progenitor.

O cavalheiro colocou então o livro sobre uma mesa, puxou de uma caneta e começou a escrever algo numa das suas páginas iniciais. Ao fundo, o jovem viu no rosto do livreiro desenhar-se um leve sorriso. Não entendia a cena, ou melhor, só percebeu o que tinha acontecido quando o cavalheiro, sem uma palavra, lhe entregou o livro de volta. Abriu-o e leu: "Ao jovem Eros Grau, de um velho amigo de seu Pai, com a estima de Aureliano Leite".

Este episódio foi-me contado há minutos, na Brasserie Lipp, aqui em Paris, pelo meu amigo Eros Roberto Grau, eminente jurista brasileiro, professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, juíz aposentado do Supremo Tribunal Federal do Brasil. E membro da Academia Paulista de Letras, título que Aureliano Leite, desaparecido em 1976, também possuiu. Diz-me o Eros que, por vezes, ainda cruza o olhar, em espaços da Academia, com o autor do livro, que ainda hoje guarda com carinho. Esse, porém, é apenas o lado borgiano desse meu grande amigo gaúcho. O que não é pouco.

2 comentários:

patricio branco disse...

historia exemplar, contada com efeito suspense.
o que (aparentemente) começa mal, pode afinal terminar bem

João Forjaz Vieira disse...

Imagino a emoção. Boa estória
João Vieira