sábado, 8 de março de 2014

Serviço público

O defeito deve, com toda a certeza, ser meu.

Ontem, assisti na televisão a um espetáculo comemorativo do aniversário da RTP. Foi um momento deprimente, uma sucessão barata de "flashbacks" de segunda ordem, feita de improvisos e de graças gastas, que a falta de reação do público presente muitas vezes viria a "premiar" devidamente. A boçalidade de alguns dos humoristas, com uma linguagem e uma '"elegância" ao nível de "stand-up comedy" de Fernando Rocha, parece provar que já se atingiu por ali o estádio de algum "quimbarreirismo". É uma pena que nem toda a geração pós-Herman José dê pelo nome de Ricardo Araújo Pereira. Mas, aparentemente, cada geração do humor português só pode ter um génio.

Hoje, tive a desdita de assistir a um episódio do Festival RTP da canção. Sei que posso ser considerado masoquista, mas deu-me para ouvir algumas das canções concorrentes. Quem não assustiu, não pode acreditar! Em face de algumas das canções apresentadas, nas suas inenarráveis letras (volta, nacional-cançonetismo, estás amplamente perdoado!) e no modo "gritado" como foram exibidas, com uma coreografia indigente, um espetáculo de Ruth Marlene pode ser considerado um momento sublime. Fomos entretanto esclarecidos que foi a RTP que escolheu os autores convidados para elaborar as canções. Se este é o nível de recrutamento possível, na música portuguesa, para a nossa representação na Eurovisão, então fica claro que continuaremos no terreno dos Homens da Luta, grupo "musical" que tanto nos prestigiou internacionalmente no passado.

É com uma programação a este nível que a RTP demonstra o seu elevado sentido de serviço público.

10 comentários:

Anónimo disse...

"Serviço Público" é um barrete que a corporação impõe aos outros para defender os seus interesses. Na minha infância fui obrigado pela RTP a assistir à destruição do país todos os verōes pelos fogos. Assisti também à arrogância de José Eduardo Moniz em directo a entrevistar políticos. Mais tarde Maddie e agora a austeridade. felizmente veio a Sic entretanto e melhorou muito a qualidade. Nem tudo acaba mal. Assisto ao Portugal directo da RTP como antes via País País.

Anónimo disse...

Subscrevo. Bastou observar os 2 primeiros minutos para prever a mediocridade dos programas.

Anónimo disse...

Façam como eu fiz: tirei o som e vi as imagens, de uma pimbalhada atroz. Com encenações dignas, por vezes, de um cabaret rasca. Assim vai o mundo... lembram-se. Apetecia-me contar uma anedota ordinária atribuída ao Bocage, mas não o faço porque isto é um blogue decente.

Portugalredecouvertes disse...

Às vezes fico triste com a falta de qualidade nos programas da TV
e tantas vezes para serem vistos lá fora
não é que o pessoal cá de dentro não mereça coisas melhores, e que quem tem boa voz e talento não merecesse ocupar os horários "nobres", mas assim continuam a pensar na UE que somos mesmo todos "totós"

Anónimo disse...

Qual "serviço público" RTP ?

Só no tempo dos meus pais, para "alimentar" pacóvios !

Alexandre

Anónimo disse...

O alforge de promessas da UE dentro e fora fronteiras é um saco roto, a realidade da sua eficaz "burocracia" conjugada com apetência de "aumentar" fronteiras, sem cosolidar internamente o federalismo europeu, leva a á situações ridiculas que acontecem agora. Gostando ou não de Putin,temtoda a razão.

Alexandre

Helena Sacadura Cabral disse...

Francisco
Deprimente penso que será bondade sua...
Como bondade será, desculpe-me, considerar RAP um génio do humor nacional.
O que RAP sabe muito bem fazer é levar os políticos a comer à sua mão, e isso, sim, será humor. Triste, claro!
Os Gato são, a meu ver, neste momento, um poderoso e eficaz grupo de marketing.
Mas isso nem sempre será humor. Quando eles surgiram havia, de facto, humor. Mas já foi há muito tempo...

Anónimo disse...

caro embaixador

deixe-me relembrar-lhe que a rtp internacional é uma maravilha, deixo apenas como entrada a passagem do "preço certo em euros" maravilha da televisao portuguesa e por certo dos programas mais interessantes de se ver quer no luxemburgo quer na china

vexa imagino estaria demasiado ocupado para poder ver estas perolas, sorte a sua!


cumprimentos

EGR disse...

Senhor Embaixador: concordo, palavra por palavra,com o post.
E que dizer do ar de satisfação daquele "moderno" ministro Maduro ou do não menor contentamento do Dr. Ponte?
Mas afinal não é para isso mesmo que eles ocupam os respetivos lugares? Isto é: as tarefas deles não são exactamente as de destruir tudo que seja publico? Bem vistas as coisas reduzir a RTP a um simulacro de serviço público é apenas um acto de coerencia com a ideologia dominante no poder.

Sérgio de Almeida Correia disse...

Não podia estar mais de acordo.
E confirmo que a indigência e a boçalidade parecem ser os fundamentos do novo "humor".