sábado, 18 de janeiro de 2014

Abril

Foi há dias. Estávamos a concluir um documento coletivo. Dei-me conta que o texto-base estava escrito segundo o Acordo Ortográfico. Porém, notei que os nomes dos meses se iniciavam com maiúsculas, o que fere as regras do Acordo. Um dos subscritores disse então: "Não me importo de escrever todos os meses com minúscula. Com exceção de Abril".

Ora aí está uma derrogação ao Acordo Ortográfico que aceito de muito bom grado.

23 comentários:

São disse...

Eu continuo a escrever como aprendi.

E mesmo que assim não fosse ,Abril seria mesmo sempre com maiúscula.

Bom sábado

Anónimo disse...

Aprendi como a maioria dos portugueses, meses sempre em Maíuscula sem excepção.

A maioria não ligo ao acordo estabelecido por Decreto sem cumprimento ou acordo de outros países lusófonos.

Alexandre

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Alexandre: não desvalorize o facto de todos os jovens, em todos os níveis de ensino, aprenderem e utilizarem hoje o Acordo Ortográfico. Eles são, a grande distância, a maioria do país. Não se tome pelo que não é.

Anónimo disse...

Atualmente abril "está" com minúscula. Mesmo que alguns se recusem a "ver". Pode ser que qualquer dia volte a "estar" com maiúscula...Mas a redução tem sido tão persistente...Não! certamente sou eu que já não vejo nada...
antonio pa

Susana Cardoso disse...

É hoje especialmente importante recordar ABRIL, nas comemorações dos 80 anos do 18 de janeiro.

Anónimo disse...

Sempre com a treta do A.O ! Já enfada!

Isabel Seixas disse...

«As Portas que Abril Abriu«

José Carlos Ary dos Santos

(1937-12-07 - 1984-01-18)


Era uma vez um país
onde entre o mar e a guerra
vivia o mais infeliz
dos povos à beira-terra.
Onde entre vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
um povo se debruçava
como um vime de tristeza
sobre um rio onde mirava
a sua própria pobreza.

Era uma vez um país
onde o pão era contado
onde quem tinha a raiz
tinha o fruto arrecadado
onde quem tinha o dinheiro
tinha o operário algemado
onde suava o ceifeiro
que dormia com o gado
onde tossia o mineiro
em Aljustrel ajustado
onde morria primeiro
quem nascia desgraçado.


Era uma vez um país
de tal maneira explorado
pelos consórcios fabris
pelo mando acumulado
pelas ideias nazis
pelo dinheiro estragado
pelo dobrar da cerviz
pelo trabalho amarrado
que até hoje já se diz
que nos tempos do passado
se chamava esse país
Portugal suicidado.

Ali nas vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
vivia um povo tão pobre
que partia para a guerra
para encher quem estava podre
de comer a sua terra.

Um povo que era levado
para Angola nos porões
um povo que era tratado
como a arma dos patrões
um povo que era obrigado
a matar por suas mãos
sem saber que um bom soldado
nunca fere os seus irmãos.

Ora passou-se porém
que dentro de um povo escravo
alguém que lhe queria bem
um dia plantou um cravo.

Era a semente da esperança
feita de força e vontade
era ainda uma criança
mas já era a liberdade.

(...)

Anónimo disse...

Movida pelo comentário do caro Alexandre, a 'velha senhora' rimalha e sonetilha penosamente - e uma vez mais - sobre o malfadado Acordo Ortográfico:

alexandres deste mundo,
sonetilho em brincadeira
pra dizer que eu não confundo
o que é - queira quem queira:


forçado em quarenta e três,
esse acordo anterior
é melhor? bem só se for -
pensarão alguns talvez -

por provir de um ditador
que o impôs co'a altivez
e total desfaçatez
de quem tudo pode impor.

já o acordo de noventa
discussão longa e atenta
dos países todos teve,

foi por todos assinado
e será ratificado
plos dois que faltam, em breve.

Anónimo disse...

Como não sou politizado tenho a liberdade de escrever o nome desse mês como entender e não tenho de dar razões.

Anónimo disse...

Alguém me explica porque diabo no A.O os meses têm de ser em letra minúscula? Qual a lógica?

Helena Oneto disse...

Os comentarios que este "Abril" "abriu": o AO! A essencia, aqui, é secundaria... ou provocação?
Valha-nos a memoria de Isabel Seixas!

Anónimo disse...

Pessoalmente faço aquilo que posso pelo novo acordo. Mas se já antes do acordo fazia erros, não é o novo acordo que me vai impedir de os fazer. Quanto ao mês de Abril estou de acordo que se escreva com letra grande mesmo desrespeitando o acordo. Já com novembro podemos respeitá-lo...
José Barros

EGR disse...

Senhor Embaixador : subscrevo.

Anónimo disse...

Julgando-se interpelada pela sua admirada "bela helena", a 'velha senhora' explica-se:

com maiúscula ou com minúscula
não discuto o grande abril;
o a.o. é questiúnscula
débil tanto e incivil
que me irrita e me suscita,
entre um copo e risos mil,
rimalhice em contradita.
que o ridículo nos divirta!

Anónimo disse...

Os jovens não sabiam escrever sem o Aborto Ortográfico quanto mais com ele. Aliás, nem o senhor Seixas da Costa sabe usar o Aborto Ortográfico. Aposto que se lhe retirar o "corretor" do computador o senhor fica às aranhas.

ASHA disse...

Acabei de ler os comentários. E quero perguntar: estão a gozar com os alunos e os professores deste país?????
Sou professora e ensino aos meus alunos que se houver meses que eles achem mais importantes estes se escrevem com maiúscula? E se eu achar que o mês mais importante é o dos meus anos, por exemplo???

Pensam que nadam a brincar com quem????

E não, senhor embaixador, o AO90 não está a decorrer naturalmente nas escolas. Eu, tal como MUITOS outros professores, não o uso, porque recus0 este "mixordês" que favorece os ignorantes já que assim ninguém dá erros e cada um escreve como quer, de acordo com a "importância" que dá às palavras.

Em caso de dúvida sobre a IMENSA resistência ao uso do AO90 e sobre como prolifera o "mixordês desacorgráfico", convido-os a visitarem os seguintes grupos:

https://www.facebook.com/groups/178207905663865/

https://www.facebook.com/groups/emaccao/

Pode iludir-se como quiser, senhor embaixador, mas, como disse o Alexandre, "A maioria não ligo ao acordo estabelecido por Decreto sem cumprimento ou acordo de outros países lusófonos."

Nem o próprio Estado que não consegue escrever um único documento que não venha em mixordês (com AO, sem AO, em português do Brasil e com erros ortográficos). TENHAM VERGONHA.

ASHA disse...

No 2º parágrafo, onde se lê "nadam", leia-se "andam".

Nuno Teixeira disse...

O "acordo" não foi um acordo nem é órtográfico! É uma mixórdia linguística pós-moderna, fabricada por tugas com traumas pós-coloniais. Ninguém o quis, ninguém o quer e ninguém o sabe aplicar porque o Açordo é estruturalmente errado, sob qualquer perpectiva. Eu sou professor de Português e nunca escrevinhei tal linguajar. Além de provocar o caos ortográfico, o açordo provoca graves erros de ortofonia. Só os estultos podem permanecer iludidos com essa quimera da "uniformização". Encham-se de vergonha e revoguem isso.

Anónimo disse...

Aceitando-se a definição da palavra "acordo", tem de existir uma aceitação por todas as partes, de um determinado contrato. Ora acontece que o AO90, não se constitui sobre nenhum acordo de quaisquer países lusófonos. Nem sequer entre Portugal e o Brasil. Vai daí o seu texto é uma falácia.
E só isso bastaria, para que todos os meses se escrevam em maiúsculas, pois o que meia-dúzia de políticos (ao serviço de interesses escusos) afirma ser um acordo, esse nunca o foi. A ortografia de uma nação é tudo menos uma decisão política, pois a ortografia não é um bem político (nem sequer por expropriação), como tão esforçadamente querem fazer crer.

E já agora, caríssimo embaixador, um embaixador não tem um cargo político, nem foi eleito pelo povo. Não pode sequer falar em nome dele. Não foi sufragado.

Por mim, com todo o respeito que o senhor me merece, poderia dedicar-se a outras coisas. Talvez a tirar um curso de pintura, para que melhor pudesse apagar as borradas que escreve e as mentiras que profere.

Anónimo disse...

A mim fere-me a alma ver os meses iniciados com letra minúscula. Acho uma tremenda falta de respeito!

Para que conste, os meses, sejam eles quais forem, são nomes próprios. Cada um deles tem o seu devido peso e valor. Nenhum deles é substituível. Janeiro marca o início do ano, Fevereiro é caricato por ser o mais pequenino, já Março assinala a chegada da Primavera, e por aí fora...

O AO90 tem a distinta lata de converter nomes próprios em nomes comuns, de forma completamente aleatória e inconsciente, talvez por birra ou para "mostrar serviço". "Calhou" aos meses do ano bem como às estações do ano. Seria bonito de se ver o mesmo a acontecer com os nomes (igualmente próprios) de países e cidades... O que vos parece? Por que não passarmos a escrever, já agora, portugal em vez de Portugal, ou ainda lisboa em vez de Lisboa? Choca? Então porquê? Já agora, com alguma "sorte", ainda passamos a assinar o nosso nome inteiramente em letras minúsculas...

Com o AO90, perdemos os valores que nos foram ensinados. Ridicularizamos e banalizamos a língua portuguesa em prol do facilitismo e de forma gratuita. Correcção: de forma muitíssimo onerosa!

«Tudo isto é triste, tudo isto é fado», mas apenas se o permitirmos!

Sónia Sousa da Costa

Maria Delfina Vasconcelos disse...

Mas qual derrogação do AO?? Ele já foi publicado em DR, por acaso? Ainda não se deu conta que a maioria das pessoas não o usa e se o usa é por imposição autoritária do governo, através dos correCtores nos computadores? Onde está a unificação com os outros países da lusofonia?
Pelo amor de Deus, sr. Seixas da Costa! Veja como escreve o povo que não usa computadores que lhe imponham um Mixordês e depois, comente sim?

Anónimo disse...

Pronto, senhor embaixador, já deve estar isto publicado em todos os grupos de ativistas. Aí vem nova torrente de gente a gritar aos berros que o AO não existe, que não é legal, que ninguém o aplica nas escolas, nos meios de comunicação social, que o Brasil o recusou e nunca vai aplicar, que tem 1001 e outros tantos erros, que é impossível de aplicar, que destrói a nossa língua e soberania, etc.

Gente que não sabe tomar uma piada pelo que é.

Com estima,
C.

ICE disse...

Fideputa!