domingo, 1 de dezembro de 2013

O meu fado


Faço uma declaração prévia de interesses: gosto muito de fado. Mas não de todo o fado. Abomino o fado-canção, não aprecio demasiado o fado com orquestras por detrás, há algumas vozes que por aí andam (alguns há muito) como as quais "não vou à bola". E - expondo-me agora às balas - também afirmo que não partilho o culto do Marceneiro. Mas gosto, e muito, do Manuel de Almeida, da Argentina Santos, da Fernanda Maria, do Carlos Ramos, da Maria Teresa de Noronha, do Fernando Maurício, da Ada de Castro, da Celeste Rodrigues, da Lucília do Carmo e de muitos outros clássicos. E, claro, da Amália, "cela va sans dire".

Em França, quando por lá vivi por quatro anos, ouvi imenso fado, porque a nossa comunidade emigrada é apreciadora de bom fado. Em Paris, cruzei-me com excelentes fadistas. Desde que regressei a Portugal, devo dizer que vivo entusiasmado com o "renascimento" do fado a que estou a assistir. Cada vez há mais gente nova a cantar e a ouvir muito bom fado. Primeiro, foi a geração que João Braga apadrinhou, de onde surgiram algumas vozes magníficas. Conviviam então com um "novo" fado tipo "avenidas novas" ou "da linha" que, felizmente, desapareceu no gosto de um público que começa "a saber da poda". Agora há para aí gente de grande qualidade, onde Ricardo Ribeiro e Carminho surgem com imensa força, a provar que a qualidade de grandes vultos, como Camané ou Mariza, tem continuadores assegurados. Acho fantástica Aldina Duarte. E Ana Moura. E Cristina Branco, quando decide cantar fados. E Joana Amendoeira. Acho bastante graça a Marco Rodrigues, ando a tentar gostar de António Zambujo e de Cuca Roseta. E ouço com muito agrado Kátia Guerreiro. E, claro, Gisela João!

Ontem à noite, fui apreciar o espetáculo de Carlos do Carmo no CCB, depois de já ter ouvido o seu CD de duetos. Uma oportunidade para revisitar uma figura a quem a projeção do fado muito deve e que, com Amália, foi responsável por colocar excelentes poetas na boca do fado bem cantado. Carlos do Carmo aproveitou para saudar nessa noite dois grandes instrumentistas: o viola José Maria Nóbrega, que o acompanhou durante 45 anos, e o jovem José Manuel Neto, um guitarrista que agora o acompanha, que é simplesmente genial.

O bom fado está aí para ficar. Vão aos fados, caramba!

10 comentários:

Isabel Seixas disse...

Pois O fado que venha a nós ...

Se lhe aprouver, daqui agora canta-se o fado flaviense está um frio de rachar, a várias vozes , claro.

Anónimo disse...

Como cantava a Amália,

Fado é sorte
E do berço até à morte,
Ninguém foge, por mais forte,
Ao destino que Deus dá.

Cultivemos o Fado!

Anónimo disse...

concordo com todos os nomes e toda a opinião, incluindo Marceneiro que era apenas castiço.
João Vieira

Anónimo disse...

Interessante falar em Carlos Ramos, um nome que anda muito esquecido...

Anónimo disse...

Fado e futebol dois "bens" acarinhados para esquecer realidades.

Nomes que admiro:Carlos Ramos e Amália.

Carlos do Carmo, devia ter dado um bom surfista na juventude !

Alexandre

Anónimo disse...

Vamos ao fado, cantemos o fado e tragam outos amigos tambem.

Realidade não se esquece.

Vivamos tudo o que temos de bom.

Guilherme.

Anónimo disse...

"abomino o fado-canção". Permita-me que lhe pergunte o que pretendeu querer dizer com isso?
É que não percebi lá muito bem.
Alfredo Neves

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Vão aos fados, caramba!!!!!!

A Ana Moura de que gosto muitíssimo, é linda e canta muito bem; a propósito:

Leva-me aos fados
Onde eu sossego
As desventuras do amor a que me entrego
Leva-me aos fados
Que eu vou perder-me
Nas velhas quadras
Que parecem conhecer-me


Eu até cantei, quando jovem e malandro, com o Carlos Ramos na sua Toca...

A minha coroa de glória era:

Não venhas tarde
dizes-me tu com carinho
sem nunca fazer alarde
do que me dizes baixinho...

Tu sabes bem...


A glória foi-se porque a Dona Glória, minha Mãe, tirou-me o pio.

Há quem diga que assim se perdeu uma grande carreira. É a vida...

Anónimo disse...

Faz-me muito gosto Zé Manel de Castro.
Canta, toca e compõe.

Sónia disse...

Poderia recomendar-me um local para ouvir um bom fado em Paris? obrigado, Sónia