terça-feira, 11 de abril de 2017

O lado onde se está

O Conselho de Finanças Públicas fez uma descoberta: a consolidação das contas públicas em 2016 foi quase toda feita do lado da despesa. E afirma isto em tom crítico.

Não resisto a imaginar o que o venerando CFP diria se a consolidação tivesse sido feita do lado da receita.

Tudo depende do lado onde se está, não é?

4 comentários:

Anónimo disse...

Por falar em cabide a dívida francesa aumenta com a perspectiva de um duelo męlencheon le pen. Venha o diabo e escolha.

jj.amarante disse...

Não resisto a citar o Engº Ferreira Dias:

«...
O primeiro refere-se ao cálculo do preço de custo do kWh. Há contas-tipo de quem compra e contas-tipo de quem vende; e o mesmo indivíduo colocado nos dois lados da barricada com uma hora de intervalo renega serenamente da segunda vez as contas que defendeu da primeira. Chega a preocupar esta espécie de unidade profissional dos vendedores por um lado e dos compradores pelo outro, como se houvesse entre eles um voto secreto. Não se pensa que lhes falta sinceridade: chega-se antes a ter a convicção de que não existe o livre-arbítrio.
...»
in Estatística das instalações eléctricas em Portugal referente ao ano de 1936, Engº José Ferreira Dias Júnior (I.S.T.)

Anónimo disse...

E a dívida também é uma questão de perspectiva?

Maria Mercês Moreira disse...

O sr embaixador escreve muito bem.