domingo, 16 de março de 2014

Poema


Sou da geração errada, 
com licença, vou embora. 
E se a porta for fechada, 
ficamos todos cá fora.

Todos fora, com certeza, 
mas assim mesmo leais. 
Com menos lugares a mesa
as contas ficam normais.


Luis Castro Mendes

4 comentários:

São disse...

Subscrevo o poema.

José Gome Ferreira deveria ter vergonha de escrever o texto maldoso e ingrato que escreveu.

Convenhamos que entre quem assina o Manifesto há quem tenha alguma responsabilidade , mas a grosseria do jornalista(?) é inqualificável.

A sua linha de pensamento é exactamente a da coligação PSD/CDS -abençoada pelo reformado de Boliqueime : os velhos são um empecilho que deve desaparecer urgentemente para que criaturas de elevada estatura moral e enormes convicções como, só por exemplo, Maduro, Lomba e "dr" Miguel Relvas , recente e afrontosamente regressado à política como traficante de influências - perdão, facilitador de contactos - fiquem de vez com as mãos livres para a completa destruição do país, sem que o sifrimento das pesoas lhes importe um quark sequer.

Se fosse coerente teria pedido a demissão de Rui Machete e Portas.

Peço desculpa pelo tamanho, mas paciência para palermices e má-fé tem limites

Os meus respeitos.

Isabel Seixas disse...

Boa escolha
Além do Talento,sempre oportuno o Sr. Embaixador Poeta.


Há também gerações tão tão amargas
por cultivarem grandes expectativas
acreditam ainda em milagres
sem políticas de encher barrigas

Que seria do crédito da religião
sem sangue lágrimas e suor
sem sede, sem fome,não há compaixão,
nem espera eterna do redentor...

há ainda castas nas gerações
sôfregos pelo poder do poder
tropeçando pela calçada dos chavões
esquecendo a experiência do saber

Alcipe disse...

Outra versão, dedicada a Velha Senhora:

Sou da geração errada,
com licença, vou embora.
E se a porta for fechada,
ficamos todos ca fora.

Todos fora, com certeza,
mas bem firmes e leais.
Menos lugares na mesa
e as contas ficam normais.

Reconhecem o verso "bem firmes e leais?"

José Gomes Ferreira há só um, o poeta e mais nenhum!

a) Alcipe

Anónimo disse...

A 'velha senhora' agradece e retribui:

grande alcipe é um amor
liga a velha descarada
que nada sabe de nada
sendo um poeta maior

gomes ferreira? josé?
é claro que ele há só um
poeta grande incomum
não o bedelho lelé