sábado, 23 de janeiro de 2010

Luis de Sousa Rebelo (1923 -2010)

Leio que entrou para o Partido Comunista no ano em que eu nasci. Era um homem sereno, com um sorriso simpático e uma fantástica e viva erudição. Durante muito tempo, foi para mim apenas o nome que, em cada ano, assinava textos sobre Portugal nos volumes de atualização da "Encyclopedia Britannica". Vim depois a inteirar-me da sua excelente carreira académica, com uma cátedra no King's College, onde trabalhou 36 anos. Com também vim a saber, anos mais tarde, através dessa curiosa figura do Portugal londrino que foi António de Figueiredo, que Luis de Sousa Rebelo foi uma das figuras centrais na elaboração do "Portuguese and Anticolonial Bulletin".

Quando vivi em Londres, foi-me um dia apresentado por Bartolomeu Cid dos Santos. A partir daí, passei a encontrá-lo com alguma frequência, muitas vezes na companhia de Hélder Macedo e de Eugénio Lisboa, dois dos seus amigos mais próximos. Habituei-me a admirar a sua palavra doce e a sua ironia fina. Além de umas passagens de ano em casa do Bartolomeu, em Sintra, juntaram-nos também jantaradas anuais da Crabtree Foundation, em Londres. Da última vez que o vi, senti-o já irremediavelmente frágil.

Luis de Sousa Rebelo teve uma carreira académica de grande mérito, como ensaísta, tradutor e crítico literário. Passou grande parte da vida no Reino Unido. Morreu há dias, em Portugal.

2 comentários:

Anónimo disse...

Só o Senhor para preencher os meus vazios de conteúdo com Personagens Interessantes...

Dizem que o Saber não ocupa lugar...
Há Um que ocupa ...
O da ignorância...

"Morreu há dias, em Portugal."

Também gostava se possível, de morrer em casa...
Sendo que o Hospital continua a ser uma das minhas casas locais de trabalho...
Mas Casa traduzindo à minha Letra agora é Chaves e casa é onde habito com a família...
Isabel Seixas

Maria disse...

Eu tambem estou ainda em choque e espero que os amigos e "scholars" da "Crabtree Foundation" estejam este ano presentes no dia 17 de Fevereiro para o minuto de silencio pela perda do L.S. Rebelo, tal como estivemos no ano passado para o Bartolomeu.

Uma "Crabtree scholar" em Londrs