segunda-feira, 18 de maio de 2015

Carnide em festa


O Benfica ganhou o "campeonato". Sejamos justos: este ano mereceu ganhar. Mesmo se, aqui ou ali, foi ajudado por um "sistema" que hoje muito influencia, aconteceu agora ao clube de Carnide (a imagem é do largo principal do estimável bairro onde se situa a agremiação) o mesmo que, muitas vezes, ocorreu com o seu rival do Norte, isto é, ganharia mesmo se não tivesse tido essas ajudas.

"Cá dentro", não gosto que o Benfica ganhe nada, confesso. (Lá fora, fui fã entusiasmado do grande Benfica dos anos 60, "puxei" por eles numa final europeia frustrada em Stuttgard e não me recordo de ter vibrado nunca com as suas derrotas internacionais). Sei que não estou a dar nenhuma surpresa a ninguém com esta minha declaração de interesses. Como os meus amigos "encarnados" também sabem, para mim, entre o Porto e o Benfica, "venha o diabo e escolha". Mas se alguém tiver que ganhar, que não seja o Benfica, claro. O qual, às vezes, lá ganha.

Uma palavra sobre o treinador do Benfica. Jorge Jesus é uma figura patética, na expressão, na imagem e no que representa, naquela arrogância saloia, cabelo corado "à poeta", que, às vezes, irrita menos do que a pena e o ridículo que induz. Mas, uma coisa é bem certa: sabe imenso de futebol. É um grande treinador, há que reconhecê-lo, coisa que andei (erradamente) muito tempo para fazer. Ao seu lado tem um presidente do clube que é também um inenarrável "cromo", com um ar sempre a armar ao sério e ao "grave", a que, na minha terra, se qualificaria de ar de "polícia da Régua". (Já sei que o presidente do meu clube, um tal Carvalho, não é melhor e tem, além disso, o defeito acrescido de não pôr a equipa a ganhar. Mas sobre essa figura já falei quanto baste). Mas - e aqui volto a elogiar - o tal presidente-cromo demonstrou, em várias ocasiões, nomeadamente quando conservou Jorge Jesus no clube, contra tudo e contra muitos, que sabia o que fazia.

Por tudo isto, e em síntese, parabéns ao Benfica pela justeza da sua vitória, reconhecimento à qualidade do seu treinador e do seu presidente, um abraço aos meus amigos benfiquistas e aos habitantes de Carnide, bairro que muito honram. No dia de hoje estão contentes "que nem uns cucos", mas eu ficaria mais satisfeito se o não estivessem, desculpem lá! Aqui por Lisboa, irão para o Marquês comemorar. Sempre sob olhar, complacente e férreo, do leão, claro! Desse não se livram! 

6 comentários:

Anónimo disse...

Para o ano, faremos com que os lagartos consigam ficar em segundo. Mas vocês têm que ajudar.
a) Jaime Graça

Anónimo disse...

Caro Senhor Embaixador,

Dizer que o Benfica é um clube de Carnide é exactamente o mesmo que dizer que o CACO é um clube... da Lapa.

Mais informo de que o "pólo gastronómico" de Carnide - que muito estimo e aonde tenho vários velhos amigos - é algo muito, muito recente...

Respeitosos cumprimentos,

Um ex-morador da esquina da Luis Deruet com a Almeida e Sousa (que conheci em Brussel)

Anónimo disse...

" Jorge Jesus é uma figura patética, na expressão, na imagem e no que representa, naquela arrogância saloia, cabelo corado "à poeta", que, às vezes, irrita menos do que a pena e o ridículo que induz."

Conversa de gente do croquete e das Necessidades, de quem não se lembra de ter tido as oportunidades que teve e que outros não tiveram.

BAstava ler a página inicial do Grande Gatsby para evitar essa sobranceria social. Na volta também não gostava das meias brancas do inefável Cavaco.

Anónimo disse...

O seu Presidente Carvalho sempre que o oiço faz-me lembrar o falecido Chavez.

Um populista, este sim patético, que creio que poderá terminar a sua gestão abruptamente.

Os adeptos do seu clube deveriam estar preocupados. Eu estaria.

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Caro Embaixador,

Como adepto do SPORT LISBOA E BENFICA (imagino como lhe custará ler no seu próprio Blog o nome próprio e por extenso desse glorioso Clube que V. insiste em chamar de Carnide), o meu obrigado pelos parabéns, pelo reconhecimento da justeza da nossa vitória e das qualidades do nosso Presidente e do nosso treinador (até ver...) e, já agora, pela oportuna crítica que faz à cobertura televisa (quando não se sabe distinguir o acessório do principal... está tudo dito). Quanto às outras considerações entendo-as com graça e como um certo ”tique” de um certa aristocracia, mas que não assentará tão bem a um transmontano (tal como eu) de tão boa cepa como a do meu caro Embaixador.
Bem haja.

Anónimo disse...

Leõezinhos, leõezinhos. Carnide também vai desfilar na Avenida na véspera de Santo António...