quinta-feira, 15 de maio de 2014

Scolari

Um peculiar sentido do tempo é algo que nos habituámos a ligar à Justiça portuguesa. Ela tanto deixa prescrever processos, como os prolonga por eternidades, como escolhe momentos particulares para os fazer emergir à luz do dia, neste caso através de "fugas" que alguém combina com uma comunicação social ávida de títulos escaldantes.

Vem isto a propósito de Scolari e das suas alegadas dívidas ao fisco português. É no mínimo estranho que o labéu de arguido ao antigo selecionador português, num processo que se reporta a factos ocorridos há largos anos, surja a público precisamente a escassas semanas do início do campeonato do mundo, onde o Brasil, dirigido por Scolari, joga uma aposta que vai muito para além da bola. Para muito cidadão brasileiro a quem esta notícia deve estar a chegar - nada habituado ao consabido rigor, precisão e eficácia da máquina judiciária portuguesa - esta coincidência vai ser lida como um fator oportunista de desestabilização, num torneio onde Portugal é também interessado. E isso vai ajudar a alguma lusofobia sempre recorrente.
 
Só nós, portugueses, temos a certeza de que nada foi de propósito. Conhecendo-a como conhecemos, todos sabemos que a Justiça portuguesa seria incapaz, de forma deliberada, desta precisão temporal. 

4 comentários:

ignatz disse...

o escolari andou embrulhado com o bpn e agora chegou o momento de uma atençãozinha à selecção nacional em nome dos bons velhos tempos. cá se fazem, cá se pagam.

Catinga disse...

E, já agora, a falta de visão da cambada da FPF que, em vez de remodelar o equipamento por forma a enaltecer a Cruz de Cristo (símbolo de união entre os dois países - que também faz parte do emblema da CBF), tornando-o mais "apetecível" para o público brasileiro, se deixa embarcar naquelas riscas parolas que a Nike lhe pos à frente?

Anónimo disse...

Lamentável, esta atitude da Justiça portguesa. No mínimo. Deixam prescrever processos, arquivam outros, inquinam outros tantos, não tocam no políticos, e agora isto. Uma vergonha!

Anónimo disse...

Claro que a Justiça portuguesa não tem dado bons exemplos. Mas a Comunicação Social é a maior vergonha desta terra. Sem excepções. Como a verdadeira e completa história do escândalo do BPN não nos é contada, porque os telhados de vidro abrangem muita gente, talvez não sermos ingénuos, partindo do princípio de que se trata apenas de poder comprometer as relações entre o Brasil e Portugal.. Os contribuintes portugueses estão cansados de telenovelas... Ou alguém acha que o «mau» da fita é o Oliveira e Costa sozinho? Talvez fosso saudável ele começar a falar