quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Timor Leste - a infância


Ontem, ao ver o primeiro-ministro Xanana Gusmão numa cerimónia de homenagem a antigos combatentes pela independência de Timor-Leste, recordei um episódio divertido, aquando de uma sua visita privada a Nova Iorque, nos primeiros meses de 2001.

Xanana era um homem livre e, por essa época, fazia declarações segundo as quais não desejava ocupar qualquer lugar de Estado, no novo Timor-Leste, que dentro de um ano seria um país independente e pelo qual tanto tinha lutado. Andava feliz, com a sua mulher e um filho de escassos meses.

Eu era então o representante diplomático português junto das Nações Unidas. Convidei Xanana para almoçar, não só para lhe manifestar a imensa simpatia e admiração que tinha (e tenho) por ele, como grande figura humana e política, mas igualmente porque estava encarregado de o tentar convencer de que a responsabilidade que tinha para com o seu país não acabara ainda e que era importante que aceitasse a ideia de vir a liderar o novo Estado, candidatando-se às eleições presidenciais. Era essa a perspetiva prevalecente em Lisboa e, a mim, como representante diplomático junto das Nações Unidas, fora-me pedido que somasse a minha voz à de quantos assim pensavam, um pouco por todo o mundo.

O almoço iria ter lugar num restaurante, perto da nossa missão junto da ONU. Porque queria falar um pouco a sós com Xanana e com a sua mulher, pedi-lhe que viessem ter ao meu gabinete. As restantes pessoas que eu também tinha convidado para esse almoço com Xanana, entre os quais estava o jornalista do "Expresso" Tony Jenkins, que iria fazer depois um belo texto sobre a conversa à refeição, chegariam meia-hora mais tarde.

Expus a Xanana as razões que víamos como óbvias para a necessidade do seu compromisso com a vida política timorense. Revelei-lhe que, em Portugal, governo e presidente da República coincidiam nesta mesma leitura. Ele mostrava-se ainda muito relutante à ideia da candidatura, com a sua mulher numa atitude que me recordo ser então de apoio às reticências do marido. Argumentava que era mais importante ficar na sociedade civil, ao lado dos seus antigos companheiros de armas, os mesmo que ontem foram homenageados. Ficou-me a convicção de que, à época, era bem genuína essa sua atitude de recusa do regresso à política.

A certa altura, tive de sair, momentaneamente, do gabinete. Quando regressei, encontrei a seguinte cena: a pequena mesa de acrílico que existia entre os sofás tinha-se transformado no lugar de mudança das fraldas do filho de Xanana, o qual observava, divertido e encantado, a operação a que a sua mulher se dedicava.

"Não há problema, pois não?", perguntou-me Xanana, como aquele sorriso são e simples que o carateriza. Claro que não havia. Ou melhor, tavez passasse a haver. É que, concluída a operação, ficou a pairar no meu gabinete um odor bastante forte e difícil de afastar, num edifício onde as janelas não abrem e o ar condicionado é o único meio de circulação de ar.

Tudo estaria bem e se atenuaria com o tempo se, neste entretanto, não tivessem entrado pelo gabinete dentro, trazidos pela minha secretária, os restantes convidados para o almoço. Pelas suas caras, logo depreendi que ficaram com as narinas alerta para aquele peculiar e inconfundível odor, sobre cuja explicação decidi não elaborar. Procurei fazer sair toda a gente, com rapidez, para o restaurante, mas imagino que alguns devam, até hoje, estar intrigados por que diabo o gabinete do embaixador português na ONU cheirava daquela maneira...

9 comentários:

Anónimo disse...

Tenho saudades desse Xanana.

iseixas disse...

Exatamente , a infância...

De qualquer forma o bebé estava a precisar de aumentar a ingestão de água para reduzir a concentração do cheiro da urina...É o que dá não haver enfermeiras nas embaixadas que possam fazer educação para a saúde detetadas as necessidades... Não se pode ter tudo, bem enquanto há lá embaixadores mesmo mesmo embaixadores...

Anónimo disse...

"expus"

Anónimo disse...

Obrigada por mais uma crónica, corrija SFF a gralha "expuz" :) obrigada

Anónimo disse...


Xanana e Timor-Leste ainda hoje me causam um arrepio ... de felicidade!

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Ainda não parei de rir a imaginar a cena. Bem haja Senhor Embaixador

Anónimo disse...

Como disse o anónimo das 01:07 ...

Saudades de(sse) Xanana

N371111

Anónimo disse...

Interessante cena com a segunda mulher de Xanana!
Antes da independência de Timor esteve em Lisboa a primeira mulher de Xanana, Emília. Já tinha vivido na Austrália uma segunda relação afectiva enquanto Xanana andava pelas montanhas... Veio pela causa de Timor. Tratei de arranjar uma sala no grupo Grão Pará, na rua Castilho. O resto... não tínhamos. Isto é, dinheiro para as despesas mais básicas. Andámos de transportes e levei-a para minha casa, pois quem se lembrara de a convidar para falar a um grupo de interessados e de curiosos do percurso dos "guerrilheiros" não apareceu senão no início da palestra... Foi assim. Já nem me lembrava, se não fossem as "notas" do Senhor Embaixador... Em Dezembro de 1999 (na transição da administração portuguesa do território de Macau para a administração chinesa) tive oportunidade de falar com Xanana Gusmão. Momento de alegria por Xanana e paradoxalmente também de tristeza pela hora da nossa "despedida" oficial do Território.

Anónimo disse...

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=675882&tm=7&layout=123&visual=61