sábado, 25 de maio de 2013

José Alberto de Sousa

Longe de Lisboa, não posso ir hoje despedir-me do meu amigo José Alberto de Sousa.

Na última vez que falámos ele estava em Timor-Leste e eu em Paris. Pelo telefone, convidou-me para ir a Dili, numa iniciativa em que estava envolvido, ao tempo que trabalhava com José Ramos Horta. As agendas não coincidiram e, a partir daí, perdemos o contacto, salvo esporádica troca de emails, que foram rareando com o tempo.

O Zé Alberto, de que muitos portugueses lembram a figura elegante e o estilo sóbrio na apresentação dos noticiários da RTP, foi um bom amigo que fiz quando, por algum tempo, coincidimos no MNE. Não esquecerei a forte cumplicidade que criámos e o sentido lúdico da vida que ambos partilhávamos. Reencontrámo-nos várias vezes e sempre parecia que nos tínhamos visto na véspera. Ele com o seu sorriso claro e o cigarro que lhe alegrava as horas e lhe ia apressando os dias. Custa-me muito imaginar que não vamos voltar a trocar as histórias da vida que nos alimentavam longas e divertidas conversas.

Um último abraço, Zé Alberto.

2 comentários:

Anónimo disse...

Os jornalistas por norma morrem cedo. Trata-se de uma profissão muito desgastante...

Anónimo disse...

os jornalistas não morrem