sábado, 26 de outubro de 2013

Congos

Ontem, na página do Facebook de um amigo, troquei algumas notas sobre Kinshasa e Brazzaville, as capitais dos dois Congos, separadas pelo majestoso rio com o mesmo nome. E veio-me à lembrança uma história dos anos 80 ligada a uma travessia desse rio.

Eu e um colega acompanhávamos aquela que era a primeira deslocação a África de um jovem político português, com um futuro já então promissor. Acabados os dias de trabalho no então Zaire (hoje República Democrática do Congo), os três tomámos o barco, um "ferry" manhoso e apinhado de gente, que atravessava o rio do mesmo nome, para chegar a Brazzaville, a cidade em frente, na República do Congo, onde teríamos outras reuniões. Contrariamente a Kinshasa, onde havia uma embaixada na qual tínhamos pernoitado nos dois dias da visita oficial, em Brazzaville ficaríamos num hotel, reservado por um cônsul honorário de cujo desembaraço nos diziam maravilhas. Segundo fôramos informados, podíamos ir descansados quanto ao nosso acolhimento e instalação em Brazza, como os locais lhe chamam. Estava tudo tratado.

A viagem foi normal, através de um rio imponente, histórico para Portugal. Quando o barco amarou à margem de Brazzaville, cada um de nós pegou nas suas malas e saiu para o cais. O ambiente era movimentadíssimo, cheio de apitos e gritos, com gente a correr para o barco e outros a formarem filas para controlo dos passaportes. Um pequeno pormenor começou a intrigar-nos: não aparecia ninguém com ar de que estivesse à nossa espera...

O nosso político, de fato escuro e Church brilhantes, olhava ansioso para todo o lado mas, muito especial e insistentemente, para o meu colega e para mim, responsáveis naturais por uma logística que, pelos vistos, começava a falhar. Mirando em volta, ambos nos interrogávamos, em silêncio, sobre o que fazer. O meu colega decidiu ir até à entrada do porto, a fim de ver se acaso não estaria lá alguém. O jovem político ficou então "encarregado" de tomar conta das malas - e guardarei para sempre essa imagem, um tanto ridícula, de uma figura com uma gravidade inquieta, algo intimidado pela coreografia incontrolável de uma África em que quase acabara de aterrar, encastelado com malas em volta. Por mim, dediquei-me a preencher os formulários dos passaportes, umas imensas folhas, em duplicado, onde o que eu ia escrevendo se misturava com gotas de suor que caíam sobre o papel, tipo almaço, onde se alastravam em manchas, num braseiro de mais de 40 graus, sob um sol tórrido.

À distância, o político continuava a olhar-nos, já pálido, num silêncio de raiva, com a nossa imagem profissional a cair a pique. O meu colega regressou, entretanto, da sua expedição com um "carão" preocupado: não estava ninguém no portão do porto a aguardar-nos. Disse que tinha visto táxis no alto de uma rampa, até onde as nossas bagagens teriam de ser transportadas. E ir para onde? Em voz baixa, com o meu colega, fizemos mais duas constatações "dramáticas": não fazíamos a menor ideia de qual era o hotel onde ficaríamos alojados e, o que era mais grave, não tínhamos nenhum dinheiro local. É que tudo estava nas mãos do agora "maldito" cônsul honorário, que, por essa altura do campeonato, já estaria demitido, num despacho virtual gizado na cabeça do jovem político.

Foi então que o meu colega "inventou" uma solução genial. Subi a rampa, falei dois motoristas de táxi, perguntei-lhes se sabiam onde era o "Hotel Hilton" (nome comum que me veio à ideia, mas não havia nenhum Hilton por lá, perguntaram se não seria o Méridien, disse que sim, para nós qualquer solução servia), contratou-se com eles um preço e foi-lhes dito para arranjarem carregadores para trazerem as malas desde o porto, para pagarem a esses carregadores (ficaram perplexos, mas aceitaram), que depois faríamos contas no hotel (lá chegados, logo veríamos se era esse hotel, mas, pelo menos, estaríamos instalados num "lobby" e aí trocaríamos dinheiro). Alugaram-se dois taxis, um para nós e outro para as malas.

O nosso político descrispou um pouco e abancou no táxi que, embora imundo, era a única hipótese que se desenhava. Quando eu, instalado à frente, levantei um pouco a voz ao motorista, que, percebendo o nosso embaraço, estava a querer renegociar o preço, saiu-se com um "não fale assim com os locais!". Eu ia-me passando! O meu colega, homem já com muitas Áfricas, acalmou-o, acalmando-me: "Deixe-o lá! Ele sabe lidar com isto. Não se esqueça que o último posto dele foi em África..."

"To make a long story short": o hotel era mesmo o Méridien, o nosso pobre cônsul, alertado da nossa chegada e arribado pouco depois, ainda ouviu uma zarabanda das antigas antes de ter tempo para explicar que, afinal, a culpa do que tinha acontecido era toda nossa: é que tínhamo-nos precipitado, saindo no porto errado. Devíamos ter aguardado pela acostagem seguinte, um pouco adiante, onde, numa sala VIP, nos esperavam autoridades locais, bebidas frescas e carros oficiais de luxo. E o homem explicou mesmo que todos julgavam que já não viríamos...

Nunca mais esquecerei essa travessia do rio Congo (ou Zaire), por onde já tinha andado o meu conterrâneo Diogo Cão, nos idos de quinhentos, sem táxis nem hotéis nem cônsules. 

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Humberto França (1952-2013)


Conhecemo-nos um dia em Pernambuco e, desde o primeiro momento, fiquei sensível ao seu contagiante entusiasmo na promoção das questões da latinidade. Foi o criador do movimento "Festlatino", uma iniciativa generosa e idealista, a que se dedicava de corpo e alma, um pouco por todo o mundo.

À medida das minhas possibilidades, dei-lhe alguma colaboração na difusão da "mensagem" do movimento, porque o interpretei como um interessante esforço para reforçar as dimensões culturais da latinidade. Em março de 2012, tive o gosto de o receber na embaixada em Paris, à frente de uma delegação do "Festlatino".

Foi a última vez que nos vimos. Trocámos entretanto alguns mails. A última mensagem que dele recebi foi de maio deste ano. Duvido que o "Festlatino", que vivia da sua força anímica, resista à sua saída de cena.

Conselho da Europa

Desde a manhã de hoje, participo num debate organizado pela Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, na velha sala do Senado, da Assembleia da República. Estamos a tratar questões de Cultura, Ciência, Educação e Media.

Nele falarei dos programas de Educação Global que o Centro Norte-Sul, do Conselho da Europa, que atualmente dirijo, tem vindo a desenvolver.

É muito curiosa esta sensação de intervir, no próprio país, representando uma estrutura de natureza multilateral. Sentimos como que uma neutralização da nossa própria posição pessoal, passando a ser olhados, pelos conhecidos portugueses, como alguém que vem de fora... cá dentro.

As aventuras da ironia

Há dias, falei por aqui da "humilhação" que supostamente atravessaria setores oficiais portugueses pelo facto de não terem sido reveladas escutas suas pelos serviços secretos americanos. O texto fazia jogos de palavras, que julguei facilmente compreensíveis, com ironias à mistura sobre o "guião para a reforma do Estado" (que já aí vem, o que pode significar que fui eu o "ouvido"...) e as supostas escutas na sede do PS.

Então não querem lá saber que, no Brasil, houve quem achasse que os portugueses se estavam a queixar, a sério, por não terem sido espionados?

No Natal do ano passado, fiz por aqui um "desagravo" ao patusco Artur Baptista da Silva, o "especialista" das Nações Unidas que enganou televisões e jornais.

O que sucedeu? Vários blogues acharam que eu tinha acreditado no homem, não obstante, pelo texto, eu ter espalhado notas que davam facilmente a entender que se tratava de uma brincadeira, ainda por cima surgida quando toda a tramóia estava bem clara.

A ironia e o humor são coisas complexas. Passam pela cultura, por pontos de cumplicidade, por códigos. Embora, nos dias que correm, o inverosimil esteja a acontecer, não quero voltar a ser confundido com os produtores de graças tristes. Vou passar a ter mais cuidado.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Portuñol

Há uns anos, fui a Madrid chefiar uma delegação portuguesa. Sentado à mesa de trabalho no palácio de Santa Cruz (equivalente ao nosso palácio das Necessidades), iniciei espontaneamente a minha intervenção em espanhol. Segundos depois, dei-me conta que o meu nível de expressão em língua espanhola, sendo mais do que suficiente para uma conversa solta, não dava para sustentar quase duas horas de trabalho técnico, recheado de expressões que não podem dar lugar a um mínimo de ambiguidade.

(Até 1979, eu nunca tinha ousado expressar-me em espanhol. Lia muito bem a língua, percebia-a falada, mas eu próprio falá-la era bem diferente. Daí que raramente ousasse pedir mais do que "un solo".... Quando fui viver para a Noruega, o meu primeiro grupo de amigos era composto por diplomatas espanhóis, brasileiros e latino-americanos. Com algum esforço, tive de começar a "aculturar-me" ao espanhol, que era a língua franca nesse meio. A curiosidade fez-me mesmo comprar uma gramática e livros de exercícios de espanhol. Mas nunca fui muito longe, confesso... Logo nas primeiras férias em Portugal, numa deslocação a Verín, na Galiza, entrei numa loja e teimei em testar o meu espanhol. O comerciante galego sorriu para mim, com um ar piedoso, e disse-me: "Por que não fala português? Percebemo-lo melhor...")

Mas voltemos a Santa Cruz. Ao constatar o esforço que a "habla" me estava a custar (no fundo, repercutindo a tirada do lojista galego..,) o meu contraparte espanhol, Ramón de Miguel, que entendia bem o português, propôs-me o seguinte:

- Eu falo espanhol e tu falas português. Se ambos falarmos devagar, as nossas delegações entendem.

Os minutos seguintes vieram a provar que isso não era verdade. Se, para o nosso lado, era relativamente fácil acompanhar o que o meu contraparte espanhol dizia, notei que, falando em português, mesmo que artificialmente mais lento, a restante delegação em frente a nós tinha dificuldade em entender-me. A constatação disso, ao final de alguns minutos, acabou por pôr-nos todos a falar... em francês!

Porque me lembro disto agora? Porque, há dias, num congresso em que participei na Turquia, sobre a América Latina, vi-me envolvido numa situação complicada, ligada ao uso do espanhol. 

As línguas oficiais eram o turco, o espanhol e o inglês. Durante o voo, preparei uma intervenção para cerca de 40 minutos, que deveria pronunciar num mano-a-mano com a antiga ministra dos Negócios Estrangeiros, Trinidad-Jimenez. Cabia-nos a ambos pronunciar as "conferencias magistrales" que encerravam o primeiro dia de trabalhos. Tendo o inglês como opção, não hesitei um segundo em escolher essa língua.

Para além de dois discursos iniciais de figuras oficiais, em turco, durante o congresso toda a gente falou em espanhol, mesmo os turcos e brasileiros presentes. À medida que se aproximava o momento de intervir, comecei a angustiar-me: só eu falaria em inglês? Isso iria soar muito estranho e obrigaria à mobilização dos aparelhos de interpretação por parte do auditório, que, sem exceção, entendia e falava espanhol.

Foi então que tomei uma decisão, da qual, confesso, me viria a arrepender: decidi falar no "meu" espanhol. No passado, já tinha feito três intervenções nessa língua (uma no Chile, outra no Uruguai, uma outra em Espanha), mas todas haviam sido baseadas em textos escritos, previamente testados com cultores da língua. Desta vez, porém, iria improvisar, com base num texto... em inglês! Na prática, usei um "portuñol" que, no entanto, me deu imenso trabalho. Durante mais de meia-hora, fiz tudo para ser compreendido. Julgo que as pessoas acabaram por perceber o que eu disse, muito embora reconheça que aquela não foi a minha "finest hour". Mas foi uma das mais difíceis!

Decidi que este foi o derradeiro teste ao meu "portuñol". A partir de agora, só o usarei em conversas "ligeiras", nas "tiendas" ou para pedir um café...

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Descobrimentos

Será na quinta-feira, dia 24 de outubro, na livraria Bullosa, em Entrecampos, que apresentarei este magnífico livro do professor Paulo Jorge de Sousa Pinto, com um prefácio do jornalista Ferreira Fernandes.

Contrariamente àquilo que o título algo "ligeiro" do livro pode induzir, estamos perante um trabalho com grande profundidade histórica, apoiado numa completa bibliografia, escrito num português "de lei", que nos ajuda a lançar um olhar novo sobre algumas questões dessa aventura ímpar que foram os descobrimentos portugueses.

10 brevíssimas

1. Catherine Deneuve fez 70 anos. Isto começa a ser preocupante...
2. Moçambique em pé de guerra. É o que dá um país começar a ter dinheiro.
3. Bela passagem de gerência na Câmara do Porto. Agora, a ver vamos...
4. Não é saudável o degradar da linguagem no discurso político interno.
5. Terroristas espanhóis libertados por erros da Justiça. Estas coisas pagam-se.
6. Jean-Claude Juncker ganha de novo no Luxemburgo. É um grande amigo de Portugal.
7. Tenho pena pela quebra do FC do Porto no plano europeu. Sem ele, goste-se ou não, Portugal não tem futuro no futebol internacional a nível de clubes.
8. Discretamente, saiu da cena da vida o general Belchior Vieira. Era um senhor das nossas Forças Armadas.
9. Continuam as dissonâncias no executivo. Agora é o "programa cautelar". Caramba: não conseguem combinar nada? Ou falar menos?
10. A entrevista televisiva do embaixador angolano em Lisboa foi modelar. Defendendo, com elegância diplomática, os interesses que o seu país entende dever defender.

Discriminação

Aqui entre nós, não deixa de ser uma suprema humilhação para Portugal o facto de, nas revelações que vão surgindo sobre as espionagem pelos serviços secretos americanos a políticos de vários países, não ter aparecido a mais leve referência a Portugal.

Então ninguém escuta os nossos governantes? Ninguém quer saber o que eles dizem? Ou será que os americanos já conhecem o "guião para a reforma do Estado" e nós não? Estarão a copiá-lo?

Faça-se devida justiça à oposição, que bem tentou remar contra a maré, denunciando escutas à sua sede. Mas também ninguém os ouve...

De copo e prato

Os franceses chamam-lhe os "pique-assiettes", os brasileiros qualificam-nos de "arroz de festa". Em Portugal julgo que não há um nome específico para designar aquelas figuras que fazem parte do panorama habitual das embaixadas, os frequentadores constantes dos cocktails e dos "dias nacionais".

Não me refiro àqueles que, por uma razão funcional ou outra, "têm" de estar nesses eventos: políticos, figuras da administração pública, embaixadores, empresários, académicos, etc, muitas vezes com ligações específicas ao país em causa. Para alguns destes, assistir a esse tipo de receções é por vezes um "frete", desempenhado por razões protocolares, outras vezes pela genuína simpatia que o anfitrião ou o país que os convida lhes merece. Mas, entre estes, há também quem adore andar por esses eventos, ser convidado, sentir-se parte desse mundo. Gostos.

Falo de quantos, sem motivo substantivo aparente, rodam com regularidade, comendo e bebendo, pelos salões diplomáticos. Raramente os vemos sem um copo na mão, conhecem os criados que já lhes conhecem os gostos, mantêm imbatíveis técnicas de abordar as mesas onde ficam pousadas as vitualhas, cuja geografia referenciam desde a chegada aos salões. Têm sempre um olho alerta para topar as figuras públicas conhecidas presentes, de quem se aproximam subtilmente, por sucessivas entradas de ombro, das quais se fazem lembrados e a quem logo apresentam os seus respeitos. Saltitam de grupo em grupo, sempre com um sorriso quase esgar, fazem imensa questão de apresentar uns a outros, cumulam de adjetivos elogiosos os conhecidos, dizem-nos que estamos mais magros e com bom aspeto, às senhoras galanteiam ao ponto de as fazerem acreditar em milagres. São, quase sempre, pessoas amáveis, faladoras, mas, há que dizer, há casos em que são uns imensos "chatos de galocha", que nos agarram o braço ou colam a cara à nossa, para revelar a "última". Alguns, contudo, são utilíssimos: "Não beba o tinto! É uma zurrapa!" ou "O salmão só lá vai com uma serra..."

A maioria acedeu aos círculos das embaixadas por uma função desempenhada no passado, há muito desaparecida. No caso delas, foi frequentemente por um casamento que já lá vai, às vezes por viuvez, às vezes por divórcio. Andam sempre com cartões pessoais, de letra deitada, a armar ao clássico, que apontam ao mais ínfimo diplomata estrangeiro que surja no seu horizonte, na certeza de que isso pode contribuir para continuar a ser lembrado na respetiva embaixada. A sua histórica "target" estratégica são as secretárias dos embaixadores, cuja memória adoçam pelos natais. Porquê? Para estarem sempre nas boas graças da "lista social", para terem a certeza de que, saído que seja um embaixador do posto, através delas garantem a sossegante "recondução" nos convites feitos pelo seu sucessor.

Nem todos têm a mesma capacidade de acesso. Há os que conseguem ir ao "14 juillet", à festa americana ou ao dia da raínha britânica. Em Lisboa, as festas nacionais da Espanha e do Brasil completam esta lista "top" de destinos sociais de eleição. Na sua hierarquia específica, a Itália e a Alemanha estão logo de seguida. Esta é a "aristocracia" destes "habitués", que nunca se referem ao "embaixador X" ou à "embaixatriz X", mas sempre ao "Philippe" ou à "Margot", íntimos, claro. Depois, há os mais modestos, os que só acedem às embaixadas da "Bordúria" ou da "Sildávia", onde vagueiam como aves de pequena rapina por salas desertas, às vezes por uma sandwich, às vezes por
 uma empada, deglutida com um vinho de segunda. Tenho um particular carinho por estes últimos, confesso. Chegam a ambicionar comendas, dessas capitais longínquas. E alguns conseguem-nas.

Conheci centenas destas figuras, ao longo de quase quatro décadas de vida diplomática. De alguns, fiquei mesmo amigo, para além de indefectível admirador da técnica, da sua capacidade de garantirem uma espécie de "oxigénio social" que lhes é vital para o quotidiano. De onde, diga-se, não vem nenhum mal ao mundo. Bem pelo contrário: sempre ajuda a compor receções desertas, onde a sua presença, quase sempre histriónica, é mais notada e desejada. E, então quando chove e os convidados rareiam, os anfitriões ficam ainda muito mais gratos.

Porque falo disto hoje? Porque, ontem à tarde, numa embaixada, encontrei um deles, um grande "profissional" deste "métier", que me disse: "Vou "raspar-me" porque tenho ainda duas "funções" a atender. Sabe como é!" Sei, sei. E lá o vi sair, discreto, leve, sempre muito leve...

Em tempo: como é óbvio, não poderei aceitar qualquer "name-dropping" nos comentários...

terça-feira, 22 de outubro de 2013

XXI

É uma revista anual da Fundação Francisco Manuel dos Santos. Chama-se "XXI - Ter opinião". O próximo número, relativo a 2014, sairá no início de novembro, sob a direção de José Manuel Fernandes, e é dedicada ao tema "Os Caminhos da Europa".

Tem artigos de muita e variada gente: D. Manuel Clemente, Maria Filomena Mónica, José Tavares, Vitor Bento, José Manuel Felix Ribeiro, João Marques de Almeida, Fátima Bonifácio, Alan Sked, Manuel Vilaverde Cabral, Fernando Adão da Fonseca, Paulo Guinote, Jacinto Lucas Pires e João Pereira Coutinho.

Por lá publico um texto, escrito neste verão, que espero possa ter "sobrevivido" à crescente imprevisibilidade da evolução das coisas europeias. Chama-se "A Europa é possível?" e foi assim sintetizado:

"A vida é o que é, e a da União Europeia também. E a Europa está a pagar o preço de ter avançado muito depressa e sem resolver os seus problemas de representatividade, o que recomenda que se proteja o acervo do processo de integração já percorrido, muito em especial os fantásticos avanços conseguidos no mercado interno e os ganhos das liberdades introduzidas no espaço europeu. Num tempo onde os grandes entusiasmos parecem colocados a recato, o bom senso recomenda aquilo que pode ser acusado de ser apenas um modesto “possibilismo” europeu, mas que aposta no essencial, no que não se pode perder."

Pode ler os textos aqui (subindo na imagem e clicando em "preview revista").

Ibero-américa

A ausência da presidente Dilma Roussef da cimeira/cúpula/cumbre ibero-americana deve ser avaliada com alguma atenção. E, estranhamente, não vi ninguém atentar nisso por cá.

O Brasil é um país que nunca viveu muito bem a "cultura" ibero-americana. Porquê? Porque sempre achou, sem o dizer, que este exercício está desequilibrado em favor do polo hispânico, porque a dimensão lusófona no seio desta estrutura não tem a dimensão que o Brasil considera à altura da importância que a si próprio se atribui. E tem toda a razão nisto.

Neste exercício ibero-americano, diga-se o que se disser, o polo hispânico prevalece, a Espanha surge como um país tutelar. Com exceção do México, a Espanha é maior do que todas as suas antigas colónias americanas. E isso tem importância na "autoridade" com que Madrid se afirma, a qual é reforçada pela constante presença do seu rei, que não "roda" como os restantes mandatários. Noto que esta terá sido, salvo erro, a primeira cimeira do género a que Juan Carlos faltou, neste caso por razões de saúde.

(Conta-se uma história divertida, ocorrida numa anterior cimeira, ainda antes do famoso "por qué no te callas!". O rei espanhol terá, no decurso de um debate, deixado uma nota crítica sobre o grau de democraticidade de uma eleição em que Hugo Chavez foi eleito. Este não "se ficou" e replicou: "Juanito, quando te presentares a una elección me llama, por que yo voy a votar por ti").

Voltemos ao Brasil. O conceito de "América Latina", para quem o não saiba, é um tabu na linguagem diplomática brasileira. Não se encontrará nunca um único diplomata brasileiro a utilizá-lo. O Brasil usa o conceito de América do Sul e as iniciativas em que mais abertamente se empenha (Unasul, Mercosul) não incluem geralmente a América Central, o Caribe e, naturalmente, o México (que é um país da América do Norte). Não quero aqui elaborar sobre as razões por que isso acontece, muito embora elas sejam óbvias. Quero apenas deixar claro que tem de se ter isto em conta para melhor perceber esta "incomodidade" do Brasil no exercício ibero-americano. E a razão por que lhe não atribui uma grande importância.

Dito isto, não será possível fazer nada para suscitar mais a atenção do Brasil para este quadro bilateral de entendimento, ao qual Portugal atribui (e bem!) um real valor? Claro que sim. O único modo de o conseguir é tentarmos gizar com o Brasil uma coordenação de posições, a montante destas cimeiras, transportando para o seu seio algumas vertentes que ambos partilhamos e em que temos uma experiência própria incontestável, para o bem e para o mal. A palavra África não diz nada?

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Revisitar o Memorando

O "memorando de entendimento" firmado pelo demissionário governo socialista, em maio de 2011, e subscrito pelo PSD e pelo CDS, contém um conjunto de medidas de política cuja execução deverá terminar em meados dos próximo ano.
 
Sem intuitos "politiqueiros", pergunto-me se não seria útil alguém qualificado proceder a uma análise, cuidada e rigorosa, sobre o modo como a realidade acompanhou, ou não, o que estava previsto nesse texto (aqui publicado).
 
Pode ser que eu esteja enganado, mas tenho a sensação de que há muitas coisas que acabaram por não sair do papel e julgo que talvez fosse importante perceber as razões por que isso aconteceu. Esse exercício ajudar-nos-ia, em especial, a aquilatar da qualidade da presciência da "troika".

A lição de Lisboa

As aventuras daquele primo da minha mãe corriam na família. Nascido em Trás-os-Montes, o Antoninho, como era conhecido, viera cedo para Lisboa e, por anos, perdera-se na noite da capital, até que um oportuno casamento o levou a "assentar". Era essa, pelo menos, a versão simplificada do seu percurso que nos era transmitida. Conhecia-o mal. Para mim, era apenas uma figura muito simpática, sorridente e divertida, que eu cruzava por Bornes, quando em férias, em agradáveis noites de cavaqueira, às vezes à lareira, em casa do meu avô. Fui crescendo com a sua imagem cordial, de alguém que vivia "lá em baixo, em Lisboa", desenhada por esses episódios esparsos da sua vida que se mitificaram, em caricatura gloriosa, na minha jovem imaginação.

Terá sido por esta altura do ano, em 1965, que, a contas com apenas uma cadeira que não completara no meu 7º ano do liceu, os meus pais me deixaram vir passar a Lisboa umas belas três semanas de férias, em casa de familiares. Ainda hoje me pergunto a razão deste "prémio"...

Num sábado dessas férias, o Antoninho ofereceu-se para me ciceronear por Lisboa. Foi um dia que nunca mais esqueci. Começámos pelas ruas da Baixa, onde ele me mostrou lojas e locais menos comuns, chamando-me a atenção para pormenores que escapam ao comum dos visitantes - e mesmo dos lisboetas. O Antoninho não era dado à coisa cultural, não havia livrarias ou objetos dessa natureza, era uma cidade mais típica, lida e selecionada por quem a calcorreara muito, com uma curiosidade de estrangeiro, neste caso de alguém que, vindo da província, olhou as coisas com outros olhos, talvez mais deslumbrados e seguramente mais alerta.

Pelo Tejo, o Antoninho levou-me a almoçar ao "Ginjal", a Cacilhas. De regresso a Lisboa, apresentou-me ao "British Bar", no Cais do Sodré. Passeámos depois pela Mouraria e por alguns dos seus lugares específicos. Ao final da tarde, ali no Martim Moniz, levou-me à abertura do "Bolero", apresentou-me ao Pinto e anunciou-me a existência do pianista cego que, anos mais tarde, eu muito iria escutar por lá, em longas e regadas madrugadas. Uma bilharada no primeiro andar do "Martinho" antecedeu um jantar no "Chico Carreira" e um copo final no "Galo". Só faltaram revista e fado, para cumprir a canção.

Já perto da meia-noite, deixei o Antoninho à porta da casa onde ele vivia, perto da Academia das Ciências. Aguardavam-no, à janela, com uma ansiedade em que se pressentia o temor de uma recaída na boa-vida, a mulher e a filha, com cara de poucos amigos. Já cúmplices, haviamos combinado uma "narrativa soft" do percurso introdutório à cidade que ele proporcionara aos meus 17 fascinados anos.

O Antoninho desapareceu desta vida, já há muito. No sábado, bebi um gin tónico, no "British", à sua memória, à memória de quem, nesse mês de outubro de 1965, me deu a minha primeira grande lição de Lisboa. 

domingo, 20 de outubro de 2013

O erro de Deauville

A jornalista Isabel Arriaga e Cunha, uma das grandes especialistas em matérias europeias na nossa imprensa, escreve hoje no "Público" um esclarecedor artigo, cuja leitura vivamente recomendo. De uma forma muito clara, ela explica como uma decisão da chanceler alemã, Angela Merkel, acolitada pelo então presidente francês, Nicolas Sarkozy, contribuiu num só dia para o agravamento súbito da crise financeira. Faz hoje três anos.

O  compromisso então firmado em Deauville por aqueles dois líderes políticos, que passou a prever a participação do setor privado no perdão das dívidas públicas do Estados, lançou a partir de então "fogo" em toda a zona euro e, não obstante pequenos ajustes posteriores, figurará para sempre na História como uma das mais desastradas decisões políticas do passado recente.
 
Leia aqui.

A Europa na Culturgest

Ao longo dos últimos meses, a Culturgest, sob a direção de Miguel Lobo Antunes, organizou quatro debates sobre a questão europeia, num ciclo intitulado "Portugal e a reformatação da Europa: incertezas, riscos, opções".

Quatro deputados europeus - Elisa Ferreira, Paulo Rangel, Diogo Feio e Rui Tavares - mantiveram diálogos respetivamente com João Ferreira do Amaral, João Salgueiro, João Costa Pinto e comigo sobre diferentes facetas dessa realidade.

Cada um desses debates prolonga-se por cerca de hora e meia, estando agora disponível em vídeos. Quem estiver interessado, pode visualizá-los aqui. *

*dá-se "um doce" a quem tiver essa paciência...

sábado, 19 de outubro de 2013

GOP

Um dos documentos oficiais mais desconhecidos são as "Grandes Opções do Plano", as GOP, para os iniciados, um texto que todos os governos são obrigados, anualmente, a apresentar à Assembleia da República. 

Em tempos passados, coube-me a autoria de algumas páginas desse que sempre foi um dos documentos menos lidos da vida política nacional. Partilhar da produção das GOP é a garantia de se entrar na História pelo mais discreto e menos glorioso dos anonimatos.

Como  gosto de ler textos bizarros, dei ontem uma vista de olhos às GOP para 2014. São só 187 páginas. E, para meu grande descanso e regozijo, verifiquei que nelas o governo prevê, já para 2014, a introdução do Abutre-negro no espaço nacional. 

Finalmente uma boa notícia, caramba!

Luis Filipe Costa


Pode dizer-se que, em Portugal, a informação radiofónica viveu dois períodos: antes e depois de Luis Filipe Costa.

Quem teve o privilégio de apreciar, nesses anos 60 e 70, o jornalismo que era produzido no velho Rádio Clube Português não esquecerá nunca Luis Filipe Costa, a sua voz e as fantásticas equipas que soube conduzir, num período que para sempre ficou na história da nossa rádio. Uma história que passou pelo 25 de abril, onde o Rádio Clube, nessa data fundacional da nossa Democracia, ficou conhecido como a "Emissora da Liberdade".
 
O rigor da produção noticiosa liderada por Luis Filipe Costa fez escola. Esse era um tempo anterior ao jornalismo radiofónico "ofegante", cheio de "ahaaas..." a encher hesitações, com vozes medíocres e atabalhoadas que agora campeia por aí, atingindo mesmo, nos dias de hoje, a bela aventura que já foi a TSF.

Luis Filipe Costa dedicou-se depois à escrita e ao cinema. Ontem, tive o gosto de o encontrar numa livraria lisboeta e com ele lembrei esse tempo fantástico que muito marcou a minha geração.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

"Fait divers"

O principal partido da oposição teve a luminosa ideia de propor a antecipação do debate do Orçamento, alegadamente para dar tempo ao presidente da República para requerer ao Tribunal Constitucional a fiscalização preventiva do diploma. Ideia que se sabia, à partida, que nunca seria aceite pela maioria.

De um momento para o outro, o debate sobre o conteúdo do Orçamento passou para segundo plano. Ao longo do dia de hoje, em toda a comunicação social, deixou de ser a política do governo, expressa no orçamento, a estar em causa para as atenções ficarem concentradas no caráter polémico da proposta da oposição.

Em política, a gestão das iniciativas e do seu tempo é uma das belas-artes.

Comichão europeia

Nasceu por aí uma polémica sobre um relatório onde o delegado em Portugal da Comissão Europeia se permitiu fazer comentários sobre os efeitos decorrentes das possíveis decisões do Tribunal Constitucional português, em face da proposta de orçamento.

Não entendo a surpresa. Se bem me recordo, o presidente da Comissão Europeia ainda há dias teve propósitos idênticos, embora neste caso nos possamos sempre questionar sobre se o fez nessa capacidade funcional ou na qualidade de eleitor residente nos círculos da emigração.

Não me recordo - mas deve ser um lapso da minha memória - de ter ouvido qualquer luminária da Comissão Europeia fazer comentários pressionantes ao tribunal de Karlsruhe, o órgão constitucional alemão, quando toda a Europa esteve suspensa das respetivas decisões.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Comparações

O meu pai, que tinha uma profunda aversão pelo regime ditatorial em que viveu mais de metade da sua vida, tinha a tese de que Salazar detestava os funcionários públicos e avançava, a esse respeito, com um conjunto de exemplos de medidas que, na sua perspetiva, testemunhavam essa atitude.

Ontem, dei comigo a pensar que, se acaso ele ainda fosse vivo nos dias que correm, era bem possível que relativizasse um pouco aquela sua avaliação. 

Joaquim Durão

Há pessoas que perdemos de vista, às vezes por anos, e que, por um acaso, voltamos a reencontrar. Ontem, voltei a cruzar uma figura que as novas gerações provavelmente desconhecem mas que, décadas atrás, foi um nome destacado do desporto nacional, imensamente popularizado pela televisão. Refiro-me ao xadrezista Joaquim Durão.

Conhecemo-nos em Angola, quando ele foi por lá representar o xadrez português. Encontrámo-nos depois, em outras ocasiões. Curiosamente, seria de novo Angola - ou melhor, uma conversa sobre um artigo que ontem publiquei sobre as relações luso-angolanas - a "juntar-nos".
 
Joaquim Durão tem hoje 82 anos e uma história notável contada no curto filme (6 minutos) que pode ser visto aqui.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

A política externa portuguesa e Angola*

Num dia dos anos 80, numa conversa em Luanda, quando era por lá diplomata, uma figura que viria a ter responsabilidades nas relações externas daquele país disse-me, mais ou menos, esta frase: "O peso da guerra colonial é muito forte. Portugal e Angola estão "presos", um ao outro. Umas vezes, isso será uma coisa boa, noutras vai ser bastante má. O futuro estará nas mãos dos que melhor souberem gerir a impaciência e a irritação que, durante muitos anos, vai continuar a existir entre nós". Isto foi afirmado num momento menos bom das relações bilaterais, com guerra civil angolana e fortes tensões entre Luanda e Lisboa. Lembro-me dessa frase muitas vezes e ainda não encontrei razões para infirmar a sua justeza.

Durante quase quatro décadas de diplomacia, assisti a todos os registos possíveis na atitude portuguesa face a Angola. Não os vou tipificar a todos, mas sempre direi que foram desde um seguidismo quase subserviente, para "não aborrecer o Futungo", até a atitudes de grosseira ingerência na vida interna do país, deliberadamente provocatórias para o governo de Luanda. No primeiro dos casos, por "realpolitik", económica ou estratégica, noutros casos pelo exacerbar de raivas de quem parece não se conformar com o fim do prazo de validade da atitude neo-colonial. Ambas as posturas permanecem ainda hoje por aí, continuando a ser caricaturalmente ridículas. E perigosas.

A primeira apressa-se a calar qualquer reação a tudo quanto emane, oficial ou oficiosamente, de Luanda. Perante declarações de responsáveis ou editoriais furibundos da imprensa local, que descarregam ácidos comentários sobre Portugal e a figura de alguns portugueses, a propósito da atitude da nossa Justiça face a atos praticados por cidadãos angolanos em território português, logo surge a conhecida legião dos "angolorealistas" a recomendar silêncio, à luz da sacrossanta proteção dos "interesses portugueses em Angola". Nalguns casos, a tese do “apaziguamento” vai até onde agora se viu.

A segunda é a velha escola da contestação da legitimidade do MPLA e das autoridades políticas angolanas em geral. Num primeiro tempo, essa doutrina apoiava-se numa patética hagiografia da UNITA, titulada pelos utentes dos "Jamba tours", cegos para a barbárie do líder do “Galo Negro”. Mais recentemente, essa atitude transmutou-se e surge escudada nas preocupações éticas, apoiadas numa espécie de “droit de regard” paternalista, que parece autorizar a que Portugal possa dar-se ao luxo de ter opiniões firmes quanto ao modo como os angolanos, não apenas organizam o seu poder político, mas a própria distribuição interna dos seus recursos.

A relação entre Portugal e Angola é demasiado importante para ficar limitada por esta dicotomia. Como antigo profissional da diplomacia portuguesa, só posso lamentar que o nosso entendimento bilateral com Angola esteja, em permanência, dependente de humores induzidos do exterior ou motivada por agendas ideológicas. Da mesma forma, a nossa política externa não pode continuar num tropismo quase exclusivamente reativo, enredando-se, ciclicamente, em epifenómenos tristes e degradantes. E, embora nada tendo a ver com isso, devo admitir que isso possa também corresponder também ao interesse de Angola, um Estado com um crescente perfil internacional, uma potência regional que não parece poder ter a menor conveniência de deixar-se arrastar, diretamente ou por intemediários oficiosos, numa espécie de esquizofrenia diplomática com a antiga potência colonial, a qual, a prolongar-se neste registo, se arrisca a conferir-lhe uma imagem de imaturidade no plano internacional.

Separemos, de uma vez por todas, as coisas: à Justiça o que é da Justiça, à política o que é da política!

Meço bem estas palavras: aos responsáveis angolanos deve ser dito, de forma clara e frontal, que não podemos deixar de considerar inamistosos comentários oficiosos, ou sem visível reação de distanciação oficial interna, que põem em causa a imagem de Portugal, bem como a honra e o funcionamento das nossas instituições judiciais, a pretexto de incidentes que envolvam figuras angolanas no nosso território; da mesma forma que não seria admissível, da parte oficial portuguesa, a expressão de suspeitas sobre o comportamento da Justiça angolana, num conjunto de casos em curso, que, embora pouco conhecidos, envolvem hoje interesses e a liberdade de cidadãos portugueses que vivem ou trabalham em Angola.

Cá como lá, nenhum operador da Justiça está acima da crítica, mas convém lembrar que os sistemas judiciais dispõem de meios próprios de contestação e recurso, que permitem regular posições que se opõem. A Justiça faz-se nos tribunais, não nos jornais. E, em Angola como em Portugal, ela deve atuar de forma independente, sem atender aos apelidos e às “cunhas”.

Temos o dever, de uma vez por todas, de acabar com a ideia de que Portugal e Angola são dois países eternamente reféns um do outro, através de misteriosas conspirações, chantageados por interesses ou por ódios ideológicos ou outros. É obrigação dos responsáveis de ambas as partes dar passos através de um diálogo político frontal, no sentido de descrispar este ambiente, que não é salutar nem digno de dois Estados soberanos, unidos por muitos e legítimos interesses, que estão muito para além dos "fait-divers" de conjuntura.

Para o futuro, temos a obrigação de saber estruturar com Angola uma relação diplomática madura e sem tabus, por muito que isso possa desagradar aos "enragés" da vingança pós-colonial, de ambos os lados da fronteira, a qual, aliás, não existe entre nós. Resta a convicção, de que, com o tempo, e também de ambos os lados, esses persistentes militantes da acrimónia bilateral acabem por cair no "caixote do lixo da História", citando um clássico que, cá como lá, já esteve mais na moda.

 
*Artigo hoje que hoje publico no "Diário de Notícias".

terça-feira, 15 de outubro de 2013

A expressão

Eram lendárias as hesitações daquele diplomata. Rebuscado cultor do perfecionismo, colocava em cada texto um esforço de "afinação" de escrita que ia sempre muito para além daquilo que o próprio bom-senso recomendaria. As matérias mais simples levavam-no a um trabalho insano, que demorava horas, porque não desejava deixar, a quem potecialmente o lesse, a ideia de um descaso ou de menor atenção face àquilo que os arquivos dele iriam recolher para a História. De duas circunstâncias ele se não dava conta: por um lado, que o que ganhava em rigor perdia em leitura, porque a atualidade e interesse dos seus textos iam fenecendo na razão inversa do tempo que ele lhes dedicava. E, por outro, os postos onde operava estiveram quase sempre longe da linha de prioridades de quem tinha a responsabilidade por tomar conta da nossa política externa, o que levava a que essa sua elaborada escrita tivesse sempre um escasso universo de leitores.

Uma dia, no país de um posto onde estava colocado, ocorreu uma grave tragédia natural, com perda de muitas vidas e haveres. Não obstante as agências noticiosas terem multiplicado pelo mundo, desde a primeira hora, relatos pormenorizados sobre a situação, o embaixador foi adiando, ao longo de todo o dia, para grande desespero dos seus colaboradores, o envio de uma comunicação a Lisboa, menos para relatar o que já seria conhecido mas, essencialmente, para dar conta da sua avaliação sobre as medidas que, no entendimento da embaixada, Portugal deveria tomar para se associar ao esforço internacional de solidariedade que já se desenhava.

As comunicações, à época, estavam longe dos meios vário hoje utilizados. Nem o telefone era fácil de usar! Só ao final do dia o embaixador concluiu, com o requinte estilístico habitual, um longo texto que, rasurado e emendado mil vezes, chegou à funcionária do "serviço da Cifra", que fazia a expedição dos "telegramas", a qual passou então um largo tempo a dactilografar para a máquina a obra-prima do seu chefe. Exausta, acabou, já ao início da noite, o telegrama, o qual foi então enviado ao ministério, a Lisboa, onde seria decifrado e colocado sobre as secretárias, na manhã seguinte. Tinha-se, assim, perdido, praticamente, um dia.

À uma da madrugada, o telefone tocou na casa da funcionária da Cifra. Era o embaixador. Pedia-lhe, delicado, se podia regressar à chancelaria, dada a necessidade de enviar algo "muito urgente" para Lisboa. A cidade onde a embaixada se situava não era fácil, em matéria de segurança, principalmente durante as noites. Ciente de que se vivia um tempo excecional, a senhora, que já estava a dormir, lá regressou ao local de trabalho, guiando o seu carro, pelas ruas desertas, num gesto de dedicação excecional. O embaixador esperava-a, no gabinete. Grato, com um sorriso, entre o nervoso e o embaraçado, estendeu-lhe uma folha com o texto de um novo telegrama. À distância, ao ver que era uma mensagem muito curta, a funcionária sentiu-se aliviada. Ao menos isso! E lá foi para a Cifra enviar o texto. Quando finalmente o leu, ia-lhe dando uma coisa má: "muito agradecia que, no meu telegrama anterior, todas as vezes em que surge a palavra "terramoto", esta fosse substituída por "tremor de terra"...

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Amigos

Há dias, li a notícia da recondução de Irina Bukova, como diretora-geral da Unesco, uma amiga de há quase duas décadas, que tive o gosto de voltar a cruzar, várias vezes, em Paris, nos últimos anos.

Depois, li que os socialistas europeus de indicaram o nome do alemão Martin Shultz, atual presidente do Parlamento europeu, para seu candidato a presidente da Comissão Europeia, recordando que ele mantém alguns bons amigos entre nós, entre os quais tenho o gosto de me contar.

É sempre muito agradável ver amigos assumirem posições de relevo. Mas costumo pensar que esse sentimento é ainda mais genuíno quando temos a absoluta certeza de que, no futuro, os nossos interesses não se cruzarão com as funções que eles ocupam. Como agora acontece comigo e com estes amigos. Os quais não servirão para alimentar a "receita" que, para a vida política britânica, deu origem ao celebrado livro do jornalista Jeremy Paxman, "Friends in high places"...

A cicatriz

Naquele tempo, naquele período de menos de seis anos que mediou entre a queda de Salazar (queda dupla: da cadeira de lona, em agosto, do poder efetivo, em setembro) em 1968 e a Revolução iniciada em abril de 1974, alguma coisa mudou na vida política portuguesa, embora não o suficiente para garantir um fôlego salvador à ditadura.

A televisão seria um dos instrumentos onde essa mudança se fez sentir. Ainda antes de 1968, Marcello Caetano havia sabido colocar alguns homens de mão dentro da RTP, um espaço de afirmação de poder onde, no "swap" de ditadores, se iria passar uma das lutas surdas entre o salazarismo decadente e o marcelismo nascente. Para além das "conversas em família" do novo chefe, um proselitismo monologante que o "presidente do Conselho" quis fazer passar por um ato de transparência democrática, a RTP passou a oferecer outras curtas palestras ideológicas, sem imagens que não fossem as das caras estáticas de jornalistas serventuários, alguns de muito considerável qualidade intelectual, oriundos de órgãos de imprensa do regime moribundo - o "Diário da Manhã", o "Novidades", "A Voz" e, mais tarde, a "Época". Os nomes não era muitos: Barradas de Oliveira, Dutra Faria, João Coito, Artur Anselmo e alguns mais.

Sempre tive um estranho fascínio e uma dedicada atenção a tudo quanto se situa do lado contrário àquele que defendo. Da mesma maneira que não dou prioridade a artigos, livros ou blogues que assumam teses com que sei, à partida, que vou concordar, acabo por ter um bizarro e quiçá masoquista tropismo para tudo quanto tenho a certeza de ir detestar. Por isso, as intervenções dos integrantes da lista de panfletários do regime que acima elenquei eram, para mim, momentos imperdíveis do espetáculo televisivo, por mais que isso chocasse familares e amigos.

Uma noite, numas férias, em Vila Real, aí por 1972 ou 1973, "divertia-me" a observar na RTP Dutra Faria, um jornalista da "situação", de ar grave e façanhudo, que se desdobrava numa qualquer diatribe anticomunista ou contra os "terroristas" que operavam nas colónias. Ao meu lado, o meu pai mostrava alguma indiferença à palestra e só não punha termo ao meu obsessivo "voyeurisme" do regime porque, havendo um só canal televisivo, o "zapping" era então um conceito inexistente.

Num certo momento da charla televisiva, o meu pai comentou:

- Já reparaste naquela cicatriz que o Dutra Faria tem sobre a sobrancelha?

De facto, mesmo no preto-e-branco da imagem desses tempos, era visível que o homem tinha uma marca muito clara na cara.

- Eu assisti ao momento em que o Dutra Faria "ganhou" aquela cicatriz. Foi há mais de 40 anos...

Olhei com alguma surpresa para o meu pai. Ele era o que se pode chamar um republicano "dos quatro costados", nunca escondera a ninguém o seu pendor oposicionista, havia-me levado pela mão a ver o Humberto Delgado em 1958 e, em 1969, tinha apoiado a minha participação na aventura eleitoral vilarealense contra o regime. Mas, confesso, não imaginava que tivesse estado imerso num combate político com decorrências físicas. Por isso, fiquei à espera da explicação.

- Julgo que foi em 1930, na "casa de pasto" Liège (*), no início do elevador da Bica. Era um restaurante de galegos, que os funcionários da Caixa Geral de Depósitos, como eu, então frequentavam. Um dia, durante um almoço, assisti a uma cena que me ficou na memória. Um grupo de "camisas azuis" - os nacional-sindicalistas, dirigidos por Rolão Preto (**) - começou, numa mesa, a dar vivas à contra-revolução e ao fascismo. Os tempos políticos eram muito tensos. A ditadura estava em pleno e os nacional-sindicalistas andavam então numa grande euforia, julgando ser possível instituir em Portugal um modelo próximo do fascismo italiano. Pouco tempo depois, Salazar iria pôr um ponto final nesse radicalismo. Os comensais das restantes mesas olhavam o ruidoso grupo, mas mantinham-se em silêncio. Dei-me então conta que um homem que almoçava sozinho começou a agitar-se e, a certa altura, não se conteve e gritou: "Viva a República!". Os nacional-sindicalistas, sentindo-se provocados, levantaram-se e cercaram a mesa do republicano. Este, ameaçado por todos os lados, pegou numa garrafa e enfrentou o grupo agressor. Na luta que se seguiu, um dos "camisas negras" foi atingido no sobrolho e começou a sangrar. Aproveitando a confusão, o republicano conseguiu fugir pela calçada da Bica abaixo. O ferido era o Dutra Faria e o republicano chamava-se Carvalho Araújo(***). Tu sabes quem é...

Claro que sim! Era o Carvalho Araújo, um homem com quem eu tinha colaborado, ali mesmo em Vila Real, na referida batalha oposicionista de 1969 e de quem já um dia contei uma divertida história neste blogue. Fora afastado da função pública pelo Estado Novo e, depois de uma vida difícil e tumultuosa, regressara a Vila Real, pouco tempo antes. Muito radical e com mau feitio, acarretava consigo uma aura de resistente à ditadura que muito impressionava a nossa geração local.

Nessa noite, fiquei a saber a quem se devia a (republicana) cicatriz que nunca mais abandonou o rosto de Dutra Faria.

(*) - A casa Liège ainda hoje existe. Voltei lá um dia, com o meu pai, num almoço em que me descreveu a coreografia da cena.
(**) - Por um bambúrrio histórico, eu tinha conhecido Rolão Preto, no Fundão, numa noite em meados de outubro de 1969, numa reunião oposicionista. O antigo nacional-sindicalista, então com 76 anos, tinha-se aliado a uma lista monárquica anti-regime. Deixo uma imagem dos seus tempos áureos.
(***) - Carvalho Araújo viria a ser reintegrado na Caixa Geral de Depósitos, depois da Revolução de abril. No escasso tempo que lhe restava antes da aposentação, ficou colocado sob a autoridade do meu pai, gerente da Caixa na cidade, que também não lhe gabava o feitio...

(EM 17 DE DEZEMBRO DE 2017 FOI PUBLICADA NESTE BLOGUE UMA VERSÃO ATUALIZADA E CORRIGIDA DESTE POST)

domingo, 13 de outubro de 2013

O Nobel e a Noruega

Como (não) é (às vezes) sabido, a designação do prémio Nobel da Paz - contrariamente a todos os outros prémios Nobel, que são atribuídos na Suécia - é feita pelo comité Nobel da Noruega. Invariavelmente, a entrega do prémio tem lugar no dia 10 de dezembro, no Rådhus, a câmara municipal de Oslo, pelo primeiro ministro norueguês, na presença do monarca do país. Conheço bem o edifício e a sala, respetivamente com uma arquitetura algo "brutalista" e umas discutíveis pinturas, onde me coube participar num jantar oferecido pelo falecido rei Olavo V ao presidente Eanes.

Quando, por alguns anos, vivi pela Noruega, travei conhecimento com um dos membros desse comité, que era amigo do meu primeiro chefe em Oslo, o embaixador Fernando Reino. Integrar o comité é uma função prestigiada, sendo os seus membros vulgarmente (à época, o que pode ter mudado entretanto) próximos do Partido Trabalhista. Infelizmente, esse meu conhecido nunca se revelou aberto a revelar-me o modo como as escolhas e decisões do comité eram tomadas. A consciência do prémio configurar um momento importante para a imagem externa do país, o que, para um norueguês, assume uma importância extraordinária, deve ser a razão desta reserva secretista. Mas, devo confessar, a metodologia de atribuição do galardão sempre me intrigou.

Este ano, o Nobel da Paz é concedido à Organização para a Proibição das Armas Químicas. A escolha foi criticada por alguns, por poder ser lida como transportando para o centro da questão síria apenas uma das vertentes do conflito no país, podendo assim ajudar Assad a, resolvido que seja esse problema, considerar que está legitimado noutras dimensões do seu bárbaro esforço de guerra. Mas nada disto é novo: muito frequentemente, as decisões do comité Nobel da Paz têm, no passado, sido controversas, às vezes bem mais do que este ano.

De há uns anos a esta parte, tenho para mim que as escolhas dos prémios Nobel da Paz acabam por ser um espelho muito interessante da própria mentalidade norueguesa. Umas vezes, a seleção segue uma lógica simples e conjuntural, foi o caso deste ano. Outras vezes, parece obedecer a uma "naïveté" quase deslumbrada, como foi o caso de Obama, que, à época, ainda não existia enquanto político com história a premiar. Não raramente, o comité optou por algumas ousadias, quase sempre muito "politicamente corretas", que lhe conferem uma imagem de "espírito de ONG" - e mais não digo...

Se olharmos com atenção, ao longo dos anos, para os nomes escolhidos para os prémios Nobel da Paz, quase que poderemos, através deles, descortinar o verdadeiro perfil psicológico desse país singular que é a Noruega - gente simples, preocupada com a "rightouseness", as mais das vezes algo óbvia, mas sempre séria e "modestamente" surpreendida com o facto do mundo teimar em não se lhe assemelhar.

sábado, 12 de outubro de 2013

A ponte a pé

A questão da escolha da ponte em que terá lugar a manifestação da CGTP tem vindo a ser abordada numa perspetiva de segurança. O governo entende que seria mais prudente fazê-la na Vasco da Gama, enquanto que os sindicalistas pretendem a 25 de Abril. 

Ora, ora... O que a CGTP quer é uma ponte que possa encher para a fotografia, o que será fácil com a mobilização da rapaziada da "outra banda". O que o governo quer é enviá-los para tão longe quanto possível, para um espaço onde ficasse visível a incapacidade sindical de o preencher. No meio disto, discute-se segurança...

Assumir a verdade, em política, é muito complicado, não é?

A Turquia em breves conversas

Universitário iraniano, em estágio no país - "Embora se sinta por aqui uma crescente tendência para impor normas de inspiração corânica, nota-se na Turquia um evidente progresso económico e social que faz com que as pessoas sintam que têm um futuro. Ao contrário, no meu país, há uma tristeza muito grande na população, que se sente "raptada" por uma elite política que circula pelos lugares de poder, com uma legitimidade que lhe é dada pela invocação de Deus, por tudo e por nada. Aqui, nota-se um ambiente bastante autoritário, como se viu na repressão às manifestações, mas essa sempre foi a marca do país, desde Ataturk. Há uns anos, o Irão era o país rico e a Turquia o pobre; agora é o contrário. Gostaria de ficar a viver aqui para sempre".

Amigo turco - "Vive-se aqui uma prosperidade económica e uma ambição nacional de grandeza, à escala internacional, que começa a não ser compatível com o retrocesso de costumes que o governo quer impor à sociedade. O "template" autoritário, que continua a ser a marca do país, passou da mão dos militares, que agora são quase humilhados, para um setor da classe política que descobriu uma forma de se prolongar eternamente no poder. Lembras-te de eu te dizer, há mais de dez anos, que a Europa era a nossa esperança? Pretendíamos utilizar a adesão à União Europeia como "escudo" contra o nacionalismo orgulhoso. Com a persistente atitude europeia de rejeição da nossa candidatura - eu sei que Portugal nunca teve essa posição... - as coisas são hoje o que são! Mas as tensões internas vão permanecer muito grandes, podes crer".

Portuguesa residente - "É um pouco inquietante assistir ao surgimento de práticas e leis que revelam a clara intenção de islamizar os costumes. Isso é feito pouco a pouco, às vezes com pretextos de momento, mas pressente-se que há uma estratégia de longo prazo. Há muitos setores na juventude turca que dão sinais de não estarem dispostos a aceitar este retrocesso, que, aliás, acaba por ser contraditório com o prolongamento da divinização de Ataturk, cuja obra foi precisamente na direção oposta. Mas muitos dos meus amigos turcos reconhecem, contudo, o trabalho de Erdogan para melhorar a qualidade de vida e colocar o país no centro da cena internacional. Por isso é que o partido no poder é reeleito".

Governante turco - "Estamos a fazer um esforço de alargamento da nossa presença diplomática à escala global, por forma a colocar a Turquia no patamar de influência à altura daquele que é já hoje o nosso papel no mundo. Temos ações de cooperação para o desenvolvimento em várias áreas do mundo, está em curso uma forte extensão da nossa rede de embaixadas e consulados. Estamos envolvidos em iniciativas para provocar uma nova reflexão sobre o atual injusto equilíbrio de representação no seio das Nações Unidas e noutras instâncias internacionais".

Diplomata turco - "É chocante o modo como a comunidade internacional se comporta no tocante à partilha de responsabilidades no caso dos refugiados sírios. A Turquia assume hoje, sozinha, uma inaceitável parte do peso dessa tragédia, com centena de milhares de refugiados, instalados em dezenas de campos, que se situam, aliás, em áreas menos desenvolvidas do país, que, em alguns casos, duplicaram a respetiva população, suscitando situações sociais da maior gravidade. Temos tido, ao nosso lado, António Guterres, como alto-comissário da ONU para os refugiados, que tem feito um trabalho notável, cuja ação e entusiasmo são hoje muito respeitados, mas que continua a não ter meios para atuar de forma sempre eficaz. A repetição incessantes deste tipo tragédias justifica um esforço internacional concertado".

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Diplomacia e lavoura

De Lisboa, um amigo alertou-me, ontem à noite, para o facto de um diário lisboeta ter citado, em comentários negativos sobre o ministro Rui Machete, alguns diplomatas aposentados, que teriam pedido para manter o anonimato.

Nem sei bem porquê, lembrei-me dos tempos em que, na União Europeia, a diplomacia portuguesa se batia, com sucesso, pelo aumento das quotas de tomate. Valeu a pena?

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Prova de vida

Escrever um blogue e nele procurar ter uma atividade diária é, podem crer, uma tarefa complicada. E exigente.

Ontem, tive um dia de intenso trabalho em Antalya e, logo depois de uma corrida para o aeroporto, uma viagem, ao final da noite, para Ancara. Hoje, aqui na capital turca, bem cedo, tive duas reuniões. Agora, fechado numa sala a trabalhar, recebo um email de um amigo, algures em Portugal, com o seguinte teor: "Há algum problema contigo? Como não escreveste hoje nada no blogue..."

Caramba! Já não se pode passar um dia sem dar "prova de vida"? Pronto, aqui está o "post" de hoje. OK?

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

América Latina na Turquia

Todos os dois anos, a Federação Internacional de Estudos sobre a América Latina e o Caribe organiza o seu congresso, que decorre, nestes dias. em Antalya, na Turquia. 

Fui convidado pelo Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Ancara a estar presente neste exercicio, no qual procurarei desenvolver, no encerramento da sessão de hoje, o tema da importância geopolítica da América Latina para a Europa, nas suas diversas vertentes. 

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Para o Sérgio Moutinho

Olá, Sérgio

Cheguei há pouco ao sul da Anatólia, aqui na Turquia, não muito longe da Síria de que tanto me falavas com entusiasmo. De repente, lembrei-me que terá sido mais ou menos por aqui, no final dos anos 80, que vinte e tal facadas traiçoeiras te calaram a alegria. Foi num dos meus mais tristes Natais, em Vila Real, aquele dia frio em que te fomos deixar para sempre em Santa Iria.

Ainda tenho, entre algumas outras, uma carta tua, enviada meses antes, de Ancara, em que me falavas do teu cansaço com o posto onde te mantinham, para além do razoável, muito contra a tua vontade. Lembro-me de me teres dito que te apetecia concorrer a Marselha e de eu te desaconselhar essa opção, já nem sei bem com que argumentos. E de não ter tido artes para te tirar da Turquia, coisa que nunca me perdoei. Não esqueço também o nosso último almoço, na Laurentina, com a Mi Allegro, a quem tu davas conselhos para a vida afetiva - logo tu, Sérgio!

Já passaram muitos anos, mesmo muitos, desde os tempos em que desembarcaste em Vila Real, vindo dos "States", com o melhor inglês da cidade, sempre agitado e agitador, numa terra pouco dada a acomodar quem não estava "nem aí" para se acomodar. Foram os tempos comuns no liceu de Vila Real, onde só o teu entusiasmo, e a paciência bracarense do professor Ladislau, conseguiu levar-nos a montar o fantástico "Centro de Estudos Geográficos", onde, com o Elísio Neves, o Zé Barreto, o Carlos Leite e alguns outros, soubemos dar a volta à rotina desses dias algo baços, numa cidade que - confessemos! - era então uma grande chatice. Ainda guardo exemplares do "Meridiano", órgão do Centro, com textos que hoje me fazem sorrir.

Para ti, que sempre foste um apressado dos tempos, esse foi apenas o início de um percurso trepidante, que te levou à universidade de Coimbra, a dar aulas, a ser preso pela Pide, a te meteres na aventura da cooperação na jovem Guiné-Bissau. E, finalmente, sob o meu conselho, a entrares para a carreira diplomática, onde foste uma promissora estrela, tão efémera como acabou por ser a tua vida. Tudo isso feito sob o olhar bom, sorridente e deliciado, da tua mãe, a âncora mais fiel de uma existência em que, sem outras baias que não fossem as do usufruto obsessivo do instante, testaste todos os limites e abanaste todas as convenções. Até àquela noite.

Nunca se soube, nem se saberá ao certo, o que aconteceu nessa ocasião trágica, aqui na Anatólia. Como dizem os juristas, "a doutrina divide-se" e eu fiz parte de uns poucos que, contra a vontade de alguns outros - à frente de quem esteve, quem havia de ser?, a nossa amiga Ana Gomes, que tu me havias apresentado um dia - nunca se mostraram excessivamente empenhados em escrutinar o rigor dos factos ocorridos, talvez porque o facto maior foi sempre a tua morte, e essa foi a tristeza definitiva que nenhuma revelação sensacional poderia reverter. E porque, quem sabe se erradamente, sempre fui de opinião de que a verdade oficial que, inevitavelmente, seria vendida e mediatizada, só iria contribuir para agravar a tristeza de quem te estava mais próximo.

É tudo quanto hoje te quero dizer, Sérgio, aqui da Turquia, um país a que sempre te associo. Se acaso há algum lugar por onde possas andar, só tenho uma certeza: estarás a agitar as águas e os espíritos. Recebe um abraço saudoso do

Francisco

ps - não te falo da política caseira porque, conhecendo-te, "passavas-te" se eu te contasse como as coisas andam por lá, por Portugal. Mas, mesmo assim, felicito-te pelos resultados em Setúbal, em Évora, em Loures ou em Beja, entre outros lugares onde os teus (o "partido", como tu dizias) mostraram a sua consabida arte de bem cavalgar todas as crises.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Constantinopla

Daqui a pouco, vou apanhar um avião para Istambul, que já se chamou Constantinopla.

Por uma mera coincidência, acabei ontem de ler "O homem de Constantinopla", primeiro volume de uma biografia romanceada de Calouste Gulbenkian, da autoria de José Rodrigues dos Santos. É um livro que se lê bem e que, para além da trama caricaturada do romance, nos permite um olhar sobre um tempo interessante. Nele é retratada a vida otomana e a odisseia da população arménia naquele país, no final do século XIX, bem como as manobras dos impérios no Médio Oriente desse tempo que antecedeu o primeiro grande conflito mundial. Resta aguardar pela sequela da história, que sairá em Novembro, intitulada "Um milionário em Lisboa", para completar esta versão da saga de um homem que foi genial nos negócios, com um apurado sentido da beleza o que, segundo o livro, também não terá sido alheio a alguns gostos bem peculiares que marcaram a sua vida íntima, coisa de que até agora não tinha ouvido falar. Curiosamente, está em preparação, por um historiador britânico, uma completa biografia de Gulbenkian, que será interessante cruzar depois com este romance.

domingo, 6 de outubro de 2013

Civismo

Em Portugal, os eventos prolongam-se muito para além da sua realização.

Se bem repararem, ainda sobrevivem, rotas e desmaiadas, por janelas e varandas do país, bandeiras nacionais do Euro 2004. Não é patriotismo, é desmazelo.

Das festas populares de verão, sobram ainda, de árvores ou em paredes, cartazes e pendões rasgados. Para inundar o panorama, tudo bem, para "recolher as canas" é que é o diabo!

As eleições autárquicas já foram há uma semana. O que justifica que, por todo o lado, permaneçam "outdoors" e imensa propaganda?

Enfim, ainda há letreiros assinalar a EXPO 98...

O tempo e a política

As regras da vida política dos dias que correm são, para o bem e para o mal, muito diferentes das que existiam no passado. O escrutínio público do atos e da vida dos atores políticos é muito maior e com um grau de exigência acrescido, sendo que, quando o vento geral não corre de feição, esse ambiente dominante tudo agrava. Aquilo que, num período de "estado de graça", poderia ter passado como um "fait divers", assume uma relevância de outras proporções quando surge a contraciclo. E se, como às vezes acontece, isso vem somar-se a "episódios" anteriores, então, para usar a elegante formulaçao recente do presidente da Comissão europeia, "o caldo está entornado". Cedo ou tarde.

Desde sempre, entra-se para um governo para colaborar num projeto no qual se acredita, para ser útil, para resolver problemas. Se alguém, a certo ponto, constata que a sua presença acaba por constituir-se, em si mesma, como um novo problema para o próprio governo, recomenda o bom-senso que seja o ator político a tomar a decisão de afastar-se. Sem perda de tempo, limitando o desgaste. Poderá, dessa forma, preservar melhor a sua história pessoal e contribuir para deixar de ser um peso para o executivo com o qual se sente solidário. Esta, aliás, é uma regra bem antiga, pelo que quem já viveu outros tempos da política tem obrigação de conhecê-la.

A tabacaria

Era uma pequena tabacaria de vão de escada, situada no edifício entre a igreja da Encarnação e a então livraria "Diário de Notícias", no Chiado, onde hoje está a Hermès. Dirigia-a uma matrona faladora, que sempre vi à conversa com uns tipos de fato cinzento, sem notória ocupação, que se encostavam pela entrada.

Terá sido por 1971 ou 1972. Num dia, entrei na tabacaria - se assim se pode dizer, porque o balcão estava quase junto à porta - e pedi o "República", o diário oposicionista que saía no início da tarde.

A matrona olhou-me com um sorriso desdenhoso e replicou: "Eu não vendo esse jornal!". Virei as costas, mas ainda ouvi o comentário dela para um dos cavalheiros que ornava a moldura da porta: "Ó Teixeira! Este queria o jornal dos comunas. Deve ser daqueles de quem vocês gostam..."

Saí "gelado" pelo Chiado abaixo. O Teixeira era, com toda a certeza, agente da Direção-Geral de Segurança (o "heterónimo" que o marcelismo tinha criado para a Pide), cuja sede ficava na rua ao virar da esquina.

Depois do 25 de abril, viria a saber-se que a dona da tabacaria era "fiadora" de muitos pides e que aquele era um pouso de predileção dessas figuras.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Os nomes e lugares

Vi que saíram da cena da vida Silvino Silvério Marques e Vasco Lourinho. Quem, com menos de 30 anos, sabe quem foi o general efemeramente reciclado pelo 25 de abril ou o correspondente madrileno da RTP com o mais "portuñolez" dos sotaques? Quem, neste presente muito vertiginoso, tem tempo para um passado cuja evocação deve soar a uma espécie de "name-dropping" nostálgico?

Cruzei esta dúvida com a experiência, que há dias aqui contei, de uma conversa com jovens interessados em falar sobre o património de convívio que se esvai, com os lugares desse outro tempo e das pessoas que ajudaram a fazer-lhes o nome. Fiquei então muito agradado e surpreendido com o facto de terem sido eles a promover uma iniciativa deste género, de procurarem "agarrar" o passado, talvez por entenderem que ele é parte importante da sua própria identidade.

Nessa conversa, e à medida que falava, ia-me dando conta de que, porventura, podiam ter para eles escasso significado nomes de figuras que eu ainda vi pela "Smarta", de escritores que identificava na "Paulistana" ou no "Monte Branco", da importância de quantos preparavam pelo "Vává", mas também pela barra do "Gambrinus", o renascimento do cinema português. Arrisquei falar de gente interessante que cruzei na "Granfina", de algumas conspirações leves a que assisti, em fins de tarde, no "Montecarlo", bem como dos "internacional-situacionistas" que por lá surgiam, dos "situacionistas" do regime (e dos sportinguistas, o que, ao tempo, era bastante o mesmo) que andavam pelas mesas de canto do "Aviz" ou, um pouco mais acima, de alguma intelectualidade, esquerdalha e jornalística, que passava pela "Ribadouro" ou pelo "Café Lisboa". Mas também de figuras que vi ou conheci por noites do "Botequim", do "Bolero", do "British Bar", da "Alga" ou do "Alfredo". E de quem parava, às tardes, pelas livrarias do Chiado, que antes eram lugar de animada tertúlia - lembrando, no que me toca, especialmente a "Opinião", com o pessoal saído das redações do Bairro Alto.

Alguns perguntarão: mas que importância tem isso hoje, ou, como em tempos se dizia cinicamente, "em que é que isso contribui para a minha felicidade?" 

Ora bem, eu também não andei com o Bocage no "Nicola", nunca encontrei o Eça na "Havaneza", nunca vi o Pessoa no "Martinho da Arcada", não cruzei as gerações históricas da arte na "Brasileira", já não topei surrealistas no "Gelo", não estava no "Chave d'Ouro" quando o Delgado anunciou o decreto de demissão de Salazar. E, no entanto, sei bem quem eram, por onde paravam, o que uns fizeram, o que outros escreviam, conheço histórias que os uniam ou separavam. Um país é isso tudo. É também o que fica para trás. E que nos compete ajudar a transmitir. Dar razões às novas gerações para se interessarem pelo que já lá vai é uma tarefa que ainda vale a pena. Acho eu!

O discurso da "troika"

Há momentos tristes na vida de um país. 

Um deles é ver, com a óbvia cumplicidade (senão mesmo a pedido) das autoridades nacionais, um grupo de credores institucionais externos expressarem, de forma ostensiva, uma pressão sobre um órgão de soberania como o Tribunal Constitucional português. Leia-se isto:
"No caso de algumas destas medidas virem a ser consideradas inconstitucionais, o Governo teria de reformular o projeto de orçamento a fim de cumprir a meta do défice acordada. Tal, contudo, implicaria riscos acrescidos no que se refere ao crescimento e ao emprego e reduziria as perspetivas de um regresso sustentado aos mercados financeiros."
Pergunto-me sobre a reação que, em outros países, um tipo de declaração desta natureza teria desencadeado. 

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Uma equação belenense

  • Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se altamente crítico da prestação de Pedro Passos Coelho como líder do PSD, considerando mesmo ter sido o pior de toda a sua história partidária.
  • No caminho para as próximas eleições presidenciais, em 2016, o presidente do PSD, seja ele tem for, terá sempre a palavra decisiva na escolha do candidato que o partido vier a apoiar.
  • Como é sabido, em certos setores do PSD, o nome de Rui Rio começa a ser muito falado como alternativa possível ao atual líder, particularmente se o resultado nas eleições europeias, em meados de 2014, voltarem a ser desastrosos para o partido.
  • Marcelo Rebelo de Sousa nunca escondeu as suas ambições presidenciais e o sufrágio de 2016 é, muito provavelmente, a sua derradeira oportunidade, tanto mais que a lógica portuguesa aponta para a recondução dos presidentes em funções.
  • Como se chamava o secretário-geral do PSD que Marcelo Rebelo de Sousa escolheu quando foi presidente do partido?
  • Acertou! Chamava-se Rui Rio.

O futuro da PT

Escrevi aqui um dia que, cada vez mais, só emito opiniões firmes sobre questões relativamente às quais julgo possuir conhecimentos suficientes para formular um juízo minimamente consistente. Quanto ao resto, posso ter vagas ideias, mas elas não dão mais do que para uma mera conversa de café.

É este último sentimento que tenho face à questão da fusão da PT com a brasileira Ói, que por uns dias vai dominar o debate público e que, com toda a certeza, irá ser objeto de tomadas de posição, definitivas e enfáticas, por parte dos nossos conhecidos "tutólogos" - essa originalidade nacional que nos dá o privilégio de possuir um mão cheia de figuras que falam e escrevem de cátedra, sobre tudo o que "vem à rede", desde o desporto à economia, da saúde às obras públicas, passando naturalmente pela política, área em que são ases deste baralho de bisca lambida que nos calhou em rifa.

Por coincidência, e ao tempo em que era embaixador português no Brasil, tive o ensejo de participar em conversas que Henrique Granadeiro manteve com entidades oficiais brasileiras, com vista a apresentar-lhes o modelo estratégico que a PT tinha em perspetiva para aquele país. Não podendo entrar aqui em detalhes, porque a reserva profissional a isso não me autoriza, posso contudo dizer que esse modelo procurava associar, de forma criativa, valências empresariais dos dois países, com a finalidade de obter importantes ganhos de escala, com impactos pretendidos no espaço global da língua portuguesa, numa lógica que excedia em muito as meras comunicações para se prolongar na futura gestão de conteúdos. Era um formato que, ao tempo, parecia coerente e com perspetivas de ser uma boa aposta para o futuro.

Muita água correu, entretanto, sob as pontes. As alianças da PT no Brasil acabaram por ser algo diferentes das que, à época, pareciam ser as mais desejáveis. Foram, com certeza, as possíveis e é nesse novo quadro que o modelo agora anunciado se concretiza.

Como disse, não tenho a menor opinião sobre a bondade da opção seguida. Tenho, porém, duas certezas. A primeira é a de que Henrique Granadeiro é uma personalidade que, ao longo destes anos, maturou e mostrou uma leitura estratégica para a PT, feita de uma grande experiência e de um evidente acumular de sucessos. A segunda é de que Zeinal Bava é, nos dias que correm, reconhecido como um dos mais brilhantes gestores mundiais na área das telecomunicações. Só podemos esperar que a decisão que ambos tomaram - e que, do lado da PT, cabe essencialmente aos acionistas avaliarem - tenha sido a melhor.

Lugares da vida urbana

A iniciativa insere-se no âmbito da Trienal de Arquitetura de Lisboa. O projeto chama-se Gargantua Collective e, em síntese, tem por objetivo refletir sobre as perdas, para o património humano e cultural das cidades, que pode representar a desaparição de alguns locais públicos de convívio lúdico e de restauração, que estão hoje sob forte ameaça, em grande parte pela crise económica, mas, noutros casos, pela mera inadequação da sua oferta, algo estática, face aos desafios do consumo contemporâneo.

O olissipógrafo José Sarmento de Matos e eu próprio, fomos anteontem convidados a falar, perante um público jovem, atento e interessado, que se juntou no restaurante "Pessoa" - uma casa com 164 anos, por onde o homónimo poeta também passou, na clássica rua dos Douradores - sobre a importância desses locais, como plataformas de sociabilização e, em alguns casos, como espaços de criatividade e diálogo cultural, com dimensão histórica significativa.

Dediquei a Lisboa grande parte daquilo que disse, nessas quase duas horas e meia de convívio, onde também se leu poesia e se avaliou a evolução do usufruto da "rua" e da noite pelas gerações, chamando à conversa as redes sociais e a globalização da cultura do imediato, que hoje atravessa as camadas mais jovens, que olham preferencialmente para outros suportes, muito para além dos livros, dos jornais ou da televisão. 

Sem a menor nostalgia mas com o carinho devido, falei de cafés, bares e restaurantes perdidos ao longo dos anos, realçando sempre, contudo, que nunca como hoje a cidade de Lisboa esteve tão "gloriosa" e diversa em termos de oferta gastronómica e de locais de convívio, não apenas para os jovens, mas para todas as gerações e gostos. E abordei, com alguma atenção, a evolução da vida urbana fora da capital, no Porto e em outras cidades de província que conheço bem, notando as mutações nos hábitos e, com elas, a perda inevitável e irreversível do lugar social de certos espaços, como, aliás, acontece um pouco por todo o mundo que se nos assemelha.

Houve ocasião para abordar o tempo da vaga avassaladora dos bancos sobre muitos cafés, explicando o papel que estes tinham desempenhado, durante muitos anos, na atenuação da solidão de quem, vindo da província - e, à época, "quase não havia lisboetas..."- caía desamparado numa cidade que parecia imensa, fosse ele estudante ou trabalhador. Falámos das tertúlias políticas, intelectuais e literárias, desportivas ou simplesmente lúdicas, da noite "que era predominantemente masculina", salvo num seu certo lado... Falámos muito, de facto, dessa noite, da boémia, pobre e rica, dos bares, dos cabarés, até do fado, dos escritores e dos seus lugares preferidos, dos locais operários e estudantis. E da cultura, dos suplementos literários, das revistas que marcavam um tempo que era muito mais lento e menos perecível, agora apagado de imediato pelo dia seguinte.

Sarmento de Matos, com o seu conhecimento histórico ímpar da capital, deu-nos notas curiosíssimas sobre a evolução espacial de Lisboa, dos círculos de identidade em que a capital se desdobrou, das dinâmicas sociais urbanas e no modo como a cidade se foi construindo.

Na sala estava uma das figuras a quem a divulgação da vida e obra de Eça de Queiroz mais deve, o arquiteto Campos Matos, que contribuiu com traços muito interessantes dessa Lisboa novecentista. Apelámos à audiência para que lesse "A Capital", onde está tudo: os cafés, as tertúlias, os lugares de restauração, a vida social e intelectual, visto sob um (falso) olhar provinciano. Olhar essa Lisboa é meio caminho andado para entender a Lisboa de hoje. E Portugal.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O voto de Berlusconi

Graças a Sílvio Berlusconi, a Itália parece ter regressado a um novo ciclo de turbulência. Hoje, num almoço a que assisti, veio à baila esta figura polémica da política europeia. Dois dos convivas, ambos portugueses, contaram um episódio curioso a que haviam assistido.

Um conhecido político português foi, um dia, visitar Berlusconi, que então era primeiro ministro. O encontro decorreu de forma agradável, no ambiente de descontração que o líder italiano tradicionalmente proporcionava aos seus visitantes.

O nosso político, a certo ponto da conversa, fez uma apresentação muito completa e informada sobre a situação europeia e mundial, com grande rigor e brilho expositivo. Berlusconi mostrou-se visivelmente interessado no que ouvia, que seguiu com atenção até ao fim. Nesse instante, não se conteve e disse:

- Tenho pena que o senhor não seja italiano!

Por segundos, o escasso auditório ficou perplexo. Com um sorriso aberto, Berlusconi esclareceu:

- Se o senhor fosse um político italiano, eu e a minha família votaríamos em si, com toda a certeza.

O nosso político terá considerado isso um elogio?

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Silêncio de ouro

Os comentadores, na sua natural liberdade, podem, e até devem, falar da possibilidade de Portugal, caso venha a constatar-se que não consegue regressar ao mercado financeiro sem garantias externas, poder ter de vir negociar um novo programa de ajuda, no pior cenário em moldes idênticos ao atual, na melhor das hipóteses através de um "programa cautelar", apoiado apenas nas instituições europeias.

Aos mesmos comentadores assiste também o direito de refletirem em voz alta sobre se Portugal e os seus credores não deverão, em momento oportuno, encarar a possibilidade de recorrer a uma "reestruturação da dívida" (alguns, dados ao "economez" que agora é gíria, dão-se ao luxo de falar de "haircut"), elegante forma de se assumir que parte dela será necessariamente "perdoada" e não paga, atenta a implausibilidade manifesta de o país vir a registar taxas de crescimento capazes de corrigirem os atuais desvios.

De igual modo, nas tribunas de imprensa ou nas conversas de café, a questão do nível do défice das nossas contas públicas para 2014 pode ser objeto de comentários, às vezes informados, outras vezes meras "fezadas". Ou, retomando Augusto Gil: "Será 4%? Será 4,5%? 5% não é certamente, porque a "troika" não deixa assim..."

Os comentadores têm todo o direito de especular sobre tudo isto. Mas os políticos não. Só que, em Portugal, já não se percebe bem onde começam uns e acabam os outros. 

Numa situação internacional na qual a imagem de Portugal sofre hoje de uma clara fragilidade, em que os detentores - atuais ou potenciais - da nossa dívida olham "à lupa" qualquer dissonância por parte do nossos decisores políticos - também eles, atuais ou potenciais -, o óbvio recomendável seria que todos eles se calassem, sobre os temas que acima referi. Mas já se percebeu que isso não é possível e que a politiqueirice os impele a fazerem, de quando em vez, considerações "ligeiras" sobre estas questões, que sendo de uma extrema sensibilidade, nos custam a todos, e todos os dias, imenso dinheiro. Que não são eles que pagam, claro.