quinta-feira, 11 de maio de 2017

"Talent de rien faire?"


O infante dom Henrique tinha por lema "talant de bien faire".

As embaixadas e consulados portugueses no estrangeiro vão estar encerradas, por "tolerância de ponto", no dia em que o papa vai a Fátima? O pessoal vai a Fátima, é? Estão a gozar connosco, lá nas Necessidades?

"Talent de rien faire?" Depois queixem-se sobre a imagem que as representações portuguesas no estrangeiro projetam...

8 comentários:

patricio branco disse...

algum até poderia ir, ou não? há certamente gente de boa fé mariana pelos consulados, e nas embaixadas, os do vaticano p ex têm muito direito à tolerância, estão no local certo, papa ausente.
e há os que acompanham pela rtv alguns seguramente. em pequim e tóquio mais estranha a tolerancia, mas enfim, é uma vez cada 15 anos.
alem de que o mne está fechado. utentes podem queixar-se, no entanto. e depois?

Anónimo disse...

Já quase nada resta para nos admirarmos com certas decisões que acontecem no MNE. Enfim...

Anónimo disse...

Caro Patricio Branco

e os sue nao sabem e vao faltar ao emprego para ir ao consulado a Lyon, buscar um qualquer documento, como é que fazem? Quem é que lhes paga o comboio que tiveram de apanhar para vir da terra até Lyon, e quem é que lhes justifica a falta? e quem é que lhes paga a proxima viagem e lhes justifica a proxima falta? é vexa?

cumprimentos

Luís Silva Nunes disse...

O lema do Infante era "Talant de bien faire" e não "Talent ... "

Francisco Seixas da Costa disse...

Tem toda a razão, Luís Silva Nunes. E não foi lapso meu, foi puro desconhecimento. Aprendi. E, se me permite, vou corrigir, porque a homofonia mantém-se.

Castro Martins disse...

Homófonas, com grafias muito próximas e com significados não tão divergentes como muitas daquelas a que chamamos parónimas.

Castro Martins disse...

Homónimas, com grafias muito próximas e com significados não tão divergentes como acontece com muitas das que costumamos usar como exemplo de parónimas.

Augusto de Castro Ribeiro disse...

Prezado Embaixador e Caro Confrade Enófilo e Gastrónomo de Trás-os-Montes e Alto Douro,
Enquanto o meu Amigo andava pela EPAM e pelo EMGFA, eu andei pelo Alfeite e o lema do Infante é a divisa da Escola Naval, efetivamente com talant e não talent.
Não sou linguista, mas julgo, que, de facto, estas palavras são parónimas, dada a semelhança de pronúncias e grafias, mas com significados, mais do que diferentes, quase opostos.
Com efeito, é ao talante (Infopedia: vontade, desejo, arbítrio - do francês antigo talant, «diligência») de perfeição dos Portugueses que aquela divisa apela e não ao talento, como aptidão natural.
Transposto para os tempos modernos, é como se Cristiano Ronaldo fosse seguidor do Infante, face ao talentoso Lionel Messi!...
Cordiais saudações,
Augusto de Castro Ribeiro