sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Do mal o menos?

Tenho saudades do tempo em que desejava que ganhassem os meus.

Tenho saudades do tempo em que, nas eleições americanas, era a favor de George McGovern, porque era a América que me entusiasmava, face às trampolinices de Richard Nixon. Agora, nas últimas eleições, fui a favor de Hillary Clinton, uma mulher a quem nunca perdoei o apoio dado a George W. Bush na invasão do Iraque, uma candidata a quem cabiam as maiores responsabilidades na tragédia da Líbia, uma das culpadas pelo estado de conflitualidade criado na Ucrânia.

Tenho saudades do tempo em que fazia figas para que o SPD alemão arrasasse a CDU aliada ao radicalismo conservador bávaro da CSU. Agora, sinto-me tentado a cantar loas a Angela Merkel, a elevá-la a expoente da consciência da moral europeia, pelo seu gesto humano perante os refugiados, depositando esperanças em que ela possa dar um mínimo de liderança a esta pobre Europa.

Tenho saudades do tempo em que vivia as presidenciais francesas como se fossem no meu país, em que me entusiasmava com Mitterrand e, mais tarde, com a possibilidade de Jospin poder colocar um ponto final às ambições do gaullismo tosco de Chirac. Depois, foi o que se viu: "votei" por Chirac para derrotar o pai Le Pen e agora, perante a inexistência de um candidato de esquerda com um mínimo de hipóteses de vitória, já me satisfaria uma figura de direita menos radical, fosse François Fillon (mas não deve ser) ou um modelo político plástico como Emmanuel Macron. O importante será conseguir derrotar a filha Le Pen na 2ª volta.

Por este andar, para evitar que os (meus) adversários da Segunda Circular vençam a Liga, ainda me verei a resignar-me a que a rapaziada das Antas tenha êxito. 

Estou farto deste "do mal o menos" a que pareço condenado...

11 comentários:

Anónimo disse...

Não gosta do Trump, mas gosta do Bruno de Carvalho e por extensão do Pinto (mulatas apito e fruta) da Costa. Enfim.

Anónimo disse...

É o que dá não saber escolher o lado, Senhor Embaixador.

Jaime Santos disse...

Convenhamos Sr. Embaixador, que enquanto consumado lampião, considero a comparação repugnante ;-). Se todos os males da Esquerda e da Europa se comparassem à perda que é ver o Sporting a inchar mais uma derrota, nós podíamos todos suspirar de alívio...

Anónimo disse...

E na liga chinesa, por quem sois?

José Alberto disse...

E julgo não errar por muito se disser que agora já somos dois e amanhã seremos muitos mais.

Joaquim de Freitas disse...

Sem o seu estilo, muito melhor que o meu, mas com as mesmas conclusões, poderia ter escrito o mesmo texto, Senhor Embaixador.

De facto, “escolhi” as mesmas opções, excepto a de Hillary. O meu problema, é que se o Senhor foi capaz de “optar”, eu não pude. Entre a peste e a cólera…No fundo, tenho a esperança que um dia o “destino” decida pela boa solução…

E sabe, votei mesmo por Chirac, para escapar a Le Pen…

Em Maio próximo, entre aquele que pagou 45 anos de salário médio francês à esposa , por 5 anos de “não” trabalho, (mais 10 anos de reforma média dum trabalhador “verdadeiro” aos filhos ) e a filha de Le Pen, espero que outro “poder mais alto se alevante”, mesmo se é plástico…

Anónimo disse...

JJM, possivelmente editor de desporto do PUBLICO diz que Hollande a chefiar o Conselho Europeu é boa escolha pela sua acção positiva na política externa. Não se sabe que acção, mas o articulista esteve inspirado.

Anónimo disse...

Espantoso, além da comparação do irrelevante com a destruição do mundo, ainda se fica a saber que prefere perder amanhã, abandonar de vez as hipóteses de chegar à Europa e ganhar dinheiro que permita escapar à falência e pagar os processos todos que perdeu, a ver o Benfica vencer o campeonato.

É o que se chamam prioridades bem definidas.

Anónimo disse...

Senhor Embaixador

já Camões dizia:

«Mudam-se os tempos, muda-se a vontade
Muda-se o ser, muda-se a confiança
Todo o mundo é composto de mudança
Tomando sempre novas qualidades»

José Neto

Anónimo disse...

A Segunda Circular é uma grande via. Eu, que sou dos encarnados, hoje estarei totalmente do lado verde, por uma só razão: não quero que os verdes fiquem já pelo caminho e também não quero que os azuis fiquem pertinho de nós. Lá estarei no Estádio (no caso, o écran num restaurante) a acompanhar o jogo e acompanhado de umas bejecas. Posso não concretizar os meus desejos, mas uma jantarada comemorativa ninguém ma tira. 1 X 2

Anónimo disse...

Parabéns ao embaixador que assim o Porto não se afasta do Benfica. O Sporting caminha para o não apuramento para as provas europeias e promete agarrar-se ao quarto lugar. E Haverá banqueiros amigos se não entrar dinheiro para a Doyen. Está tudo tão bem e feliz em Alvalade com o resultado que desta vez ninguém falou dos benefícios da arbitragem, direitinhos a favor da equipa de Pinto da Costa. A verdade é que desde o 25 de abril o Sporting só ganhou o campeonato quatro vezes, mas isso que tem? O Benfica ficou em segundo ou terceiro umas vinte e tal vezes e isso é que é saboroso.