quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O grande dia adversativo


Ele aí está, o imenso dia adversativo, as horas encavacadas, em que oposição, e os seus comentadores económicos encartados, irão engolir em seco.

É demasia areia para aquela carroça: são as estatísticas económicas favoráveis aos objetivos do governo para o país, é a luz verde ao orçamento por Bruxelas, é o fim da ameaça da suspensão dos fundos comunitários e, no topo do bolo, a cereja do anúncio do abandono, dentro de algum tempo, do procedimento por défices excessivos. É demais para um só dia, concedo!

Hoje, para todos esses deserdados das más notícias, é o dia dos muitos e diversos MAS.

Vão ser aos montes os "porém", os "no entanto", os "não obstante" e coisas assim, às vezes travestidas de sábia prudência, na disfarçada esperança de que o 4° trimestre, afinal, acabe por não ajudar à festa da Geringonça.

Não vai ser fácil o dia de hoje para a rapaziada do MAS, para os viúvos da austeridade. Bruxelas e o INE - esses ingratos! - deixaram-nos cair. Isto não se lhes fazia.

Estejam bem atentos, ouçam-nos e leiam-nos com atenção. E se acaso descobrirem algum desses opinadores - um só! - que seja frontal e não tenda a relativizar os números, prometo fazer a minha penitência.

1 comentário:

A JOGATANA disse...

A ciência está em "saber vender o peixe".
Costas só há um! Marcelo, idem, aspas!